sábado, 13 de junho de 2020

PRF apreende carro clonado com mais de 100 kg de maconha em São Caetano, PE

Droga apreendida pela PRF — Foto: PRF/Divulgação

Um carro clonado que estava transportando 116 kg de maconha foi apreendido neste sábado (13), na BR-232, em São Caetano, no Agreste de Pernambuco. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a ação aconteceu durante uma fiscalização no quilômetro 145 da rodovia.

Ainda segundo informações da PRF, os policiais deram ordem de parada ao motorista de um carro, que desobedeceu e acelerou o veículo. Após cerca de 300 metros de acompanhamento, ele parou no acostamento e fugiu.

Foram realizadas buscas no local, mas o suspeito não foi encontrado. O carro tinha placas clonadas e havia sido roubado em Salvador, na Bahia, em março deste ano.

No carro, a PRF encontrou dez sacos de maconha nos bancos dos passageiros, embaixo do banco do motorista e no porta-malas do veículo. A droga foi encaminhada à Delegacia de Polícia Civil de Belo Jardim.

Por G1 Caruaru

Deputados bolsonaristas invadem hospital público no Espírito Santo


Deputados estaduais do Espírito Santo, apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, fizeram uma “visita surpresa” ao Hospital Dório Silva, no município de Serra, região metropolitana de Vitória, após a sugestão dada pelo próprio presidente para que pessoas tentem entrar nas unidades de saúde e filmar os leitos.

A ação dos parlamentares ocorreu na tarde de sexta-feira (12/03) e gerou descontentamento de profissionais da área médica. Em nota pública divulgada neste sábado (13/06), a Secretaria de Estado da Saúde repudiou o que chamou de “invasão”.

Flexibilização: MPPE vai interpor Ação Direta de Inconstitucionalidade contra decretos municipais que diminuem as restrições do decreto estadual

Flores, Triunfo, Orocó e Cabo: Ministério Público alerta para ...

O procurador-geral de Justiça ingressou com ação direta de inconstitucionalidade no Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), na quarta-feira (10), para restringir a aplicação do Decreto nº 037/2020 do Município de Petrolina, que autorizou a reabertura das atividades econômicas de forma mais ampliada do que a determinada pelo Governo do Estado. Previu, por exemplo, a partir de 1º de junho, a reabertura de templos religiosos, comércio e serviços, salões de beleza, barbearias e similares, ainda que com carga reduzida, além do transporte por aplicativo, atividades ainda vedadas pelo Decreto Estadual nº 49.055, cuja retomada será gradual, conforme plano de convivência com a Covid-19 estabelecido a nível estadual.

A ação decorre da necessidade de compatibilizar as regras previstas na legislação municipal à determinação estadual, já que cabe ao município, no exercício de sua competência legislativa (art. 78, inc. II, da Constituição Estadual), suplementar as lacunas da legislação estadual, apenas para intensificar o nível de proteção à população já conferido, sendo indevida qualquer redução do patamar de cuidado estabelecido em atos normativos nacionais ou estaduais, sem, contudo, contrariá-la. Portanto, não se trata de restringir a retomada da atividade econômica, mas sim preservar a atribuição legislativa dos entes federativos, já que lhes cabem, de igual modo, assumir as responsabilidades estabelecidas no sistema único de saúde.

FGTS: calendário do saque emergencial vai de junho até novembro


O pagamento do saque emergencial do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) começará no fim de junho e irá até o meio de novembro. As datas serão organizadas de acordo com o mês de nascimento dos beneficiados. De acordo como a estimativa da Caixa, 60 milhões de pessoas receberão, cada uma, R$ 1.045 em todo o país.

O cronograma foi anunciado hoje (13) em entrevista coletiva virtual concedida pelo presidente do banco, Pedro Guimarães. O anúncio havia sido feito em abril pele equipe econômica do governo federal.

O pagamento do saque emergencial do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) começará no fim de junho e irá até o meio de novembro. As datas serão organizadas de acordo com o mês de nascimento dos beneficiados. De acordo como a estimativa da Caixa, 60 milhões de pessoas receberão, cada uma, R$ 1.045 em todo o país.

O cronograma foi anunciado hoje (13) em entrevista coletiva virtual concedida pelo presidente do banco, Pedro Guimarães. O anúncio havia sido feito em abril pele equipe econômica do governo federal.

Por Agência Brasil

Gestora de Petrolândia e demais prefeitos do Sertão tem reunião com Paulo Câmara para “alinhar ações entre Estado e Municípios”

A gestora Jane Souza, de Petrolândia, mostrou dúvidas a respeito dos protocolos da reabertura do comércio.
O governador Paulo Câmara pediu unidade entre os entes. “Estamos agora com duas frentes, a frente de cuidar dos doentes e a retomada gradual de alguns setores da economia

A Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) promoveu neste sábado, 13/06, mais uma reunião de prefeitos com o governador Paulo Câmara. Desta vez, os gestores de todo o Sertão do Estado, que compreendem as Macrorregiões 3 e 4 de saúde, puderam debater com o Estado a regionalização do plano de convivência com o coronavírus.

Cerca de 55 gestores participaram da reunião. Na oportunidade, o governador Paulo Câmara pediu unidade entre os entes. “Estamos agora com duas frentes, a frente de cuidar dos doentes e a retomada gradual de alguns setores da economia. A Secretaria de Educação vai começar as reuniões com os municípios, para analisar quando haverá o retorno das aulas, com planejamento e data. Além da entrega, em breve, dos hospitais de campanha no Sertão. O momento é de unidade, vamos alinhar as ações entre Estados e Municípios”, enfatizou. Segundo o secretário de Saúde, André Longo, os Hospitais de Campanha de Serra Talhada e Petrolina vão começar a funcionar em 10 dias.

Longo também falou sobre a proliferação da doença e que o Estado previu que todas as regiões de Pernambuco fossem atingidas. “Nós pensávamos e sabíamos que a doença chegaria a todas as regiões do Estado, mas chegaria em fases de diferentes, e é isso que tem acontecido. O sertão ainda tem uma certa estabilização com padrões ainda baixos, mas isso não pode fazer com que a gente deixe a cautela de lado, inclusive com a forma de comunicar à população. O nosso compromisso, para as próximas semanas, é com uma retomada cautelosa e olhando sempre os números”, concluiu.

O prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque pediu um “olhar especial” à reabertura da feira de animais, um arranjo produtivo local de Serra, além da situação dos mototaxistas da cidade. O prefeito de Araripina, Raimundo, parabenizou a regionalização do plano de convivência e pediu atenção quanto à disponibilização de leitos na região. O Governador Paulo Câmara anunciou, em 10 dias, a abertura de mais 10 leitos no Hospital Santa Maria.

Em Cabrobó, o prefeito Marcílio Rodrigues, pediu reforço policial. A gestora Jane Souza, de Petrolândia, mostrou dúvidas a respeito dos protocolos da reabertura do comércio. O prefeito de Afogados da Ingazeira e presidente da Amupe, José Patriota questionou o Estado acerca da abertura de templos religiosos e, principalmente, sobre a situação do Transporte Intermunicipal. Já em Arcoverde, a prefeita Madalena Britto pediu a instalação de salas de hemodiálise, visto que alguns pacientes com coronavírus precisam desse tratamento.

A respeito dos protocolos do plano de convivência com o coronavírus, o secretário de Desenvolvimento Econômico, Bruno Schwambach, afirmou que “essas questões estão sendo divulgadas no site www.pecontracoronavirus.pe.gov.br. A gente tenta colocar de forma mais genérica possível, pois as especificidades variam de região para região. No entanto, os prefeitos podem adaptar as situações, pois conhecem melhor a sua realidade”, frisou.

“Em relação à saúde, precisamos avançar na abertura do Hospital de Serra Talhada. Já tem tratativas para hemodiálise no hospital Rui de Barros Correia, de Arcoverde, faz parte da linha de cuidado desses pacientes. Além disso, temos um estudo para instalar mais leitos com respiradores em Afogados da Ingazeira. Como foi anunciado, vamos implantar mais 10 leitos de UTI em Araripina”, completou o secretário de Saúde André Longo.

O governador Paulo Câmara disse estudar a questão da feira livre de animais e a questão dos mototaxistas para recomeçar essa operação. “Ao longo da próxima semana nossa equipe vai atuar e ter retorno. A gente precisa agora reforçar algumas estruturas de saúde, para dar efetividade à ação de combate ao coronavírus. Sobre a polícia militar, vamos ter uma reunião amanhã e colocaremos a situação em pauta. Na questão da abertura de templos religiosos, estamos fechando um protocolo junto às igrejas. No transporte intermunicipal, há construção de protocolo e a situação é preocupante, principalmente nas cidades fronteiriças”, salientou o governador.

Para o presidente da Amupe, José Patriota, “na medida que o Estado vai evoluindo com os protocolos é importante que os municípios sejam informados. Todos os prefeitos são gratos pela abertura do plano e pelo diálogo. Agradeço muito ao governador pelos 100 mil testes rápidos que foram distribuídos a todos os municípios de Pernambuco, no decorrer desta semana”, concluiu. Participaram da reunião os Municípios das regiões de Arcoverde (Geres VI) Afogados da Ingazeira (Geres X), Serra Talhada (Geres XI), Salgueiro (GERES VII), Petrolina (GERES VIII) e Ouricuri (GERES IX).

Por: ASCOM Amupe 

Vídeo! Homem xinga profissional de saúde de hospital do DF: 'Sua louca, doente, sai daqui pão com mortadela!''

''Arruma um psiquiatra para essa mulher. Sua petista. Sai daqui, pão com mortadela. Prefiro ser Bolsonaro do que uma petista”, disse.

Um homem e uma profissional de saúde do Hospital Regional de Ceilândia (HRC), no Distrito Federal, protagonizaram uma discussão sobre o fluxo do pronto-socorro na unidade de saúde, que foi adaptado para recebimento de pacientes com COVID-19.

Identificado nas redes sociais como Tacio Rogério, o homem foi até o hospital, na noite de terça-feira (9/6), de onde gravou uma live. No vídeo, ele reclama da adaptação feita pela Secretaria de Saúde para encaminhamento de pacientes com coronavírus à unidade. “Agora é só COVID. Só COVID. É lamentável essa situação. Os moradores de Ceilândia merecem respeito. E queremos nosso pronto-socorro de volta. Para amanhã. Para ontem. Não é para daqui a 60 dias não”, disse.


A profissional de saúde, então, surge paramentada com equipamentos de proteção individual (EPI’s). “Entra lá para você ver a situação da COVID”, disse. O homem rebate. “Eu já sei". A profissional de saúde segue contestando a postura do homem, que permanece gravando tudo. “Entra lá para você ver, seu irresponsável. Sai daqui”, esbraveja ela. O homem segue a discussão. “Tira o dedo da minha cara. Me tira daqui se a senhora for mulher”.

Tacio, que no vídeo afirma ser morador de Ceilândia, então, xinga a profissional. “Sua louca, doente”, disse. Em seguida, ele volta a contestar as mudanças no HRC para suporte em casos de COVID-19. “Só está morrendo gente de COVID? O Hospital de Samambaia não tem pronto-socorro. Por que não levaram para lá?”, afirma, antes de voltar a dirigir gritos a profissional de saúde. “Vai se internar. Arruma um psiquiatra para essa mulher. Sua petista. Sai daqui, pão com mortadela. Prefiro ser Bolsonaro do que uma petista”, disse.

Em nota, a Secretaria de Saúde afirmou que o vídeo foi encaminhado ao departamento jurídico da pasta e às autoridades policiais. O Correio entrou em contato com a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) para verificar como anda a apuração do caso e aguarda retorno.

Por Correio Braziliense 

Forças Armadas não aceitam tentativas de tomada de poder, diz Bolsonaro ao comentar decisão de Fux


Depois de o vice-presidente do Supremo Tribunal Federal considerar que o presidente da República tem poder limitado como chefe das Forças Armadas ao conceder uma liminar, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que os militares não cumprem ordens absurdas nem aceitam tentativas de tomada de poder por outro Poder da República por meio de julgamentos políticos.

"Lembro à nação brasileira que as Forças Armadas estão sob a autoridade suprema do presidente da República, de acordo com o Art. 142/CF", diz Bolsonaro em nota conjunta com o vice-presidente Hamilton Mourão e o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo.

"As mesmas destinam-se à defesa da pátria, à garantia dos Poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem", continua a nota.

"As FFAA do Brasil não cumprem ordens absurdas, como p. ex. a tomada de poder. Também não aceitam tentativas de tomada de poder por outro Poder da República, ao arrepio das leis, ou por conta de julgamentos políticos", acrescentam os signatários.

A declaração ocorre não só após a decisão de Fux como em meio ao julgamento pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) das primeiras duas ações contra a chapa Bolsonaro-Mourão, vitoriosa nas eleições de 2018, ao inquérito no Supremo que investiga a possível interferência de Bolsonaro na Polícia Federal e também a especulações sobre um eventual processo de impeachment, sempre tratado como um julgamento político-jurídico, contra o presidente.

Ao acatar parcialmente uma liminar em ação movida pelo PDT para definir o emprego da instituição do ponto de vista legal, Fux considerou que o presidente da República tem "poder limitado" como chefe das Forças Armadas e destacou que elas não têm competência para ser um "poder moderador".

"Com efeito, a chefia das Forças Armadas assegurada ao presidente da República consiste em poder limitado, do qual se deve desde logo excluir qualquer interpretação que permita indevidas intromissões no regular e independente funcionamento dos outros Poderes e instituições, bem como qualquer tese de submissão desses outros Poderes ao Executivo", disse Fux.

Bolsonaro já criticou o inquérito que investiga a possível interferência dele na PF, assim como o chamado inquérito das fake news, que atingiu aliados seus. Na véspera, o presidente disse que as ações que começaram a ser julgadas no TSE na terça-feira deveriam ser arquivadas e deixam claro o intuito da tentativa de "querer decidir no tapetão".

Nesta sexta, em entrevista online com a imprensa estrangeira, o presidente do TSE, Roberto Barroso, que também é ministro do STF, disse que a corte não é um ator político e que a chapa vencedora da eleição presidencial em 2018 será julgada com base em uma análise imparcial das provas, mas ressaltou que o tribunal tem competência prevista na Constituição e na legislação para cassar os mandatos se for o caso.

Por Portal Terra

Dois jogadores e dez funcionários do Sport testam positivo para Covid-19


O Sport fez, na última quinta-feira, testes da Covid-19 em 97 pessoas, entre profissionais que trabalham na Ilha do Retiro, membros do departamento de futebol, da comissão técnica e jogadores. Neste sábado, os resultados foram divulgados - e mostraram que dois atletas e dez funcionários testaram positivo para a doença causada pelo novo coronavírus.

O Sport não revelou os nomes dos jogadores e funcionários que receberam o diagnóstico positivo. De acordo com o médico do clube Stemberg Vasconcelos, no entanto, todas as 12 pessoas já estão curadas da doença.

- A gente recebeu os exames realizados na quinta-feira pela manhã, lá na Ilha do Retiro, e, dentro da avaliação dos exames, tivemos em torno de 18% de todos que fizeram o exame de casos positivos. Porém esses positivos são de pessoas que já tiveram a doença e não estão mais contaminando, então são aquelas pessoas que teoricamente já têm imunidade. O restante do grupo inteiro testou negativo, disse.

Dos atletas, apenas o atacante Hernane e Leandro Barcia não foram testados. O primeiro porque já havia feito o exame, que indicou uma diagnóstico de dengue. Já o uruguaio fez a quarentena em seu país natal e, com isso, precisará de uma logística diferente para retornar. A expectativa é de que esteja no Recife na próxima semana.

Com os resultados dos exames, o Sport voltará a treinar na próxima segunda-feira (15). Mas em um modelo diferente do tradicional, como explica Stemberg Vasconcelos.

- Devemos iniciar os treinamentos na próxima segunda-feira pela manhã, os grupos vão ser divididos em sete atletas em cada campo, dois períodos. Com isso, devemos contemplar o grupo todo.

Além disso, a vigilância permanece para evitar novos casos e afastar precocemente jogadores ou funcionários que apresentem sintomas. Além disso, uma nova bateria de exames para todos está prevista para acontecer em breve.

- Em relação especificamente à comissão técnica e atletas, tivemos um percentual de 18% [de infecção], que está se repetindo em quase todos os clubes com que tivemos contato. O procedimento são os mesmos: afastamento, cuidado com a higienização, testagem se tiver com sintomas e, daqui a 15 dias, faremos provavelmente uma nova testagem com todos, disse Stemberg.

O Sport fará um monitoramento diário dos funcionários e jogadores, que responderão a um questionário todo dia e terão sintomas, caso existam, avaliados.

- Em relação às pessoas que tiverem sintomas, serão afastadas. Esperaremos em torno de 3, 4 dias, realizar o exame inicial, deve ser o RT-PCR, que é coleta na narina e na boca, para definir se tem ou não a doença. Não tendo, dando negativo, a pessoa retorna aos trabalhos, declarou o médico rubro-negro

Por Rômulo Alcoforado — Recife

Polícia desmonta acampamento de apoio a Bolsonaro na Esplanada e Sara Winter cobra reação do presidente


Os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tiveram que deixar o acampamento na Esplanada dos Ministérios na manhã deste sábado (13/6). Uma operação coordenada pela Secretaria de Segurança Pública e o DF Legal desocupou a área pública em cumprimento a um conjunto de leis federais e locais, além do decreto do GDF que proíbe aglomeração por conta da pandemia mundial do coronavírus.

O secretário do DF Legal, Gutemberg Tossate, ressaltou que a ocupação daquele espaço era ilegal. "Existe um decreto federal que define a Esplanada como área de segurança. Portanto, um acampamento nos moldes como aquele, com pernoite, churrasco contraria todas as normas legais vigentes", explica.

Um dos acampamentos, ligado ao movimento que se intitula “300 do Brasil”, estava ao lado do Ministério da Justiça e Segurança Pública. O outro, ao lado do Ministério da Agricultura. Em denúncia enviada ao Correio por meio do telefone Coronavírus CB (99119-8919), um servidor da Esplanada relatou que o grupo acampado entre os blocos C e D, circulava sem máscara e sem respeitar o distanciamento social.

"A minha aflição nos últimos dias tem sido o fluxo de pessoas no citado espaço, transeuntes, vendedores ambulantes. O pessoal não utiliza máscaras e não respeita nenhum distanciamento das pessoas. Em um momento em que os casos de contaminação tendem a aumentar a postura do grupo é extremamente irresponsável e preocupante", desabafou.

No DF é proibido circular em espaços públicos sem máscara sob pena de multa de até R$ 2 mil para pessoa física e de R$ 4 mil para estabelecimentos. As multas são aplicadas desde 18 de maio.
Justiça
 
A desmobilização do acampamento é alvo de uma ação civil pública das 1ª e 2ª promotorias de Justiça Militar do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). Em caráter de urgência, o órgão pediu à Justiça a desmobilização do grupo intitulado Os 300 do Brasil e a proibição da retomada do movimento, que se reúne em Brasília desde o fim de abril com o intuito de “treinar” apoiadores do presidente Jair Bolsonaro para, dentre outros objetivos, “expor e combater o totalitarismo da esquerda”. Este mês, aJustiça negou pedido do MPDFT.

A militante Sara Winter, usou as redes sociais para criticar a ação do governo e cobrou de Bolsonaro uma posição. “A @pmdfoficial junto à Secretaria de Segurança desmantelou baixo gás de pimenta e agressões. Barracas, geradores, tendas, TUDO TOMADO à força! A Militância bolsonarista foi destruída HOJE. PRESIDENTE, REAJA!!!”, escreveu Winter.

Nota oficial
Em nota oficial, a Secretaria de Segurança Pública do DF (SSP/DF) esclarece que as forças de segurança atuaram em apoio ao DF legal para desmontar os acampamentos irregulares, de acordo com a legislação local.

Houve diversas tentativas de negociação para a desocupação da área, mas, infelizmente, não houve acordo. Os acampamentos foram desmontados sem confronto.

Por Correio Braziliense
 

Leonardo confirma saída de Thiago Silva e Cavani do PSG

Thiago Silva chegou ao PSG em 2012, e Cavani, um ano depois — Foto: Getty Images
Thiago Silva chegou ao PSG em 2012, e Cavani, um ano depois — Foto: Getty Images

Os rumores que tomaram conta da imprensa francesa apontando para a saída de Thiago Silva do PSG ao fim da temporada ganharam tom oficial na voz do diretor esportivo do clube, o brasileiro Leonardo. Em entrevista ao "Le Journal du Dimanche", o dirigente confirmou que o clube decidiu não renovar o contrato do zagueiro, assim como o do atacante Cavani, deixando a dupla livre para sair nos próximos meses.

Leonardo é diretor esportivo do PSG desde o começo da temporada  — Foto: Getty Images

- Foi uma decisão muito difícil de tomar. São jogadores que marcaram a história do clube. Sempre nos perguntamos se devíamos continuar por um longo caminho ou se não valia a pena. As histórias foram muito bonitas, mas, sim, estão chegando ao fim - afirmou Leonardo.

Na última semana, os principais diários esportivos da França publicaram que Leonardo entrou em contato com Thiago Silva para informá-lo da decisão de não renovar seu contrato. Ninguém do clube ainda havia se manifestado oficial até então. O zagueiro, atualmente com 35 anos, chegou ao clube em 2012, vindo do Milan, e se tornou um dos ícones da geração vitoriosa construída na última década, assim como Cavani, hoje aos 33, contratado um ano depois do brasileiro.

- Tivemos que tomar uma decisão lógica, até economicamente ou em relação à geração que está por vir. Nunca há um momento perfeito. Agora, a Liga dos Campeões ainda está por vir, e a ideia é continuar jogando com eles até o final de agosto. O que pode ser feito ainda não está claro - explicou Leonardo.

O diretor esportivo afirmou que o clube tentará viabilizar a extensão temporária dos vínculos que terminam em junho e julho, permitindo que os atletas nesta situação possam participar da reta final da Liga dos Campeões, que deve ser realizada em agosto. O PSG se classificou para as quartas de final, eliminando o Borussia Dortmund, em um dos últimos jogos antes da paralisação do futebol pela pandemia do novo coronavírus.

Este cenário contemplaria não só Thiago Silva e Cavani, mas também os laterais Kurzawa e Meunier, o atacante Choupo-Moting e o goleiro Sergio Rico - que estariam fora dos planos do clube, segundo o dirigente.

- A ideia também é parar por aí, mas temos que discutir os próximos dois meses. Vamos tentar manter o grupo inteiro para a Liga dos Campeões. Admito que seja desconhecido o caso de Sergio Rico, por exemplo, que seu empréstimo acaba no fim do mês e você não pode contratar um segundo goleiro para esses jogos - concluiu o brasileiro, garantindo que o técnico Thomas Tuchel está ciente dos planos.

Governo do Amazonas superfaturou compra de respiradores durante pandemia, afirma CPI


Uma CPI da Assembleia Legislativa do Amazonas identificou um superfaturamento de R$ 496 mil na aquisição emergencial de 28 respiradores pelo governo Wilson Lima (PSC). A compra ocorreu em abril, no início da epidemia do novo coronavírus.

Documentos obtidos pelos parlamentares mostram que, em 2 de abril, a empresa Sonoar ofereceu os respiradores, de dois modelos diferentes, à Secretaria de Saúde (Susam), a um preço total de R$ 2,48 milhões. A proposta, porém, não foi aceita.

Quatro dias depois, em 8 de abril, a Susam comprou 28 respiradores dos mesmos modelos por quase R$ 2,98 milhões de outra empresa, a Importadora FJAP, especializada em vinhos. A compra, sem licitação, foi concretizada às 17h39, segundo a CPI.

Os parlamentares descobriram que se trata dos mesmos respiradores – duas horas e meia antes de fechar o negócio com governo, a FJAP havia adquirido os equipamentos da Sonoar pelo preço inicial. Em quatro dias, uma diferença de R$ 496 mil a mais a saírem dos cofres públicos.

"São perceptíveis as diversas irregularidades e fraudes que aconteceram nesse processo de aquisição", disse o presidente da CPI da Saúde, deputado Delegado Péricles (PSL), durante entrevista à imprensa nesta sexta (12).

Em novembro do ano passado, o deputado chamou a atenção da imprensa nacional ao presentear Jair Bolsonaro com um painel feito com cartuchos de balas em que aparece o nome do partido que o presidente tenta criar, Aliança pelo Brasil.

A compra dos 24 respiradores de uma empresa de vinhos, revelada pelo site O Amazonês, já é alvo de outras duas investigações. Ainda em abril, a Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu a abertura de um inquérito.

Na quarta-feira (10), o Ministério Público do Estado do Amazonas iniciou a Operação Apneia, com 14 mandados de busca e apreensão, incluindo na Susam. Os promotores afirmam que o governo estadual não tem respondido aos expedientes enviados pela investigação.
Os hospitais estaduais do Amazonas foram os primeiros do país a colapsar por causa da Covid-19. Sem respiradores, diversos pacientes infectados morreram em salas de emergência. Até esta sexta-feira, o estado acumula 55.111 casos confirmados, com um total de 2.429 mortes.

Outro lado
Procurada pela reportagem, a Susam não respondeu sobre por que não comprou os respiradores da Sonoar em 2 de abril, mas diz que está colaborando com as investigações.

"A Susam tem todo o interesse em esclarecer os fatos investigados e vem prestando todas as informações e esclarecimentos requeridos não apenas pela CPI como também aos órgãos de controle externo", afirmou via email, por meio da assessoria de imprensa.

"A Susam determinou ainda abertura de sindicância interna. Além disso, uma auditoria nos contratos relacionados à pandemia do novo coronavírus está sendo feita pela Controladoria Geral do Estado (CGE)", diz a nota.

Por: Fabiano Maisonnave
Por: FolhaPress

Impeachment de Bolsonaro é potencializar uma crise, diz Bruno Araújo, presidente nacional do PSDB

Foto/arquivo: Blog de Assis Ramalho

Descolado da esquerda e do centrão, o PSDB parte para a oposição ao governo Jair Bolsonaro (sem partido), mas não defende seu impeachment, num momento em que esse processo é cada vez mais abraçado por outros partidos, por manifetos e protestos de rua.

“O impeachment é potencializar uma crise dentro da mais grave crise sanitária e econômica talvez da nossa história”, afirma à Folha o presidente do PSDB, Bruno Araújo, 48. Incentivador do impeachment de Dilma Rousseff (PT), ele agora diz que as circunstâncias são diferentes.

Há um ano, após Geraldo Alckmin ter o pior resultado do partido em uma eleição presidencial, Araújo assumiu um PSDB dividido entre a velha guarda que pregava um resgate à social-democracia e a ala de João Doria, ainda ligado à onda Bolsonaro que o elegeu governador de São Paulo.

Desde então, o partido consultou a base para se posicionar e “sair de cima do muro”, fechou questão pela reforma da Previdência, rejeitou a expulsão de Aécio Neves e viu o próprio Doria se tornar um ferrenho opositor do presidente.

O governador paulista é a principal aposta do PSDB para a eleição presidencial de 2022, mas Araújo afirma que não quer entregar “candidato pronto”, mas construir uma aliança alternativa de centro.

O sr. assumiu o PSDB há um ano com a promessa de que o partido não seria mais em cima do muro. O PSDB hoje é oposição a Bolsonaro?

O caminho do PSDB é a oposição. O PSDB teve a paciência democrática de esperar o tempo e dar as oportunidades a um governo democraticamente eleito se instalar e trabalhar. O PSDB foi colaborativo. A principal reforma desse governo, da Previdência, foi relatada na Câmara e no Senado pelo PSDB. Que foi aprovada obstante pouca ajuda do próprio presidente. Mas o governo não conseguiu nem fazer as entregas de ordem econômica muito menos de ordem social.

Num capítulo à parte, há todos os destemperos em relação a posicionamentos autoritários e passar a quebrar linhas institucionais. A manutenção do ministro da Educação e do presidente da Fundação Palmares é um atestado do perigoso desapreço de Bolsonaro pelas instituições democráticas.

Ser oposição não significa não ter relação institucional, respeitosa e colaborativa com o Brasil. O PSDB não trata adversário político como inimigo.

O melhor para o país é que Bolsonaro termine seu mandato ou que seja interrompido, via impeachment ou cassação via TSE? O impeachment é potencializar uma crise dentro da mais grave crise sanitária e econômica talvez da nossa história. O instituto do impeachment não é para ser banalizado. Preferimos, respeitando a grave crise que o país vive, permitir que o diálogo, a serenidade, a maturidade das instituições possam nos levar a superar primeiro esse grave momento.

O preferível é que possamos chegar com um grau de naturalidade ao processo das eleições de 2022. O momento é de pregar um ambiente de unidade em relação a vencer um inimigo muito maior que está matando dezenas de milhares de brasileiros.

Há o entendimento em alguns partidos de que a luta contra o vírus e contra Bolsonaro é a mesma, que o presidente não é passível de ser tutelado. Vale a pena insistir nesse caminho? 

A história vai comprovar que os erros, a dubiedade e atitude muitas vezes terraplanista do governo ou do presidente agravou e aprofundou parte das vítimas do Covid-19.

Um presidente que tem a necessidade de se digladiar com algo ou com alguém, instituições ou pessoas, para se manter ativo no seu segmento eleitoral, não vai mudar nossa compreensão de serenidade, de que precisamos ser o mais responsável possível para passar por esse gravíssimo momento. E se manter vigilante, não para que o presidente se sinta tutelado, mas limitado pela lei, pela ordem constitucional, pela delimitação dos Poderes.

Vamos nos preparando para um programa em que o PSDB vai oferecer ao país a nossa visão de crescimento econômico, com olho muito especial para o problema mais grave que se descortina com o coronavírus, que é a desigualdade social.

Seria um programa de distribuição de renda? 

O PSDB é responsável pelo maior programa de distribuição de renda do país, que não foi nenhum cartãozinho nem distribuição de dinheiro do tesouro. Foi o Plano Real e o fim da inflação. Temos os extremos, o governo Dilma [PT], que aumentou a paquidermice do estado brasileiro, o déficit das contas públicas, o nível de corrupção, e o estilo Paulo Guedes, alguém que viveu numa ponte aérea entre Rio e Chicago e não tem a compreensão social dos graves problemas que o país vive.

Guedes é um ponto de sustentação do governo, atraiu empresários e partidos como o PSDB, que apostou nele. O sr. se decepcionou? 

Os resultados da economia do primeiro trimestre comprovam esse desânimo. Isso não quer dizer que não vamos continuar de forma responsável ajudando toda e qualquer agenda econômica que tenha afinidade com o PSDB.

Cabe ao governo agora saber, quando o mundo voltar a rodar sua economia, o que fez para reposicionar o Brasil. E fez muito pouco. Mais choramingou e contestou os dados que estavam acontecendo no mundo até aqui do que preparou o Brasil para o momento da retomada dessa corrida mundial.

O sr. diz que impeachment de Bolsonaro seria agravar a crise, mas foi um dos incentivadores do impeachment de Dilma. Qual a diferença? 

Durante o impeachment de Dilma, a economia do mundo era líquida, o mundo crescia mais do que o Brasil, que estava seguindo para a bancarrota. No governo Bolsonaro, o mundo vive uma das mais graves crises econômicas de sua história. Temos a soma de um colapso mundial com hecatombe interna, o que é explosivo.

Cabe uma autocrítica do PSDB por ter iniciado o processo que culminou na eleição de Bolsonaro, no sentido de contestar a eleição de 2014, surfar na Lava Jato, apoiar o impeachment de Dilma e até abraçar Bolsonaro, como Doria fez? 

O mea-culpa do PSDB é sempre de não ter, em momentos específicos, atitudes mais afirmativas. Podemos voltar no tempo e lembrar que foi uma decisão do STF que vedou a nomeação de Lula para o cargo de ministro e aquilo acelerou o processo de impeachment. Bolsonaro pode ser resultado de uma decisão do STF.

Não há como nós brincarmos com a história e estabelecermos quem se aproveitou de que ou de quem. A política não é feita de videntes. Bolsonaro é resultado do impeachment? 

Claro que sim, como é um resultado da própria participação do Supremo num episódio que foi um elemento para isso também. Mas isso tem que ficar para o aprendizado e livro de história.

Uma coisa eu posso afirmar: a decisão do afastamento da presidente Dilma Rousseff foi correta porque o país não iria aguentar o caminho que seguia do abismo econômico, social e de descrença interna e externa.

Mas esse passado não deixa alguma lição? Por exemplo de que abraçar candidaturas aventureiras não é o caminho. Entre Bolsonaro desconhecido e o PT, que nós conhecíamos profundamente, era preferível apostar num fio de esperança, que não funcionou, do que em algo que, na minha concepção e de muitos nossos, também não iria funcionar.

O nosso papel é que, em 2022, possamos chegar com uma frente construída, e o PSDB não quer apresentar prato feito, não quer entregar candidato pronto. O PSDB quer participar de um conjunto de discussões de partidos políticos e da sociedade, que acredite que nós possamos chegar com uma alternativa fora do bolsonarismo e fora do lulopetismo.

Temos o principal protagonista nosso, claro, que é o governador de São Paulo. O PSDB terá alternativas, sim, para oferecer, mas respeitando a discussão coletiva dessas alianças que possam ser formadas no campo dos partidos que querem estar distantes do lulopetismo e do bolsonarismo.


A candidatura de Doria em 2022 então ainda não está colocada? 

É colocada, porque é uma liderança real, posta. Mas ninguém pode construir um papel de liderança dizendo que só serve para mim. Muito menos o governador João Doria tem feito um conjunto de diálogos e de conversas se apresentando como alternativa única.

É possível que um projeto de centro seja vitorioso nas urnas num país que politiza até cloroquina? 

A sociedade, conhecendo os dois extremos tem tudo para voltar a buscar uma solução mais racional, de diálogo mais comum, que consiga ter um grau de consenso maior, para que o governo possa se dedicar mais a governar do que a se digladiar.

O centrão apoiou Alckmin em 2018 e hoje aceita cargos em troca de apoio a Bolsonaro. Como vê esse comportamento? 

É a parte da estratificação política que procura sempre o governo. Vai haver tanto com Bolsonaro, como houve com Dilma, Lula, FHC. Qualquer coisa diferente disso é utopia. O fato é que o presidente Bolsonaro reagiu contra isso e queimou a língua.

Qual expectativa para eleições municipais e a eleição em São Paulo? 

Estamos otimistas, a começar pela principal cidade do Brasil, com a reeleição de Bruno Covas, que terá de nós absoluta prioridade. A população vai entender que Bruno não teve tempo de se dedicar a campanha porque estava fazendo algo muito mais relevante, estava salvando vidas.

Uma de suas promessas ao assumir o PSDB era enfrentar o que estava debaixo do tapete e, realmente, o conselho de ética analisou o caso Aécio, mas o absolveu. O PSDB é conivente com a própria corrupção? 

O PSDB não absolveu Aécio. Deu o direito de aguardar uma decisão judicial para a partir daí [ter] uma decisão definitiva.

Estamos falando de alguém que tinha sido candidato a presidente da República, governador de Minas Gerais, senador, presidente da Câmara, fundador do partido, com um grau de relações. O partido não é feito de cal e cimento. É feito de pessoas que se relacionam, e ele tinha relação de convivência de décadas com essas pessoas.

Estamos falando de uma sentença ou de um trânsito em julgado? 

Não ficou claro, mas em política o que vale é o tamanho da percepção. Havendo qualquer decisão, essa reflexão pode ser feita.

RAIO-X

Bruno Araújo, 48 anos
Formado em direito pela Universidade Federal de Pernambuco, foi deputado estadual (1999-2007) e deputado federal (2007-2019). Entre maio de 2016 e novembro de 2017, licenciou-se para exercer o cargo de ministro das Cidades do governo Michel Temer (MDB). Hoje sem cargo eletivo, assumiu a presidência do PSDB em maio de 2019.

Folha de S. Paulo

Auxílio emergencial: beneficiários que estavam na fila para receber 1ª parcela poderão sacar a partir de 6 de julho




A Caixa Econômica Federal informou neste sábado que os 4,9 milhões de beneficiários que estavam na fila para receber a primeira parcela de R$ 600 do auxílio emergencial poderão sacar os recursos em espécie a partir de 6 de julho. O calendário leva em conta o mês de aniversário, começando por aqueles que nasceram em janeiro.

Auxílio emergencial:saiba como fazer o cadastro nas agência dos Correios para receber o benefício

Nos dias seguintes, até 18 de julho (com exceção do dia 12, um domingo), será a vez dos beneficiários que fazem aniversário nos meses seguintes.

Na sexta-feira, o Ministério da Cidadania havia informado que a Caixa fará o crédito nas poupanças digitais abertas em nomes dos trabalhadores a partir da próxima terça-feira, para os nascidos entre janeiro e junho. No dia seguinte, os recursos serão depositados para os beneficiários nascidos entre julho e dezembro.

Caso os recursos das poupanças digitais não sejam usados para pagamentos por meios eletrônicos, eles serão transferidos automaticamente para as contas indicadas pelos beneficiários, que poderão fazer o saque a partir de 6 de julho.

Segundo a Caixa, esta nova leva de pagamentos totalizará R$ 3,2 bilhões. Ao todo, foram analisados 8,9 milhões de pedidos de inclusão na lista de beneficiários do auxílio emergencial.

Além disso, cerca de 8,3 milhões trabalhadores que já receberam a primeira parcela do auxílio, em maio, ainda aguardam a liberação da segunda. Eles também esperam que a Caixa libere, em breve, as datas de seus pagamentos.

Seja como for, o governo já esclareceu que todos os que se inscreverem para receber o auxílio emergencial até o início de julho terão direito a três parcelas de pagamento, caso sejam considerados elegíveis aos benefício (se os dados forem aceitos pela Dataprev, a quem cabe processar os requerimentos).

Segunda parcela

A Caixa também liberou neste sábado o saque em dinheiro da segunda parcela do auxílio para trabalhadores nascidos em dezembro. Serão contemplados 2,5 milhões de trabalhadores informais, autônomos, microempreendedores individuais (MEIs) e desempregados sem seguro-desemprego, todos sem Bolsa Família, que se cadastraram pelo site do banco (caixa.gov.br) ou pelo aplicativo Caixa / Auxílio Emergencial.

Com isso, o banco encerrará o calendário de liberação do saque em dinheiro da segunda parcela para este grupo, que teve contas poupanças digitais abertas pela instituição financeira.

O Globo

Lula impede integração do PT em frentes contra Bolsonaro e cogita candidatura

Em coletiva na última semana, Lula afirmou ser "impossível" a criação de uma frente partidária no Brasil - FOTO: Foto: RICARDO STUCKERT/ Divulgação

Desde que eleições diretas voltaram a ser realizadas no Brasil, em 1989, ou o PT venceu os pleitos (4) ou ficou em segundo lugar (4). De lá pra cá, a legenda assumiu o posto de maior partido de esquerda do País, mas as estratégias políticas pensadas nos mais variados períodos pelo seu maior líder, o ex-presidente Lula (PT), sempre causaram controvérsia. A sigla chegou a votar contra a aprovação da Constituição Federal de 1988 (depois votou a favor do texto final), foi contra o Plano Real e agora diz ser impossível integrar uma frente com partidos que, diante das atitudes do presidente Jair Bolsonaro e integrantes do governo, se juntam a movimentos autoproclamados “a favor da democracia”.

Nas últimas semanas, diversas iniciativas como atos e manifestos propuseram a união de legendas dos mais diversos espectros políticos em prol do afastamento de Bolsonaro do poder. Lideranças do PDT, PSB e Cidadania, por exemplo, discutem até a criação de uma ampla frente de agremiações que se coloque contra ações consideradas antidemocráticas.

Na última quinta-feira (11), em entrevista coletiva transmitida pelo seu canal no Youtube, Lula afirmou que a “cultura política do brasileiro” não permitiria a união de partidos sem pretensões eleitorais e que, por isso, o PT não participaria desses movimentos.

“Sobre essa frente ampla contra o Bolsonaro, eu creio que só é possível fazer isso agora em cima de um programa de governo, porque muita gente que faz parte dessa frente é contra o impeachment. Se a pessoa não quer o impeachment nem mudança na política econômica, vai fazer uma frente em torno do que? Vai tirar Bolsonaro e colocar o (vice-presidente Hamilton) Mourão? Vai tirar o Mourão e colocar o (ministro da Economia Paulo) Guedes? O ideal era que você tivesse uma frente que conseguisse fazer o impeachment do Bolsonaro e depois houvesse uma eleição direta para presidente da República, concorrendo quem quisesse concorrer”, declarou o petista, na ocasião.

Esse posicionamento, porém, não é unanimidade na agremiação. Nomes como o do ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad – último candidato petista à Presidência –, e do governador do Ceará, Camilo Santana, creem que o partido não pode deixar de marcar posição nesse cenário. “O PT tem um papel fundamental nesse processo de defesa da democracia brasileira. (Em 2018) O povo brasileiro levou o candidato do PT à Presidência ao segundo turno, o PT elegeu o maior número de governadores e o PT elegeu a segunda maior bancada de deputados federais. (...) O que ajuda o Brasil é a construção de um projeto nacional, onde o PT tem muito a colaborar. Por isso eu defendo a união de todas as forças democráticas para resistirem para que o Brasil possa ter um caminho melhor para o futuro”, pontuou Santana durante entrevista ao programa Roda Viva, na última segunda.
Eleições 2022

Outra decisão do núcleo petista que tem causado divergências internas diz respeito ao posicionamento da sigla com relação às eleições presidenciais de 2022. Para Gleisi Hoffmann, presidente da sigla, o candidato da agremiação no pleito deve ser Lula, por isso, para ela, o PT deve se empenhar em garantir que os direitos políticos do ex-presidente sejam resgatados. Hoje, Lula não pode concorrer a cargos públicos porque está enquadrado na Lei da Ficha Limpa, por condenações na Operação Lava Jato. Mas Gleisi acredita ser possível anular os processos que o condenaram em segunda instância.

Nos bastidores, porém, comenta-se que o governador da Bahia, Rui Costa, teria a pretensão de concorrer ao Palácio do Planalto e contaria com o apoio de outro petista de peso, José Dirceu, que foi presidente do PT e ministro-chefe da Casa Civil no primeiro governo Lula. Dirceu foi condenado no Mensalão e Petrolão. Fernando Haddad também seria um nome com grande aceitação interna para o pleito. Sobre o tema, Lula chegou a dizer que não teria mais o desejo de ser presidente. Mas, na entrevista da última semana, deixou a questão em aberto. “Eu não posso dizer que não serei candidato porque na política às vezes não é você que decide os seus passos. Vai depender das circunstâncias do que vai acontecer em 2022”, cravou.

Na visão do cientista político Rodrigo Prando, professor e pesquisador da Universidade Presbiteriana Mackenzie, o posicionamento do PT neste momento não seria uma surpresa, uma vez que, segundo o docente, o partido teria “vocação para se constituir como hegemônico”. “Obviamente o PT é uma força política considerável, mas a grande questão é que muitos percebem que o momento agora não é, simplesmente, de política eleitoral, o momento agora reclama por uma visão acima dos interesses pessoais e partidários. Segundo esse grupo que se posiciona contra o governo Bolsonaro, eles são contra qualquer ataque à democracia. E o Lula afirmou recentemente que jamais assinaria um manifesto em que tivesse o Fernando Henrique Cardoso ou o Michel Temer (ex-presidentes) porque eles não são democratas. (...) Então o PT se mantém em sua trajetória de pouquíssimo diálogo: ou ele comanda o processo ou não quer se abrir a discussão”, avaliou Prando.

Vanuccio Pimentel, cientista político da Asces/Unita, chama a atenção, ainda, para o fato de que, aparentemente, o Partido dos Trabalhadores não tem se preocupado em renovar seus atos e quadros, fato que pode estar interferindo em seu desempenho público. “O PT vem perdendo espaço no debate político de maneira continuada, e, mesmo assim, a estratégia mantém-se a mesma, centrada em Lula, e não na renovação dos quadros. Se você olhar a bancada do PT no Congresso, a única jovem que tem é Marília (Arraes), que foi eleita em condições bem particulares, e poderia ter chegado à Câmara por qualquer outro partido. Ou seja, os jovens de esquerda não estão se elegendo pelo PT, estão se elegendo pelo Psol, que tem Talíria (Petrone, deputada federal), Sâmia (Bomfim, deputada federal), Marcelo Freixo (deputado federal), tem um monte de gente lá. Me parece que existe um problema geracional no PT. Me parece que o partido ficou velho e não consegue se renovar”, opinou.

Renata Monteiro
Jornal do Commercio

Boletim deste sábado [13/06]: Com mais 799 pacientes e 90 óbitos por Covid-19, Pernambuco passa a ter 3.784 mortes


Mais 799 novos casos da Covid-19 e 90 óbitos foram confirmados em Pernambuco neste sábado (13). Com isso, o estado passou a ter 44.671 confirmações e 3.784 mortes pela doença causada pelo novo coronavírus. Os números começaram a ser registrados em março, com o início da pandemia.

Dos pacientes confirmados pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) neste sábado (13), 588 apresentam quadro leve da doença e 211 se enquadram como Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag). No total até essa data, Pernambuco totalizou 16.919 casos graves e 27.752 leves da Covid-19.

Com relação às 90 novas mortes confirmadas pela SES, 53 ocorreram entre os dias 10 de abril e 9 de junho. Outras 37 foram registradas nos últimos 3 dias.

De acordo como governo, os detalhes epidemiológicos do boletim deste sábado serão repassados até o final do dia.

Por G1-PE
Imagem: JC

Festa junina, passeio de caiaque, viagem com amigas: brasileiras na Nova Zelândia comemoram o fim da quarentena

Brasileiros fazem festa junina na cidade de Hamilton para comemorar o fim da quarentena na Nova Zelândia — Foto: Maya Hasegawa/ Arquivo Pessoal

Os neozelandeses irão aproveitar o primeiro fim de semana depois do fim da rígida quarentena imposta por causa da pandemia de Covid-19. Após 75 dias de restrições, não é mais preciso evitar aglomerações e os eventos sociais estão liberados. Três brasileiras que moram no país do Pacífico Sul contaram que vão fazer festa junina, retomar passeio de caiaque e comemorar aniversário com amigos.

“Eu reuni vários amigos brasileiros para fazer uma festa junina com tudo o que tinha direito: pinhão, arroz doce, bolo de milho, vinho quente. A minha banda também tocou. Fazia uns três meses que a gente não se via”, afirma a farmacêutica Maya Hasegawa, de 41 anos, que está há três anos no país.

A moradora da cidade de Hamilton, na ilha norte, elogiou a condução do combate à pandemia feito pela primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern.

“Temos uma grande líder, uma comunicadora nata, que conseguia unificar as pessoas, até a oposição, independente da origem, para dar um jeito nesse vírus o quanto antes. Com certeza, estou no melhor país que eu poderia estar nesse momento. Nunca me senti tão segura e tão acolhida. Eles cuidaram da gente”, disse.

Enquanto Brasil, Reino Unido e Estados Unidos ainda enfrentam dificuldades com o novo coronavírus, Jacinda Ardern afirmou que o país pode retomar a vida normal.

Por Letícia Macedo, G1

Vereador preso no RJ por fraude na compra de respiradores já era investigado por associação criminosa

Vereador Davi Perini Vermelho ao receber a Medalha Tiradentes, em 4 de dezembro de 2017 — Foto: Divulgação/Câmara Municipal de São João de Meriti
Casa de Didê em Vargem Grande, na Zona Oeste do Rio — Foto: Reprodução

Em maio, as polícias do Rio e de Santa Catarina apreenderam R$ 300 mil na casa de Davi Vernelho, o Didê, em Vargem Grande — Foto: Reprodução

Antes de ser preso acusado de fraudar a compra de respiradores pulmonares para enfrentamento da Covid-19, o político Davi Perini Vermelho, o Didê (DEM), de 40 anos, já enfrentava problemas na Justiça Federal e no Tribunal de Contas do estado (TCE), além de ser citado em uma investigação que apura uma associação criminosa em São João de Meriti, onde ele preside a Câmara dos Vereadores.

A vida pública de Didê começou em 2012, quando, pela primeira vez, o bombeiro reformado foi eleito vereador de São João de Meriti, município da Baixada Fluminense. Quatro anos depois, foi reeleito, demonstrando força ao passar a presidir a Casa dos parlamentares de São João.

De uma eleição para o outra, Didê saiu de "nada declarado", em 2012, para bens que, juntos, somavam R$ 120 mil. Conforme declarado ao Tribunal Superior Eleitoral, o patrimônio de Didê, em 2016, consistia em R$ 40 mil em dinheiro e um caminhão avaliado em R$ 80 mil.

Na primeira fase da Operação Oxigênio, deflagrada em maio, policiais e promotores apreenderam R$ 300 mil em dinheiro na casa de luxo que fica em Vargem Grande, na Zona Oeste do Rio. Embora atue na Baixada, onde tem domicílio eleitoral, o político optou por viver na capital fluminense, dentro de um condomínio de alto padrão.

Na representação que pediu a prisão de Didê, o Ministério Público de Santa Catarina sustentou que "dinheiro para ele [Didê] não é problema". O próprio vereador contou, em depoimento, que reservou lugar em um monomotor por R$ 12 mil para ir depor em Florianópolis.

TV clandestina

Os problemas de Didê com a Justiça Federal começaram em 2010, quando policiais federais "estouraram" uma central clandestina de distribuição de sinal de televisão ligada ao então militar do Corpo de Bombeiros.

Em Engenheiro Pedreira, Japeri, também na Baixada Fluminense, os agentes apreenderam folhetos com números de telefone no nome do bombeiro e smartcards – cartões com chip inteligente de uma operadora de TV por assinatura – cuja titularidade era de Didê.

Convocado para prestar esclarecimentos, Didê atribuiu as linhas telefônicas a outra pessoa, mas depois voltou atrás na versão. A Justiça desconsiderou as alegações e acabou condenando o homem a dois anos de detenção e pagamento de multa.

Com base no flagrante da Polícia Federal, o Ministério Público Federal (MPF), em 2015, denunciou Didê, que virou réu no ano seguinte. Mais um ano se passou, e o vereador foi condenado pela 3ª Vara Federal de São João de Meriti por manter, de forma clandestina, a central ilegal de televisão à cabo.

Homenagem

Mesmo depois de ter sido denunciado pelo MPF, Didê foi homenageado, em abril de 2016, com uma "moção de congratulações e aplausos" na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) pelo trabalho que, até então, vinha desenvolvendo em São João de Meriti.

O autor do tributo foi o deputado Marcos Muller (PHS). A justificativa para que o vereador recebesse a maior honraria no estado registrou: "pelos relevantes serviços prestados ao município de São João de Meriti e consequentemente ao Estado do Rio de Janeiro, pela valorização do Poder Legislativo local, por sua atuação ética e transparente na gestão da Câmara Municipal".

Atualmente, Marcos Muller e Didê teriam rompido relações políticas por divergências em indicações para a prefeitura de São João de Meriti.

Associação criminosa

Do âmbito federal para o estadual, o G1 apurou que Didê é investigado em inquérito no Rio de Janeiro por suposta associação criminosa numa quadrilha que disputa o domínio de comércios em São João de Meriti.

A investigação foi aberta depois que policiais flagraram o funcionamento de um depósito de gás clandestino no bairro Vila Tiradentes, em agosto de 2018. O local pertencia a Luiz Fernando Bastos de Souza, o Lorde, traficante do Comando Vermelho, que na época estava preso.

O depósito era vigiado com câmeras de segurança e, assim, mesmo preso, Lorde soube do flagrante e ligou para "funcionários" que estavam no local pedindo para falar com os policiais que participaram da ação.

O traficante disse aos agentes que queria fazer uma "denúncia". Contou a eles que vereadores de São João de Meriti estavam tentando controlar o comércio de gás da cidade e o serviço de mototáxi. Um dos parlamentares, segundo apurado pela equipe de reportagem, seria Didê.

Omissão de relatório fiscal

Em fevereiro deste ano, Didê foi multado, pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ) em R$ 51.993,51 por não apresentar à Corte o relatório de gestão fiscal da Câmara de São João referente ao 3º quadrimestre de 2018.

Ao não entregar o documento, os conselheiros do TCE entenderam que Didê violou as leis de finanças públicas e determinaram que o parlamentar deveria ser punido.

No artigo em que foi enquadrado, é especificado que o valor da multa aplicada a Didê deveria equivaler a 30% dos vencimentos do vereador no ano anterior. Em 2017, o parlamentar recebeu R$ 156 mil como vereador de São João de Meriti – R$ 12 mil por mês, mais o 13º salário.

Fraude na venda de respiradores


Didê foi preso no dia 6 deste mês durante uma operação contra fraudes na compra de respiradores pulmonares pelo Governo de Santa Catarina. Ele é apontado na investigação como dono da empresa responsável pela venda dos equipamentos.

A Operação Oxigênio descobriu que houve superfaturamento de R$ 33 milhões, pagos de forma antecipada pelo governo daquele estado. Dos 200 respiradores previstos, 100 foram entregues. De acordo com o Ministério Público do estado, 50 aparelhos são considerados "imprestáveis".

O vereador passou, então, a responder pelos crimes de peculato, organização criminosa, lavagem de dinheiro e ocultação de provas. Em troca de mensagens com a namorada, Luana, o vereador contou a ela que apagou conversas que tinha em seu aparelho.

Para os investigadores, nas conversas acabam as dúvidas de que Didê é representante da empresa Veigamed, responsável pelo contrato com o governo catarinense.

Ele não aparece como sócio nos documentos formais, mas os investigadores afirmam que, na prática, ele era o responsável pelos negócios do grupo, que atua em contratos públicos pelo Brasil.

Na decisão que determinou a prisão do vereador, o juiz Elleston Caneli afirmou que "nem as restrições de voo foram empecilho para a prática criminosa, já que [Didê] negociou tudo por telefone e causou um prejuízo de R$ 33 milhões".

Vereador está infectado, diz advogado

Atualmente, Didê está preso no Quartel Central do Corpo de Bombeiros, no Centro do Rio. O advogado Luiz Carlos da Silva Neto, que defende o vereador, entrou com um pedido de soltura do cliente no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O advogado também solicitou à Justiça de Santa Catarina que Didê cumpra prisão domiciliar. Em entrevista ao G1 na noite de sexta-feira (12), Neto afirmou que um exame médico comprovou que o vereador está com Covid-19.

"Primeiro, não há nenhuma acusação formal do Ministério Público contra o vereador. O que há é uma investigação e, com base nesta investigação, houve um requerimento de decreto de prisão, onde o MP assevera que, até aquele momento da prisão, não havia absolutamente nada contra o vereador", sustentou o advogado.

Neto complementou afirmando que a Justiça de SC entendeu que Didê teria participação no esquema por ele ter apagado mensagens trocadas por um aplicativo de conversas.

"A meu ver, não há absolutamente crime algum porque eles estão numa luta atroz para trazer os respiradores pra cá. Já trouxemos duas remessas. Estamos lutando para trazer o restante. Então, onde está o crime?", questionou.

Por Marco Antônio Martins e Nicolás Satriano, G1 Rio

Saque do FGTS: Caixa promete divulgar regras neste sábado


Prometido pelo governo desde o início da pandemia do novo coronavírus, começa na próxima segunda-feira (15/6). O saque de até R$ 1.045 para 60,8 milhões de trabalhadores, previsto na Medida Provisória (MP) nº 946, contudo, ainda não tem todas as regras conhecidas em detalhe. A Caixa Econômica Federal, que administra as contas do FGTS, prometeu divulgar neste sábado (13/6) as informações.

De acordo com a MP, todos os trabalhadores que têm contas no FGTS, sejam elas ativas ou inativas, poderão ter acesso aso recursos. Caso tenha mais de uma conta, o trabalhador vai começar sacando das contas mais antigas, inativas. Mas vai poder acessar mais de uma conta para poder chegar até os R$ 1.045. Ele só não vai poder, no final, tirar mais do que isso, porque, segundo o governo, este é o valor de retirada que garante a sustentabilidade do Fundo.

O problema é que, até agora, os trabalhadores não sabem exatamente o que devem fazer para ter acesso ao dinheiro. A MP diz que os saques do FGTS serão realizados conforme os critérios e o calendário que for definido pela Caixa. Mas o banco ainda não explicou como vai permitir essas retiradas, ao mesmo tempo em que faz o pagamento do Bolsa Família e do auxílio emergencial.
"Todos os detalhes operacionais estão a cargo da Caixa, que está trabalhando em medidas que permitam o máximo de atendimento por meio de canais digitais para evitar aglomerações em agências, dado que há outros benefícios sendo pagos a diversos públicos no momento”, reforçou o Ministério da Economia. Procurada, a Caixa chegou até a prometer a apresentação do calendário de saques ontem. Porém, à noite voltou atrás. Segundo o banco, é possível que esses detalhes sejam apresentados hoje.

O que se sabe é que os saques serão liberados nos mesmos moldes em que vem sendo pago o auxílio emergencial de R$ 600. Segundo o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, a instituição vai depositar os R$ 1.045 em uma conta digital e só depois de alguns dias vai permitir o saque em espécie, para evitar aglomerações nas agências. O banco, porém, ainda não esclareceu se todos os trabalhadores já poderão movimentar os recursos pela conta digital na segunda-feira, ou se esse recurso será liberado de maneira escalonada.

Além disso, a MP 946 permite que os depósitos sejam realizados nas poupanças de quem já é cliente da Caixa ou na conta de outro banco que for indicado pelo trabalhador. Porém, no auxílio emergencial, essa possibilidade só é liberada no dia do saque em espécie do benefício, que costuma ocorrer depois de 15 dias do depósito virtual. Nesse caso, o saque em espécie do FGTS só ocorreria, de fato em julho.

Por Correio Braziliense
 

Única cidade sem casos de Covid-19 no Ceará, Granjeiro aposta em barreira sanitária e monitoramento

Hospital do Município tem ala específica e isolada para atender pacientes com sintomas suspeitos

Até esta sexta-feira (12), o município de Granjeiro, a 484 KM de Fortaleza, é a única cidade do Ceará sem casos de Covid-19 confirmados. Os dados são da atualização de 17h48 da plataforma IntegraSUS, portal da Secretaria de Saúde estadual (Sesa), que monitora as ocorrências da doença no Estado. O portal indica que o município tem apenas dois casos de infecção pelo novo coronavírus em investigação.

A adesão às medidas de prevenção por parte da população e o monitoramento realizado pelo poder público são apontados pelo secretário de Saúde do Município, Fábio Primo, como responsáveis pela taxa zerada. “O pessoal tem se mostrado bastante colaborativo e tem usado máscara. A Polícia Militar tem dado apoio na fiscalização. Eram dois, agora são quatro agentes. As pessoas também estão sendo monitoradas pela atenção básica”, relata.

As três entradas da cidade permanecem com barreiras sanitárias, acompanhadas pela Prefeitura, já que muitas pessoas circulam, principalmente, entre as cidades de Aurora, Várzea Alegre. Além disso, o Hospital Municipal de Granjeiro recebeu uma ‘ala Covid’ mesmo antes de registrar casos. O espaço foi foi pensada para isolar os possíveis pacientes e dipõe de uma entrada lateral para evitar que os casos suspeitos tenham contato com outras patologias. São três leitos de enfermaria. "Se agravar, já tem que ir para um local com média complexidade”, adverte Fábio Primo.

Granjeiro é a menor cidade do Estado em população, com 4.844 habitantes, segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O número populacional, entretanto, não dá garantias de baixa infecção. O município de Guaramiranga, segundo menor do Ceará em número de moradores (5.194 habitantes, de acordo com o IBGE), por exemplo, registra 21 casos confirmados e outros 19 em investigação, de acordo com a última atualização da Secretaria de Saúde.

Por Diário do Nordeste

Emoção e fé. Hospital Oswaldo Cruz, no Recife, celebra mil altas de pacientes com coronavírus

Mais dez pacientes tiveram alta nesta sexta-feira (12) - FOTO: YACY RIBEIRO/JC IMAGEM

Um dia carregado de significado. Exatamente três meses depois de Pernambuco registrar o primeiro caso da covid-19, o Hospital Universitário Oswaldo Cruz (Huoc) celebrou, na manhã desta sexta-feira (12), mais de mil altas de pacientes diagnosticados com a doença.

A data, que coincide com o aniversário de 29 anos da Universidade de Pernambuco (UPE), marca ainda o fim de um capítulo forte da história dos dez curados do novo coronavírus que deixaram a unidade de saúde nesta manhã. Os vitoriosos atravessaram a alameda do pátio do hospital, sob palmas dos profissionais de saúde que encaminharam o tratamento. Em todo Estado, são 25,7 mil curados, 42,9 mil recuperados e 3,6 mil mortos.

“Grande foi a luta”, resumiu Marlene Maria da Silva, de 65 anos, a primeira a ir para casa. Por 15 dias, ela lutou pela vida. “Não passou pela minha cabeça que eu ia morrer. Eu só pensei na vitória, só pensei que ia conseguir. Mesmo chorando. Cheguei aqui sem poder andar, mas, em nome de Jesus, estou hoje aqui”, relembrou.

Minutos depois, foi a vez de Maria do Rosário de Fátima. Ela voltou para o lar a apenas um dia de completar 59 anos. “É a felicidade de nascer de novo”, descreveu. “Passei 14 dias na UTI e mais uma semana na enfermaria. Você quando entra ali não tem esperança de sair. Só a esperança de Deus”, contou.

Maria do Rosário saiu de pé da enfermaria, ao lado da filha e da cunhada. “Ela entrou lá como uma pessoa hipertensa, diabética, tem enfisema pulmonar, acima do peso, com o pulmão completamente comprometido, saturando lá embaixo. Mas Deus é maravilhoso e conseguiu tirar ela, e ela tá aqui”, comemorou a filha Lílian Cristina dos Santos.
“A gente adaptou a vida toda para conseguir enfrentar”

O enfrentamento do novo coronavírus é uma batalha para os pacientes, mas também desafiou a equipe do Huoc. A instituição foi uma das primeiras a ser capacitada como hospital de referência no tratamento da doença. Ao chegar no Estado, a pandemia mobilizou não apenas o setor de Infectologia, que tem apenas 36 leitos. Os trabalhadores de outras especialidades foram chamados para compor a linha de frente, e as enfermarias foram dedicadas inteiramente à covid-19, ampliando a capacidade para 400 leitos.

Notícia relacionada, veja abaixo

Por Jornal do Commercio

Prefeitura de Petrolândia divulga novo boletim Epidemiológico que registra 1 dos casos suspeitos descartado; veja os números atualizados


A prefeitura de Petrolândia, por meio da Secretaria de Saúde, divulgou o Boletim Epidemiológico da sexta-feira, 12 de junho de 2020.

Dos 11 casos suspeitos no último boletim, 01 foi descartado, restando agora 10 casos suspeitos

Veja os números atualizados abaixo


Por Assessoria de Comunicação
Prefeitura de Petrolândia

“Forças Armadas não aceitam julgamentos políticos”, diz Bolsonaro em nota

Presidente, vice e ministro da Defesa soltam nota após ministro do STF dizer que militares não podem agir contra poderes da República

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), afirmou, em nota, nesta sexta-feira (12/6), que as Forças Armadas estão “ao lado” da democracia e negou que cumpram “ordens absurdas” como a “tomada de Poder” – mas fez questão de abrir o texto “lembrando a nação brasileira” que os militares estão “sob autoridade suprema do presidente da República”. A declaração também é assinada pelo vice-presidente, Hamilton Mourão, e pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo.

“As Forças Armadas do Brasil não cumprem ordens absurdas, como por exemplo a tomada de Poder. Também não aceitam tentativas de tomada de Poder por outro Poder da República, ao arrepio das Leis, ou por conta de julgamentos políticos”, escreveram o ex-capitão e os dois generais.

Leia a íntegra da nota:

Prefeitura de Petrolândia define neste sábado (13) reabertura do comércio, em reunião com Paulo Câmara

Centro da cidade de Petrolândia - Foto: Assis Ramalho/BlogAR

A Prefeitura de Petrolândia, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo, está construindo o plano municipal para reabertura do setor comercial, de acordo com as determinações do Governo de Pernambuco.

No entanto, acontecerá neste sábado (13), uma reunião do Governador Paulo Câmara com todos os prefeitos do sertão, para avaliar a situação em cada região. A partir da reunião, a Prefeitura irá apresentar à população aquilo que for encaminhado, inclusive possíveis ajustes.

Na segunda-feira (15), a prefeitura irá realizar uma live para atualizar as informações do combate ao coronavírus e falar sobre o plano municipal de reabertura do setor comercial.

Para maiores esclarecimentos e informações, entre em contato com os nossos Agentes de Desenvolvimento da Sala do Empreendedor.

Prefeitura de Petrolândia