sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Em reunião na Alepe, técnicos descartam risco de desabamento do Shopping RioMar

Representante do RioMar Recife explica que já foi feito pedido de investigação para punir os responsáveis pela divulgação dos vídeos. Quatro pessoas já foram identificadas e podem responder pelo crime de difamação, que pode resultar em detenção de três meses a um ano, além de multa. (Foto: Rinaldo Marques/Alepe)

A informação que circula desde o mês passado de que a estrutura do Shopping RioMar, na Zona Sul do Recife, estaria sob risco motivou uma reunião da Comissão de Cidadania da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), nesta quinta (10). Desde o dia 16 de outubro, circulam vídeos nas redes sociais mostrando rachaduras no empreendimento e sugerindo que o edifício poderia desmoronar. “Em nenhum momento duvidamos dos laudos técnicos e achamos importante abrir um espaço para tranquilizar a sociedade. A Comissão se soma aos órgãos competentes, que já explicaram a questão”, declarou o deputado Edilson Silva (PSOL), presidente do colegiado.

No último dia 31 de outubro, após vistoria conjunta com representantes da Defesa Civil do Estado, do Corpo de Bombeiros e da empresa responsável pela construção, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Pernambuco (Crea-PE) descartou o boato. Em nota, afirmou que as fissuras são resultado de junta de dilatação de piso e alvenaria, “não sendo, esse detalhe construtivo, razão para pânico ou desconfiança quanto ao ingresso do público no centro comercial”. Presente nesta quinta, o presidente do Crea-PE, Evandro Alencar, reiterou a avaliação.

A explicação coincide com a dos demais órgãos presentes no debate. Secretário-executivo da Defesa Civil Estadual, Fábio Rosendo pontuou que continuam circulando na Internet informações falsas acerca da estrutura do empreendimento. “Diante da continuidade do boato, é importante esclarecer que se trata de um mero detalhe construtivo sem risco”, frisou. Nesse sentido, o major Erick Aprígio, do Corpo de Bombeiros, alertou que a divulgação de informações desse tipo pode gerar pânico na sociedade, como tumultos e correria. “Isso sim pode contribuir para a insegurança.” “Podemos atestar que está tudo regular dentro do shopping”, completou.

Representante do RioMar Recife, Francisco Bacelar chamou atenção para o impacto econômico negativo de boatos como esse: “Precisamos preservar as pessoas que trabalham e também o clientes. Estamos falando de um centro de compras que emprega mais de oito mil funcionários e onde circulam mensalmente cerca de dois milhões de pessoas”.

Bacelar explicou, ainda, que já foi feito pedido de investigação para punir os responsáveis pela divulgação dos vídeos. Quatro pessoas já foram identificadas e podem responder pelo crime de difamação, estabelecido no artigo 139 do Código Penal (Decreto-Lei nº 2.848/1940), com previsão de detenção de três meses a um ano, além de multa. O Shopping RioMar já havia se posicionado por meio de parecer técnico elaborado pela Engedata Construção, atestando a segurança e a estabilidade da obra.

Projetos - Durante a reunião, o colegiado concedeu parecer favorável a 14 propostas. Entre as quais, o Projeto de Lei nº 950/2016, aprovado nos termos do Substitutivo nº1, da Comissão de Justiça. De autoria do deputado Ricardo Costa (PMDB), a matéria proíbe a cobrança de valores adicionais nas matrículas, mensalidades e anuidades de alunos com deficiência, submetendo os infratores a multa, que pode chegar a R$ 20 mil.

Alepe

Nenhum comentário:

Postar um comentário