sábado, 26 de dezembro de 2020

Floresta (PE): 62ª Missa do Vaqueiro acontece neste domingo (27) no Parque de Exposição

 


Bom Jesus Razão, tão sertanejo, que entende até de precisão.”

Dando continuidade aos festejos do Bom Jesus dos Aflitos, no próximo dia 27, às 09:00hr, celebraremos a 62° Missa do Vaqueiro de Floresta.

Esse ano, seguindo os protocolos sanitários de prevenção ao covid-19, deveremos cumprir as seguintes orientações:
Só poderão participar 60 vaqueiros.
O uso de máscara será obrigatório durante toda a celebração, e todos devem levar álcool em gel para uso pessoal. Sejamos cuidadores da vida!
Os portões serão abetos às 08:00hr.
Celebre conosco. E Viva o Bom Jesus dos Aflitos.

Paróquia de Floresta

PM acusado de matar namorada a tiros em Fortaleza alega insanidade mental


O policial foi preso em flagrante. Dias depois, a defesa do militar afirmou à Justiça do Ceará que o PM é acompanhado há três anos por médico especializado em doenças mentais e indicou que ele sofre de insanidade.

A Justiça aceitou o pedido de perícia, que pode vir a comprovar ou não a insanidade mental.




A defesa do policial militar, Manoel Bonfin dos Santos Silva, alegou que ele tem uma doença mental e que, por isso, é incapaz de entender o caráter ilícito de um feminicídio pelo qual é acusado. O processo está suspenso até que haja um laudo da perícia sobre a sanidade mental do acusado. O cabo está preso desde outubro de 2020, pela morte da namorada Ana Rita Tabosa Soares.

A vítima foi assassinada a tiros após o casal sair de um restaurante, onde estavam jantando. Ana Rita e Bonfin teriam saído do local discutindo. Após entrar no carro, ela teria sido alvejada por cinco disparos de arma de fogo. O crime aconteceu na Avenida Silas Munguba, em Fortaleza.

O policial foi preso em flagrante. Dias depois, a defesa do militar afirmou à Justiça do Ceará que o PM é acompanhado há três anos por médico especializado em doenças mentais e indicou que ele sofre de insanidade.

A Justiça aceitou o pedido de perícia, que pode vir a comprovar ou não a insanidade mental. Devido à decisão proferida na 2ª Vara do Júri da Comarca de Fortaleza, o processo deve permanecer suspenso até o esclarecimento dos fatos.

Exame

A determinação é que o exame deva ser realizado por peritos oficiais do Manicômio Psiquiátrico Governador Stênio Gomes. No último dia 9 de dezembro, a 2ª Vara voltou a se pronunciar pedindo urgência.

O G1 entrou em contato com a Secretaria da Administração Penitenciária a fim de saber se há data marcada para o exame. A Pasta se pronunciou afirmando que o nome do policial não consta como interno do sistema prisional cearense. Sobre o exame, especificamente, a Secretaria não se posicionou.

Acusação

O Ministério Público do Ceará denunciou o policial no último mês de novembro. Consta nos autos que amigos e familiares da vítima já tinham presenciando brigas do casal e teriam visto Manoel Bonfin ameaçar Ana Rita de morte.

Sobre os fatos no dia do crime, o órgão acusatório expôs que: "o acusado efetuou vários disparos de arma de fogo dentro do carro no banco do motorista. Quando da chegada da equipe policial ao local, o denunciado saiu de dentro do veículo e se identificou como policial militar e pediu que prestassem socorro a vítima, a arma utilizada fora apreendida e lavrado o respectivo auto de prisão em flagrante".

Durante depoimento, quando questionado sobre o que motivou o crime, o policial permaneceu em silêncio. Manoel Bonfin segue detido no Presídio Militar, localizado no 5º Batalhão, centro de Fortaleza.

Por G1 CE

Nota do STF e do CNJ em razão do feminicídio da juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi


Enquanto nos preparávamos para nos reunir com nossos familiares próximos e para agradecer pela vida, veio o silêncio ensurdecedor. A tragédia da violência contra a mulher, as agressões na presença dos filhos, a impossibilidade de reação e o ataque covarde entraram na nossa casa, na véspera do Natal, com a notícia do feminicídio da juíza de Direito Viviane Vieira do Amaral Arronenzi.

O Supremo Tribunal Federal (STF) e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por meio do seu presidente e do Grupo de Trabalho instituído para o enfrentamento da violência doméstica contra a mulher, consternados e enlutados, unem-se à dor da sociedade fluminense e brasileira e à dos familiares da Drª Viviane Vieira do Amaral Arronenzi, magistrada exemplar, comprometendo-se, nessa nota pública, com o desenvolvimento de ações que identifiquem a melhor forma de prevenir e de erradicar a violência doméstica contra as mulheres no Brasil.

Tal forma brutal de violência assola mulheres de todas as faixas etárias, níveis e classes sociais, uma triste realidade que precisa ser enfrentada como estabelece a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra a Mulher, Convenção de Belém do Pará, ratificada pelo Brasil em 1995.

Deve ser redobrada, multiplicada e fortalecida a reflexão sobre quais medidas são necessárias para que essa tragédia não destrua outros lares, não nos envergonhe, não nos faça questionar sobre a efetividade da lei e das ações de enfrentamento à violência contra as mulheres. O esforço integrado entre os Poderes constituídos e a sensibilização da sociedade civil, no cumprimento das leis e da Constituição da República, com atenção aos tratados internacionais ratificados pelo Brasil, são indispensáveis e urgentes para que uma nova era se inicie e a morte dessa grande juíza, mãe, filha, irmã, amiga, não ocorra em vão.

Estamos em sofrimento, estamos em reflexão e nos perguntando o que poderíamos ter feito para que esta brasileira Viviane não fosse morta. Precisamos que esse silêncio se transforme em ações positivas para que nossas mulheres e meninas estejam a salvo, para que nosso país se desenvolva de forma saudável.

Lamentamos mais essa morte e a de tantas outras mulheres que se tornam vítimas da violência doméstica, do ódio exacerbado e da desconsideração da vida humana. A morte da juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi, no último dia 24 de dezembro de 2020, demonstra o quão premente é o debate do tema e a adoção de ações conjuntas e articuladas para o êxito na mudança desse doloroso enredo. Pela magistrada Viviane Vieira do Amaral Arronenzi. Por suas filhas. Pelas mulheres e meninas do Brasil.

Conselho Nacional de Justiça

Serra Talhada (PE) Policial Militar serra-talhadense foi assassinado após discussão de trânsito

O policial militar serra-talhadense, Sevas Nogueira Rodrigues de Carvalho, de 40 anos, foi morto após uma discussão de trânsito, nessa quinta-feira (24), no bairro Ipsep, em Serra Talhada. A constatação é do Diário de Pernambuco, que ouviu a Polícia Militar.

No município de Serra Talhada, no Sertão pernambucano, um policial militar de 40 anos morreu após ter sido alvo de disparos de arma de fogo. O caso aconteceu na quinta-feira (24), Véspera de Natal, após o homem se envolver numa discussão de trânsito. Segundo a Polícia Militar (PM), o ocorrido está sendo investigado pela Polícia Civil (PC).

Ainda de acordo com a Polícia Militar, o policial havia retornado ao seu veículo de forma pacífica, após a discussão, quando teve o seu automóvel emparelhado por um carro branco de modelo Fox. Nesse instante, a vítima recebeu tiros de um indivíduo encapuzado que surgiu de dentro do outro veículo. O policial não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

O 14º Batalhão da PM, realizou buscas atrás dos suspeitos. A Polícia Civil, por meio de nota, informou que os responsáveis pelo ocorrido ainda não foram encontrados. “As investigações seguirão até a completa elucidação do crime e prisão dos culpados”.

Por Diário de Pernambuco

Petrolândia: Último sábado do ano tem promoção na Pizzaria Delivery C&J; uma por R$ 10,00 e 3 por apenas 25 reais - aproveite e agende o seu pedido!

 


Hoje é o último sábado de 2020, e tem promoção na Pizzaria Delivery C&J - uma por R$ 10,00 e 3 por apenas 25 reais .

Fique em casa e faça seu pedido pelo telefone (87) 9 9802-3309 (Zap).

A Pizzaria Delivery C&J avisa que aceita cartão de credito, debito e refeição.

Organização: Carlos.

Da Redação do Blog de Assis Ramalho

Esposa morta pelo marido Sargento reformado da PM após ceia de Natal era cabeleireira e tinha 45 anos


A vítima, a cabeleireira Anna Paula Porfírio dos Santos, foi atingida por dois disparos de arma de fogo e faleceu dentro de casa, segundo a Polícia Civil


Um sargento reformado da Polícia Militar, de 53 anos, foi preso na manhã desta sexta-feira (25) por matar a esposa, de 45 anos de idade, no Alto do Mandu, na Zona Norte do Recife. A vítima, a cabeleireira Anna Paula Porfírio dos Santos, foi atingida por dois disparos de arma de fogo e faleceu dentro de casa, segundo a Polícia Civil (veja vídeo acima).

Equipes da Polícia Militar (PM) foram acionadas durante a madrugada para o local do feminicídio. Segundo a PM, o marido da vítima, Ademir Tavares de Oliveira, foi levado ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no Cordeiro, na Zona Oeste, onde foi autuado em flagrante.

Em seguida, o homem foi encaminhado ao Instituto de Medicina Legal (IML) e, em seguida, ao BPChoque. No local, até a última atualização desta reportagem, o policial militar aguardava por uma audiência de custódia.

A família da vítima e do policial aposentado contaram que os dois eram casados há 20 anos e tinham uma filha de 12. A adolescente estava em casa no momento do crime.

Na Rua Luislândia, onde o crime aconteceu, os vizinhos ficaram assustados. "Foi um choque, porque ninguém aqui no bairro esperava", disse o Antônio de Pádua, vizinho da vítima e do ex-sargento preso.

Crime ocorreu após a ceia, segundo perito

De acordo com o perito Fernando Benevides, que esteve no local do crime, o feminicídio aconteceu depois da ceia natalina, no quarto do casal.

“Eles estavam separados, reataram o relacionamento e ele infelizmente cometeu essa tragédia. O DHPP foi acionado, chegou ao local e ele não reagiu, entregou a sua arma. Foram dois disparos, um no tórax e outro na face. Um a uma curta distância e outro à queima-roupa”, disse.

Outros membros da família do sargento reformado moram no térreo da casa e haviam celebrado o Natal junto com o casal. Os familiares ouviram os disparos depois que os dois subiram para o quarto, mas não conseguiram socorrer a vítima, de acordo com o perito.

“A família dele ouviu tudo, mas quando chegou lá não tinha mais como socorrer por conta da gravidade. Todo mundo ouviu, mas não teve como socorrer. Foram tiros fatais. No local do crime tinha bastante sangue e algum desalinho, indicando que houve uma discussão, mas não luta”, contou Benevides.

Por G1 PE e TV Globo

Petrolândia: CICATRIMED avisa que chegou Cama motorizada Evolution 2 mov. – Pilati 3283




Cama motorizada Evolution 2 mov. – Pilati 3283

Descrição


Característica:

Acompanha jogo de rodas com freios Bilaterais , grades e colchão.

Oferece posição ideal para ler, assistir televisão ou simplesmente relaxar o corpo.

Motores são extremamente silenciosos e potentes.

Possui elevação de cabeça e pés.

O motor: é extremamente silencioso, rápido e potente. Ele é exclusivamente desenvolvido para promover o melhor sono. O controle para cada posição é individual, permitindo que o acionamento de cada ponto de articulação seja de forma independente para o melhor posicionamento.


Altura do chão até o estrado: 64 cm

Medida Externa: 92x207x100


SAIBA MAIS SOBRE A CICATRIMED

CICATRIMED é a sua loja especializada na venda de curativos especiais e artigos e acessórios para saúde. Lá você encontra os melhores materiais para tratamento de estomas e feridas, além da assistência de profissionais especializados na área; como também artigos, equipamentos e materiais que irão auxiliar na prevenção, restabelecimento e cuidados à saúde, como materiais ortopédicos, cadeiras de rodas, cadeiras de banho, colchões pneumáticos, colchões de água, bengalas, muletas, jalecos, materiais médico-hospitalares e etc.

Sabemos que o processo de cicatrização de feridas nem sempre é tão fácil, principalmente em pacientes com problemas circulatórios, idosos, portadores de doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, que as vezes demoram meses ou anos para cicatrizarem uma lesão. No entanto, com a inauguração desse novo empreendimento em nossa cidade, esses pacientes terão a oportunidade de sonharem com um restabelecimento mais eficaz dessas lesões, melhorando assim o conforto e qualidade de vida.

A CICATRIMED está localizada na avenida Sabino Costa, n 54, quadra 07, ao lado da Escola Delmiro Gouveia, e conta com a organização do Enfermeiro Estomoterapeuta Amaral ( profissional especializado no tratamento de feridas).



Da Redação do Blog de Assis Ramalho

Bolsonaro sanciona sem vetos regulamentação do Fundeb



O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta sexta-feira (25) a lei que regulamenta o novo Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). Nenhum ponto do projeto aprovado pelo Congresso foi vetado.

O Fundeb é o principal mecanismo de financiamento da educação básica, que vai da pré-escola ao ensino médio. Em agosto, o Congresso promulgou uma emenda à Constituição que tornou o fundo permanente. O texto prevê a ampliação gradual da participação da União no Fundeb, de forma a chegar a 23% a partir de 2026. Atualmente, essa complementação financeira do governo federal está em 10% sobre o valor arrecadado por estados e municípios.

A regulamentação é necessária pois traz regras específicas sobre a divisão do dinheiro.

Pela lei sancionada, os fundos estaduais destinados à educação básica serão abastecidos por meio de parte da receita obtida através da arrecadação de diversos impostos, como, por exemplo, do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS); do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

Segundo a legislação, a União vai complementar esses fundos da seguinte forma:

10 pontos percentuais seguirão as regras atuais de distribuição, para os estados mais pobres que recebem o complemento da União para atingirem o padrão mínimo;
10,5 pontos percentuais serão distribuídos para redes públicas de ensino municipal, estadual ou distrital que não atingirem o valor anual total por aluno (VAAT), parâmetro de distribuição criado com base na capacidade de financiamento das redes de ensino.
2,5 pontos percentuais complementarão com base no valor anual por aluno (VAAR), que serão distribuídos de acordo com o cumprimento de condicionalidades e evolução dos indicadores, a serem definidos, de atendimento e melhoria da aprendizagem com redução das desigualdades.

A regulamentação serviu ainda para estabelecer a fórmula de cada um desses três indicadores.

Parte da complementação da União (2,5 pontos percentuais) deve seguir alguns critérios, como:

parâmetros técnicos de mérito e desempenho para o provimento do cargo de gestor escolar;
participação de pelo menos 80% dos estudantes em avaliações da educação básica;
redução de desigualdades socioeconômicas e raciais na educação, medidas em exames de avaliação.

Portanto, só receberão os recursos aqueles estados e municípios que cumprirem essas condições. Outra forma de medir o desempenho de cada região será por meio das taxas de aprovação nos ensinos fundamental e médio nas redes estaduais e municipais de ensino. Os alunos também serão avaliados por exames nacionais de avaliação da educação básica.

Pela lei, a distribuição do dinheiro, tanto do Fundeb quanto dos fundos estaduais, levará em conta o número de alunos matriculados na rede pública.

A emenda constitucional que estabeleceu o novo Fundeb determinou que, pelo menos, 70% do Fundeb seja usado para o pagamento de salários de profissionais da educação. A lei que regulamenta o fundo ampliou a possibilidade, também, aos psicólogos e profissionais de serviço social.


A lei também define o Custo Aluno-Qualidade (CAQ), previsto na emenda constitucional. O CAQ é um parâmetro de financiamento educacional previsto no Plano Nacional de Educação (PNE) que define qual deve ser o investimento por aluno para garantir a qualidade na educação.


O Fundeb

O novo Fundeb, de caráter permanente, entrará em vigor em janeiro. Antes, o fundo tinha prazo de validade e acabaria agora em dezembro.

O fundo foi criado com o objetivo de reduzir desigualdades e de garantir um valor mínimo por aluno a ser investido em cada cidade do país, em escolas de ensino infantil, fundamental e médio, e também na educação de jovens e adultos.

Ainda faltava uma lei definindo as regras detalhando a operacionalização e a distribuição dos recursos a estados e municípios.

Segundo nota técnica do movimento Todos pela Educação, a regulamentação ainda neste ano era “imprescindível”. Cálculos da entidade, apontam que, sem isso, cerca de 1.500 municípios mais pobres corriam o risco de ficar sem R$ 3 bilhões adicionais advindos da nova modelagem do Fundeb, considerando apenas o ano de 2021.

Pelo texto da lei, ainda não é possível saber quanto cada estado e município receberá. Alguns indicadores serão definidos pelo Congresso no próximo ano e outras normas devem ser estabelecidas por meio de decretos e portarias do Executivo.


Polêmica na Câmara

Durante a tramitação do projeto da regulamentação no Congresso, deputados chegaram a aprovar uma versão da proposta que, na prática, poderia retirar cerca de R$ 16 bilhões da rede pública.

Esse projeto abria espaço para que escolas privadas sem fins lucrativos, de base filantrópica ou religiosa, recebessem dinheiro público. A regra valeria inclusive para colégios ligados ao Sistema S (Senai, Sesi, Senac, Sesc). O dinheiro seria destinado para o pagamento do salário dos profissionais da educação e também de outras áreas como técnicas, administrativas e os terceirizados, além de integrantes de equipes multiprofissionais, que trabalham nas redes de ensino básico.

O Senado rejeitou essa mudança. Com isso, a proposta original foi resgatava e aprovada definitivamente por senadores e deputados.

Atualmente, a Constituição permite o repasse de recursos federais para escolas privadas sem fins lucrativos – as comunitárias, confessionais e filantrópicas – desde que haja falta de vagas.

Por Sara Resende, TV Globo

Jovem Pankararu de 22 anos é assassinado em Tacaratu-PE



Na manhã desta sexta-feira (25) por volta das 06:00 a polícia militar de Tacaratu recebeu uma chamada, a viatura se dirigiu até a Rua Getúlio Vargas, chegando ao local indicado encontrou o jovem Jermeson dos Santos de Sá, mesmo estava ao chão com uma perfuração em seu abdome e estava sangrando muito. 
De imediato foi encaminhado para o hospital municipal, os médicos constatando a gravidade do ferimento o transferiram para o hospital Nair Alves de Souza, em Paulo Afonso, na Bahia, mas infelizmente não resistiu e veio a óbito. 

O jovem é morador da Aldeia Brejo dos Padres, Povo Indígena Pankararu, seus pais, o senhor Reginaldo Pedro de Sá, sua mãe, Maria de Lourdes Santos

Por Portal TV Camarotte 

'Acabou abrindo mão da escolta por pena dele', lamenta amiga de juíza assassinada pelo ex-marido no Rio de Janeiro


Casamento em agosto de 2009: Cena contrasta com a tragédia que marcou a história da família na quinta-feira, véspera de Natal Foto: Álbum de família

Com a pandemia, o convívio com as melhores amigas diminuiu, e o silêncio sobre o problema, tão delicado, aumentou. Viviane Vieira do Amaral Arronenzi era reservada, e nas raras vezes que tocou no assunto o fez por uma imposição de fatos que não podiam ser escondidos, como uma briga na rua e uma tentativa de invasão do apartamento da mãe, para o qual havia se mudado com as três filhas. A juíza, de 45 anos, passou os últimos meses sofrendo. Seu ex-marido, o engenheiro Paulo José Arronenzi, de 52, reagia violentamente a cada esforço fracassado de retomar o casamento que ela decidiu terminar em julho.

Três meses depois de denunciá-lo à polícia e passar a contar com uma escolta cedida pelo Tribunal de Justiça (TJ) do Rio, Viviane foi assassinada a facadas por Paulo José. O feminicídio ocorreu no fim da tarde de quinta-feira na Barra, no momento em que entregava as meninas ao pai, com quem esperavam passar a noite de Natal. Estava sozinha com as filhas, de idade entre 7 e 9 anos: tinha decidido, um mês atrás, abrir mão do esquema de proteção. Sentia-se incomodada com a presença permanente de seguranças e queria preservar, apesar de tudo, a imagem do homem com quem viveu por mais de uma década e formou uma família.

— Era uma pessoa supertranquila, que nunca impediu as filhas de verem o pai — afirmou nesta sexta-feira um dos seguranças que faziam a escolta de Viviane. — Levávamos ela e as crianças no carro para vários lugares. As meninas ficavam um tempo com ele e depois voltavam com a doutora — completou.

Uma colega do Tribunal de Justiça do Rio também comentou o esforço de Viviane para poupar as crianças do relacionamento conturbado com Paulo José.

— Ficou evidente que ela tentava preservar a figura do ex-marido como pai. Tentou se proteger e, ao mesmo tempo, protegê-lo. Acabou abrindo mão da escolta por pena dele — disse uma magistrada, que pediu anonimato.

A juíza Simone Nacif, que era amiga da vítima, lembra que Viviane era uma mulher forte e que sempre quis preservar as filhas.

— Viviane era uma mulher forte, independente financeiramente e reservada. Estava refém de um relacionamento que demonstrava ser fatal — disse. — Ela procurou os órgãos oficiais, fez um registro de ocorrência e chegou a pedir uma escolta, mas pode ser que tenha achado que o perigo havia passado. Queria preservar as filhas.

Reação: Presidente do TJ-RJ defende 'maior campanha de todos os tempos contra a violência doméstica' apos assassinato de juíza

A escritora e também juíza Andréa Pachá, que tinha uma relação profissional com a vítima, destacou que muitas vezes o silêncio marcou casos de feminicídio:

— Essa violência ocorre em todos os locais e classes sociais. E o silêncio não é só por medo, mas pela convicção de que é possível reverter a situação com racionalidade.
Dia de fúria

O esquema de proteção havia sido pedido em 14 de setembro. Acreditando que o engenheiro havia aceitado a separação, Viviane lhe deu uma carona para que ele pudesse visitá-las. Mas aconteceu uma discussão, e ela foi ameaçada de morte. Ao ser alertado que estava sem condições de vê-las, Paulo José empurrou a ex-mulher e forçou a entrada no prédio da mãe dela, em Niterói. A PM foi chamada e, algumas horas depois, a juíza registrou queixa na 77ª DP (Icaraí) e solicitou medidas protetivas.

A escolta durou dois meses. Viviane acabou por assinar um termo de responsabilidade no TJ ao pedir sua suspensão. Nesta quinta-feira, aceitou um pedido de Paulo José para encontrá-lo com as filhas numa rua de pouco movimento da Barra. Foi atacada ao sair do carro para entregar as crianças. Após o feminicídio, o engenheiro se sentou ao lado do corpo, enquanto uma mulher tentava consolar as meninas. Uma equipe da Guarda Municipal o prendeu, e, ao ser perguntado por que fizera aquilo, balançou os ombros, sem falar nada. No carro do assassino, foram encontradas três facas, o que dá à polícia a convicção de que se trata de crime premeditado.


Levado à Delegacia de Homicídios, Paulo José permaneceu calado. Disse apenas que só se manifestará perante a Justiça. Em 2007, ele já havia sido denunciado por agressão e ameaça a uma ex-namorada. Nesta sexta-feira, sua prisão em flagrante foi convertida em preventiva, desfecho tardio para uma crise que se agravava.

Casamento durou 11 anos e terminou com ameaça

A juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi e o engenheiro Paulo José Arronenzi se casaram em 1º de agosto de 2009. A foto da cerimônia, publicada em um site para noivas, mostra a magistrada sorridente, ouvindo o discurso do companheiro. Os convidados acomodados em um espaço verde, ao ar livre, também parecem alegres. A cena contrasta com a tragédia que marcou a história da família na quinta-feira, véspera de Natal, quando Paulo assassinou Viviane a facadas, na Barra da Tijuca.


Paulo Arronenzi, preso por matar a ex-mulher Viviane Vieira Arronenzi, na frente das filhas Foto: Reprodução

Repercussão

A morte de Viviane, que era juíza há 15 anos e trabalhava na 24ª Vara Cível da Capital, teve grande repercussão em todo o país. O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Luiz Fux, disse que as duas instituições estão consternadas e comprometidas com o desenvolvimento de ações para prevenir e erradicar o feminicídio. “Tal forma brutal de violência assola mulheres de todas as faixas etárias, níveis e classes sociais, uma triste realidade que precisa ser enfrentada”, afirmou, em nota.

Outro integrante da Corte, o ministro Gilmar Mendes, comentou pelo Twitter que o assassinato “mostra que o feminicídio é endêmico no país: não conhece limites de idade, cor ou classe econômica” e destacou que o combate à violência contra a mulher deve ser prioritário. Em nota conjunta, a Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro e a Associação dos Magistrados Brasileiros informaram que entraram em contato com a família de Viviane para prestar apoio e prometeram não deixar que sua morte e outros casos de feminicídio fiquem impunes.

O Ministério Público e a Defensoria Pública do Rio também manifestaram pesar, assim como o governador Cláudio Castro, que destacou a importância do programa estadual Patrulha Maria da Penha, criado para proteger vítimas de violência doméstica. Presidente do TJ, o desembargador Claudio de Mello Tavares repudiou o assassinato e defendeu “a maior campanha de todos os tempos contra a violência doméstica”, além de colocar à disposição todo o apoio institucional à família da juíza.

Por - Paulo Arronenzi, preso por matar a ex-mulher Viviane Vieira Arronenzi, na frente das filhas Foto: Reprodução
O Globo