sábado, 23 de janeiro de 2021

Fiocruz libera 2 milhões de doses - Pernambuco recebe 84 mil - veja quantas os demais estado vão receber

Avião com 2 milhões de doses da vacina de Oxford chega a São Paulo nesta sexta-feira (22). — Foto: Reprodução/TV Globo

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) liberou na tarde deste sábado (23), às 14h18, as doses da vacina Oxford/AstraZeneca para serem entregues ao Ministério da Saúde e, em seguida, distribuídas no Brasil. A carga vinda da Índia passou por um processo de análise de segurança desde a madrugada.

O procedimento é uma exigência da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O carregamento com dois milhões de doses da vacina, produzidas no Instituto Serum, na Índia, chegou ao Rio por volta das 22h ao Rio de Janeiro, depois que o governo indiano autorizou as exportações comerciais do imunizantes.

Doses por estado

O Ministério da Saúde prevê entregar todas as doses no domingo (24). Veja quantas cada estado vai receber.

Doses da vacina Oxford/AstraZeneca

Estado Doses
Rio de Janeiro 185.000
Ceará 72.500
Amazonas 132.500
Roraima 4.000
Alagoas 27.500
Pernambuco 84.000
Paraná 86.500
Sergipe 19.000
Distrito Federal 41.500
Goiás 65.500
Santa Catarina 47.500
Rio Grande do Sul 116.000
Paraíba 36.000
Espírito Santo 35.500
Bahia 119.500
Mato Grosso 24.000
Rondônia 13.000
Acre 5.500
Mato Grosso do Sul 22.000
Tocantins 11.500
Maranhão 48.500
Piauí 24.000
Pará 49.000
Amapá 6.000
Minas Gerais 190.500
Rio Grande do Norte 31.500
São Paulo 501.960

Vacina de Oxford chega ao Rio de Janeiro — Foto: Maiane Brito/GloboNews

Liberação das vacinas na Fiocruz

À noite e pela madrugada, após a longa viagem da Índia para o Brasil, as vacinas passaram por uma avaliação de temperatura para verificar se estavam nas condições perfeitas.

De manhã, as caixas foram etiquetadas. Cada uma delas tem 50 frascos e 500 doses de vacina.

Também nas primeiras horas deste sábado (23), o Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS/Fiocruz) coletou amostras para análise de protocolo e liberação do produto para o Programa Nacional de Imunizações (PNI) distribuí-la pelo país.

As vacinas de Oxford farão parte do PNI, que é coordenado pelo Ministério da Saúde e começou no dia 17 de janeiro com 6 milhões de doses da CoronaVac. Nesta sexta (22), outras 4,8 milhões de doses da CoronaVac foram aprovadas para uso emergencial no Brasil.

No desembarque da Índia, ainda na pista, a aeronave foi recebida numa cerimônia de "batismo" por dois caminhões do Corpo de Bombeiros, que esguicharam água no avião.

Primeiros vacinados

O primeiro caminhão com as doses saiu às 14h18 e o último está previsto para sair às 16h.

Neste horário o infectologista do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz), Estevão Portela, será o primeiro a receber a vacina.

A médica pneumologista do Centro de Referência Professor Helio Fraga, da Fiocruz, Margareth Dalcolmo também será vacinada.

Atraso na entrega

Mais cedo na sexta-feira, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, acompanhou a chegada da carga no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, na Grande São Paulo.

A carga era para ter chegado cinco dias atrás, no dia 17, mas na época a Índia não liberou o envio para o Brasil.

A Índia havia apenas enviado remessas de vacinas gratuitas a países vizinhos. Agora, liberou as comerciais, e Brasil e Marrocos são os primeiros beneficiados.

Dificuldades na importação

O governo indiano havia suspendido a exportação de doses até iniciar seu próprio programa doméstico de imunização, no fim de semana passado.

No início desta semana, enviou carregamentos gratuitos para países vizinhos, incluindo Butão, Maldivas, Bangladesh e Nepal.

O Brasil vinha enfrentando dificuldades para liberar a carga de 2 milhões de doses que comprou do Instituto Serum. Na quarta (20), o ministro das Relações Exteriores brasileiro, Ernesto Araújo, disse que não havia prazo para receber o carregamento, mas negou que problemas políticos e diplomáticos com a Índia tenham atrasado a entrega.

"Em relação ao prazo para entrega das vacinas que estamos importando da Índia, eu não posso mencionar agora um prazo, mas queria reiterar que está bem encaminhado e que estou conduzindo pessoalmente as conversações com as autoridades da Índia", afirmou o chanceler brasileiro.

Na semana passada, após expectativa de que as vacinas fossem enviadas para o Brasil, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Índia, Anurag Srivastava, afirmou que era muito cedo para dar respostas sobre exportações das vacinas produzidas no país, já que a campanha nacional de imunização ainda estava só começando.

Pouco depois, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, sem detalhar, que a viagem poderia ocorrer "daqui a dois, três dias".

Nesta segunda (18), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que a diferença de fuso horário complicava as negociações.

Por G1 Rio e GloboNews

Corpo de empresária morta na Bahia será enterrado neste sábado em Itaíba, no Agreste de de Pernamabuco

 

O corpo da empresária Gilvanete Souza Nogueira, de 52 anos, que estava desaparecida há três dias e foi localizada na zona rural de Barra do Choça, no sudoeste baiano, será enterrado, neste sábado, 23, em Itaíba, no Agreste de Pernambuco.

A empresária, mais conhecida como Nete, era proprietária da loja Galeria Joaquim Correia, no Centro de Vitória da Conquista, distante 30 km de Barra do Choça. De acordo com a Polícia Civil, o suspeito do crime está preso.

A polícia acredita que o homicídio tenha sido motivado por uma dívida de R$ 15 mil que o suspeito tinha com a vítima e se recusava a pagar.O suspeito deve responder pelos crimes de homicídio qualificado e ocultação de cadáver.

Por Jornal A Tarde Salvador

Tacaratu: Confira escala e nomes de médicos que atenderão na próxima semana [de 25 a 29] na Clínica Mais Saúde; ligue e marque sua consulta

 


A Clínica Mais Saúde, localizada na Avenida Cônego Frederico, em Tacaratu, informa atendimento para a esta próxima semana, de 25 a 29 de janeiro de/2021; confira!

Confira acima profissionais médicos que atenderão na Mais Saúde de Tacaratu nesta próxima semana de segunda a sexta;

A Clínica Mais Saúde realiza Exames Laboratoriais de segunda a sexta-feira (veja abaixo).

SAIBA SOBRE A MAIS SAÚDE




A Clínica Mais Saúde realiza Exames Laboratoriais de segunda a sexta-feira (veja abaixo).












Adquira já o seu cartão de desconto SYSTEM SAÚDE e ganhe excelentes descontos!SAIBA SOBRE O SYSTEM SAÚDE

Adquira já o seu!






Redação do Blog de Assis Ramalho
Informação: Clinica Mais Saúde

Uma pessoa morre e duas ficam feridas em acidente com caminhões na AL-105

Acidente com caminhões deixa uma pessoa morta em Passo de Camaragibe, Alagoas — Foto: BPRv
Acidente com caminhões deixa uma pessoa morta em Passo de Camaragibe, Alagoas — Foto: BPRv

Uma pessoa morreu e outras duas ficaram feridas em um acidente entre um caminhão que transportava botijões de gás de cozinha e um reboque com de cana-de-açúcar na AL-105, em Passo de Camaragibe. O acidente ocorreu na noite de sexta-feira (22).

Segundo informações do Batalhão de Polícia Rodoviário (BPRv), o caminhão carregado com botijões de gás seguia no sentido Maceió, quando em uma curva, um reboque de cana-de-açúcar estava parado no acostamento com parte do veículo ainda na pista.

O caminhão não conseguiu desviar e bateu no reboque. O passageiro do reboque não resistiu aos ferimentos e morreu no local. As outras pessoas feridas foram socorridas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para o Hospital Geral do Estado (HGE).

Por G1 AL

Boletim deste sábado (23/01/2021): Pernambuco chega a 250.165 casos e 10.177 mortes por Covid-19 ao confirmar mais 1.652 pacientes e 25 óbitos pela doença



Mais 1.652 casos de pessoas com Covid-19 e 25 mortes relacionadas à doença foram confirmados neste sábado (23) em Pernambuco. Com isso, o total de registros desde o começo da pandemia subiu para 250.165 infectados e 10.177 mortes relacionadas ao coronavírus.

Das pessoas que tiveram diagnóstico confirmado para a doença neste sábado, 68 tiveram quadros de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) e 1.584 foram casos leves de Covid-19. Ao todo, Pernambuco contabilizou 30.630 pacientes graves e 219.535 leves desde março de 2020.

Os óbitos contabilizados ocorreram entre os dias 21 de novembro e a sexta-feira (22). Outros detalhes epidemiológicos devem ser repassados ao longo do dia pela Secretaria Estadual de Saúde.

Por G1 PE

Corpo de empresária morta na Bahia será enterrado neste sábado em Itaíba, no Agreste de de Pernamabuco

 

O corpo da empresária Gilvanete Souza Nogueira, de 52 anos, que estava desaparecida há três dias e foi localizada na zona rural de Barra do Choça, no sudoeste baiano, será enterrado, neste sábado, 23, em Itaíba, no Agreste de Pernambuco.

A empresária, mais conhecida como Nete, era proprietária da loja Galeria Joaquim Correia, no Centro de Vitória da Conquista, distante 30 km de Barra do Choça. De acordo com a Polícia Civil, o suspeito do crime está preso.

A polícia acredita que o homicídio tenha sido motivado por uma dívida de R$ 15 mil que o suspeito tinha com a vítima e se recusava a pagar. O suspeito deve responder pelos crimes de homicídio qualificado e ocultação de cadáver.

Por Jornal A Tarde Salvador

Ministério da Saúde inclui trabalhadores da construção civil e indústria nas prioridades de vacinação contra a Covid-19



Em nova mudança no plano de vacinação contra a Covid-19, o Ministério da Saúde passou a incluir trabalhadores da indústria e construção civil na lista de grupos prioritários para receber as vacinas. Ao todo, esse grupo representa 5,3 milhões de pessoas.

A pasta também oficializou a inclusão de trabalhadores de transporte aéreo e aquaviário-como funcionários de empresas aéreas e de navegação– e trabalhadores portuários entre os grupos previstos para também receber as doses com prioridade.

A inclusão já era divulgada pelo setor de infraestrutura do governo, mas ainda não constava de plano da Saúde.
Com as mudanças, o total de pessoas previstas para receber as vacinas entre os grupos prioritários passa a ser de 77,2 milhões. Até então, o total era estimado em torno de 65 milhões.

O ministério, porém, não divulgou os cronogramas de aplicação das doses entre esses grupos. O plano prevê que, no momento previsto da vacinação-o qual não foi informado- trabalhadores apresentem um comprovante do vínculo de emprego na área.

Até o momento, informes técnicos da pasta orientam que a vacinação inicie com trabalhadores de saúde da linha de frente contra a Covid, idosos em asilos, pessoas com deficiência em instituições e indígenas em terras aldeadas. Novos calendários ainda não foram divulgados.

As alterações nos grupos prioritários constam no novo plano finalizado pelo ministério nesta sexta (22).

Em nota, a pasta informa que "os cronogramas de distribuição das doses com os grupos prioritários correspondentes serão divulgados por meio de informes técnicos."

"Cabe esclarecer que todos os trabalhadores da saúde serão contemplados com a vacinação, entretanto a ampliação da cobertura desse público será gradativa, assim como os demais públicos prioritários elencados na segunda edição do plano, conforme disponibilidade de vacinas."

Essas não foram as únicas alterações.

A pasta também fez mudanças no trecho de contraindicações à vacina, que até então indicava pessoas menores de 18 anos, gestantes e pessoas com histórico de reações anafiláticas.

Na prática, a pasta manteve o último trecho (com alerta a pessoas com hipersensibilidade e histórico de reações), mas incluiu gestantes em uma lista diferente, tida como de precauções, em conjunto com outros grupos que exigem atenção. As mudanças são voltadas principalmente às mulheres grávidas, mas que fazem parte de grupos prioritários.

O documento lembra que a segurança e eficácia das vacinas não foram avaliadas em gestantes, mas que estudos iniciais em animais não apontaram risco. "Para as mulheres, pertencentes a um dos grupos prioritários, que se apresentem nestas condições (gestantes, lactantes ou puérperas), a vacinação poderá ser realizada após avaliação cautelosa dos riscos e benefícios e com decisão compartilhada, entre a mulher e seu médico prescritor", diz o documento.

A avaliação, aponta, deve considerar o nível de potencial contaminação do vírus na comunidade, a potencial eficácia e potenciais riscos. Aquelas que não quiserem receber as doses devem ser apoiadas e instruídas a "manter medidas de proteção como higiene das mãos, uso de máscaras e distanciamento social", recomenda o plano.

No documento, o ministério aponta ainda ter mais 354 milhões de doses contratadas para vacinação –das quais 212 milhões seriam da AstraZeneca/Fiocruz, 100 milhões do Butantan/Sinovac e 42,5 milhões do consórcio Covax Facility.

Assim como nas versões anteriores, no entanto, a pasta não divulgou os cronogramas previstos de entrega das doses, cuja produção passa por impasses devido à dificuldade para obtenção de insumos da China.

Por Folhapress

Prefeituras e governos estaduais contrariam Anvisa e aplicam todas as doses antes de receber segundo lote

Doses da vacina de Oxford chegaram nesta sexta-feira no Brasil Foto: AMANDA PEROBELLI/REUTERS / AMANDA PEROBELLI/REUTERS

Prefeituras e governos estaduais têm adotado critérios diferentes para a aplicação da vacina contra a Covid-19, o que pode prejudicar a eficácia da imunização no Brasil. Enquanto alguns governos locais decidiram racionar o fármaco para garantir que todos do grupo prioritário recebam as duas doses dentro do prazo recomendado pelos laboratórios, outros optaram por usar toda a remessa de CoronaVac, vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, já na primeira aplicação.

Mesmo com a liberação de um segundo lote da CoronaVac pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ontem, podem faltar unidades para a segunda dose, apontam infectologistas. A diferença entre os dois lotes da vacina que já tiveram o uso aprovado pelo governo brasileiro é de 1,2 milhão de doses. No último dia 17, a Anvisa liberou 6 milhões. Ontem, 4,8 milhões.

Essa conta não deve ser afetada pelos 2 milhões de doses da vacina da AstraZeneca/Oxford, importadas da Índia, que chegaram ao país no fim da tarde de ontem. O carregamento faz parte de uma parceria firmada com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Esse antígeno não pode complementar a primeira dose da CoronaVac.

Para garantir a eficácia da vacinação, a segunda aplicação da vacina do Butantan deve ser feita em até 28 dias. Quem recebeu a primeira dose na segunda-feira passada, por exemplo, deve tomar a segunda até 15 de fevereiro. O governo paulista teria que receber os insumos para a fabricação da vacina, portanto, no fim deste mês, já que leva 20 dias para produzir a CoronaVac. A liberação da matéria-prima, que vem da China, ainda está em negociação.

O intervalo entre as duas doses de CoronaVac sugerido pelo Butantan é o limite máximo recomendado pela Anvisa para que a eficácia máxima da CoronaVac seja alcançada. Ontem, a agência informou que os prazos descritos nas bulas devem ser respeitados: de duas a quatro semanas para a CoronaVac; de quatro a doze semanas para a vacina da Oxford.

Governos estaduais, responsáveis por dividir as vacinas entre as prefeituras, negam que vá faltar vacina para aplicar a segunda dose em quem já foi imunizado. Isso não impediu que prefeituras, algumas vezes vizinhas, adotassem regras diferentes. Em São Paulo, a maior parte dos municípios tem seguido a orientação do governo estadual para usar toda a remessa de CoronaVac enviada nesta semana. Uma exceção é Guarulhos, que decidiu dividir em dois o lote de 13.680 doses recebidas do imunizante “por conta das incertezas geradas pelos problemas com a importação de insumos e imunobiológicos”. Em nota, o governo paulista afirmou que a “falta de agilidade na disponibilização de vacinas por parte do Ministério da Saúde obriga os estados a programar remessas fracionadas até que venham novos lotes”.

As prefeituras de Rio Branco e Goiânia afirmaram que todos os que tomaram a primeira dose já têm uma segunda garantida e que não faltarão imunizantes. Em Boa Vista, a prefeitura informou que o governo estadual se comprometeu a repassar ao município o quantitativo correspondente à segunda dose. O governo de Roraima confirmou.
“Escolhas difíceis”

Para o supervisor de equipe médica do ambulatório do Instituto Emílio Ribas, Francisco Ivanildo de Oliveira Junior, usar todas as vacinas sem garantia de quando chega a segunda dose é “temerário”.

— Não temos garantia de que chegarão a tempo. Já estamos fazendo escolhas difíceis sobre quem será vacinado mesmo com a perspectiva de que serão entregues.

Para o infectologista Jamal Suleiman, também do Emílio Ribas, não dá para pensar numa alternativa sem novas doses:

— Dar uma só dose seria como criar um ensaio clínico novo no meio da pandemia. Não trabalhamos com essa possibilidade.

O governo do Rio, que espera receber até 200 mil doses da vacina da Oxford/AstraZeneca, pretende aplicar as vacinas em pessoas diferentes — ao contrário do que fez com a CoronaVac, racionada para duas doses.

— Pela janela maior para a segunda dose (de três meses), o cronograma de distribuição estaria mais tranquilo para fazer a segunda dose quando receber a nova leva — disse Alexandre Chieppe, médico da Secretaria Estadual de Saúde.

Reportagem de: Giuliana Toledo, Dimitrius Dantas, Suzana Correa, Felipe Grinberg, Raphaela Ramos, Rodrigo de Souza e Paula Ferreira
O GLOBO


Seis pessoas morrem e várias ficam feridas em acidente na BR-101, em Joaquim Nabuco(PE); mulher grávida e uma criança de três anos estão entre as vítimas

 

Veículo após acidente na BR-101 — Foto: WhatsApp/Reprodução

Seis pessoas morreram e outras ficaram feridas em um acidente na BR-101, em Joaquim Nabuco, na Mata Sul de Pernambuco, na manhã desta sexta-feira (22).

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o motorista de uma van clandestina, que saiu do Recife para Palmares, perdeu o controle do veículo e saiu da pista. No local foi confirmada a morte de três mulheres, uma delas estava grávida. Uma criança de três anos e dois homens morreram durante o atendimento. As vítimas que ficaram feridas foram socorridas para o Hospital Regional de Palmares.

Ainda de acordo com a PRF, uma passageira disse que na van estavam 11 pessoas, e que o motorista e o cobrador saíram do local antes da chegada da viatura.


Por G1 Caruaru

Brasil espera receber mais 4 milhões de vacinas da Índia no início de fevereiro


O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, informou em pronunciamento ao lado do avião que trouxe as vacinas da Índia, que espera mais uma leva do produto no início de fevereiro. A origem será a mesma, o Instituto Serum, em Mumbai.

A reportagem da CNN apurou com fontes do governo federal que a nova remessa tem mais 4 milhões de doses prontas da vacina de Oxford. A previsão é receber o carregamento nos primeiros 15 dias de fevereiro.

Por estratégia, o governo não quis mais divulgar quantitativos e doses. É que isso foi o fator decisivo para a negociação com a Índia nessa primeira remessa de 2 milhões de doses enroscar.

Interlocutores do governo e da Fiocruz disseram que a grande exposição do translado das vacinas da Índia antes mesmo de o país começar a campanha de vacinação por lá, incomodou as autoridades locais.

O Brasil ainda tenta resolver dificuldades com a China para liberar a vinda de insumos tanto para a vacina do Butantan quanto para a de Oxford.

O próprio ministro Ernesto Araújo disse em entrevista exclusiva à CNN que não há previsão pra isso, mas que se preciso for, ele viaja a Índia ou à China para destravar negociações de liberação da vacina.

Por CNN BRASIL

Auxílio emergencial: Projeto quer prorrogar pagamento de R$ 600 até abril

 

Um Projeto de Lei (5650/20) em tramitação na Câmara dos Deputados pretende prorrogar o pagamento do auxílio emergencial como medida de enfrentamento à pandemia de Covid-19, com valor de R$ 600, até 30 de abril deste ano. O auxílio foi criado para atender pessoas em situação de vulnerabilidade social durante a emergência de saúde pública provocada pela doença. As informações são da Agência Câmara.

Pago desde abril de 2020, com as cinco primeiras parcelas de R$ 600 e as quatro últimas de R$ 300, o auxílio emergencial foi extinto em 31 de dezembro do ano passado, com o fim da vigência do decreto 6/20, que reconheceu a situação de emergência de saúde no País. O saque em espécie do auxílio para quem não utilizou o dinheiro de forma digital ainda ocorrerá até o dia 27 de janeiro.

De acordo com o site da Câmara, o status do projeto é "aguardando Despacho do Presidente da Câmara dos Deputados".
Vantagens do auxílio

Autor do projeto, o deputado Chiquinho Brazão (Avante-RJ) avalia que as vantagens sociais e econômicas trazidas pelo auxílio emergencial devem ser mantidas. “Ainda que de forma temporária, o benefício contribuiu para reduzir o índice de pobreza da população e para manter a atividade econômica”, diz Brazão.

"Caso o auxílio não tivesse sido oferecido desde abril de 2020, o índice de pobreza teria saltado para 36% durante a pandemia. Além da queda de renda da população, o fim do benefício vai afetar a arrecadação de estados e municípios e os pequenos comércios locais”, acrescentou.
Estado de calamidade

Uma liminar concedida pelo ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), em 30 de dezembro de 2020, garantiu a prorrogação das medidas sanitárias de enfrentamento à pandemia, mas não prorrogou o decreto que reconheceu o estado de calamidade pública nem o pagamento do auxílio-emergencial.

Na prática, com o fim do estado de calamidade, o governo volta a ficar submetido às imposições da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), sendo obrigado a cumprir metas de execução do orçamento e limites de endividamento e de gastos com pessoal, o que reduz sensivelmente os recursos disponíveis para financiar políticas de assistência social e ações emergenciais na saúde e no setor produtivo.

Da Redação do Diário do Nordeste

Petrolândia: Corona, Ciência e Religião - Por: Fernando Batista

E veio o corona vírus inesperadamente e perguntou: onde estão vocês valentes ? os religiosos se calaram, as missas de cura acabaram, os cercos de Jericó cessaram. Veio o Corona de repente e perguntou: cadê você valente?

Cadê você valente, corajoso? Cadê os que tiravam o demo em nome de Jesus? Hoje correm do vírus como o diabo foge da cruz. Os que diziam pisar na cabeça da serpente, como diz o poeta “ não mais que de repente” pisaram em ovos bem delicadamente.

A sessão de descarrego ficou para outra hora. Como dizia Drummond: “ E agora, José?”. Vi muita gente clamando a Jesus em pé e ajoelhada em frente à Fio Cruz. No contexto pandêmico em curso, assim como no tempo de Noé, a pomba que no bico trouxe um ramo de oliveira anunciando, apesar das perdas e dores, a possibilidade de um novo tempo de saúde total, beleza e paz, vem anunciando um novo horizonte e terra firme onde se possa fincar os pés sem medo e sem máscara.

A fé sem a razão, sem o pensar, pode ser letal. Há momentos em que uma fé cega, pode ser fatal! Em tempo de COVID – 19, a fé sem a ciência, mata, mas também morre. O Deus que está na Bíblia, está na ciência. O Deus que está no céu, está na seringa. O Deus que cura também IMUNIZA, também HUMANIZA.

Blog de Assis Ramalho
Por: Fernando Batista

Procura-se uma casa para alugar em Petrolândia que tenha piscina e garagem

 
Foto ilustrativa/divulgação internet 

Procura-se uma casa para alugar na cidade de Petrolândia - de preferência que tenha piscina e garagem de bom tamanho. Contato 9.9928-3478 - falar com Samuel. 

Redação do Blog de Assis Ramalho

Informação: Samuel

Petrolândia: O cuidado com a população está chegando em todos os lugares do município


PETROLÂNDIA-PE

Agora a comunidade Sandália dos Pescadores, tem coleta de lixo semanalmente, graças ao empenho da gestão municipal de Petrolândia, através do prefeito Fabiano Marques e do vice Rogério Novaes.

Nosso compromisso é continuar levando o melhor para o nosso povo, conforme menciona o Secretário de Serviços Urbanos, Janailson Avianez.

Blog de Assis Ramalho
Com informação/vídeo e texto da Prefeitura de Petrolândia

COVID-19: Paulo Afonso bate o recorde diário após registrar 57 casos em 24h; dois óbitos e UPA/Covid com 100% de ocupação


Paulo Afonso registrou nesta sexta-feira (22), o maior número de novos casos positivos de Covid-19 em um único dia. De acordo com o Boletim Epidemiológico da Secretaria Municipal da Saúde, nas últimas 24 horas foram 57 pessoas infectadas.

Outros dados que também chamaram atenção nos números divulgados hoje, são as taxas de ocupação dos leitos de UTI, semi-intensivos e da triagem do Hospital UPA Covid, todos estão ocupados, ou seja, UTI com 100%, UTSI com 100% e triagem 100%.

Já os leitos de UTI do Hospital Municipal de Paulo Afonso (HMPA) estão 80% ocupados. Das 10 vagas, apenas duas estão disponíveis.

A explosão de casos das últimas horas fez com que 3 dos 12 leitos semi-intensivos inaugurados hoje no Hospital Nair Alves de Souza, já fossem utilizados.

Até mesmo os óbitos provocados pela doença, que até semana passada estavam estáveis, tiveram aumento essa semana. Foram mais dois hoje. Agora, o números de mortes chegou a 60.

Com os dados desta sexta-feira, Paulo Afonso chegou ao todo, a 2.212 casos de Covid-19. Recuperados são 1.575. Os números de hoje também mostram crescimento nos casos ativos, agora são 577.


Por REDAÇÃO - PA4.COM.BR

Crise derruba popularidade de Bolsonaro, aponta Datafolha


Em meio ao agravamento da crise de gestão da pandemia da Covid-19, a reprovação ao governo de Jair Bolsonaro inverteu a curva e voltou a superar sua aprovação. Segundo o Datafolha, o presidente já é avaliado como ruim ou péssimo por 40% da população, ante 32% que assim o consideravam na rodada anterior da pesquisa, no começo de dezembro.

Quem acha o presidente ótimo ou bom passou de 37% para 31% no novo levantamento, feito nos dias 20 e 21 de janeiro. É a maior queda nominal de aprovação de Bolsonaro desde o começo de seu governo.

MAIS QUEDA – Se no levantamento de 8 e 10 de dezembro Bolsonaro mantinha o melhor nível de avaliação até aqui de seu mandato, de 37%, agora ele se aproxima do seu pior retrato de popularidade, registrado em junho de 2020, quando 44% o rejeitavam, ante 32% que o aprovavam.

Avaliam Bolsonaro como regular 26%, contra 29% anteriormente —oscilação dentro da margem de erro, que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O instituto ouviu, por telefone devido às restrições sanitárias da pandemia, 2.030 pessoas em todo o Brasil.

A melhoria do segundo semestre —cortesia da acomodação após a turbulência institucional, do auxílio emergencial aos mais carentes na crise e de políticas para o Nordeste— foi abalada de dezembro para cá.

SÃO VÁRIOS MOTIVOS – Concorrem para isso o recrudescimento da pandemia, que viu subir números de casos e mortes no país todo, a aguda crise da falta de oxigênio em Manaus , as sucessivas trapalhadas para tentar começar a vacinação no país e o fim do auxílio em 31 de dezembro.

Com efeito, as pessoas que têm medo de pegar o novo coronavírus estão entre as que mais rejeitam o presidente. Entre aqueles que têm muito medo de pegar a Covid-19, a rejeição de Bolsonaro subiu de 41% em dezembro para 51% agora. A aprovação caiu de 27% para 20%.

Entre quem tem um pouco de medo de infectar-se, a rejeição subiu de 30% para 37%, enquanto a aprovação oscilou de 36% para 33%. No grupo dos que dizem não ter medo, próximos da retórica bolsonarista sobre a pandemia, os dados são estáveis e previsíveis: 21% o rejeitam (eram 18%) e 55% o aprovam (eram 53%).

PIOR AVALIAÇÃO – Bolsonaro segue assim sendo o presidente com pior avaliação para o estágio atual de seu governo, considerando aqui apenas os eleitos para um primeiro mandato depois de 1989.

Em situação pior que ele só Fernando Collor (PRN), que no seu segundo ano de governo em 1992 tinha rejeição de 48%, ante aprovação de 15%. Só que o então presidente já estava acossado pelas denúncias que levaram ao seu processo de impeachment e renúncia no fim daquele ano.

A gestão de Bolsonaro na crise atrai diversas críticas. Metade dos brasileiros considera que ele não tem capacidade para governar — o número oscilou de 52% para 50% de dezembro para cá. Já quem o vê capaz também ficou estável, 45% para 46%.

Por Folha de S. Paulo