sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Sem rentabilidade nos investimentos setor ferroviário continuará estagnado

Diretor-presidente do banco JP Morgan Brasil, José Berenguer, palestrou em evento em São Paulo e enfatizou que os recursos privados sempre buscarão as opções mais atraentes em termos de rentabilidade. Economista-chefe da Febraban também esteve no encontro

As oportunidades e desafios para a atração de investimentos privados no setor metroferroviário foram discutidas hoje, no último dia da NT Expo, evento que reúne a cadeia de prestadores de serviços e equipamentos para operadores de transporte de passageiros e cargas sobre trilhos.

O encontro teve a presença de especialistas do sistema financeiro e bancário, entre eles, o diretor-presidente do banco JP Morgan Brasil, José Berenguer. “Existe um gap importante de investimentos em infraestrutura em geral, mas o mercado privado precisa de mais incentivos para investir. O BNDES vem diminuindo e mudando o perfil da sua atuação e o mercado demanda opções realmente atraentes para alocar recursos”, disse. Para ele, a recorrente opção da isenção fiscal para projetos de infraestrutura é alternativa, mas não a única. “Em algum momento do processo, alguém paga a conta da isenção”.

Berenguer mencionou que os desafios a enfrentar são conhecidos: sistema tributário complexo, entraves administrativos, excesso de burocracia, baixa poupança e indexação da economia à SELIC. “Temos a MP 727, que cria o Programa de Parcerias de Investimentos, que tem uma rentabilidade interessante, mas não o suficiente para atrair grandes somas. Precisamos de um realinhamento de instrumentos de isenção para atrair mais investidores. Além disso, é necessário uma estratégia para o avaliar o risco cambial. É uma preocupação importante e que deve ser compartilhada”, detalhou.

O economista chefe da Febraban, Rubens Sardenberg, salientou que a recessão econômica atual é a “mais cruel da história do país. O endividamento das empresas é alto e a rentabilidade é menor, o que prejudica enormemente a geração de recursos. É preciso encontrar alternativas a estruturação de um mercado de capitais e de mercados secundários para dar liquidez ao sistema”. O economista enfatizou que a qualidade dos projetos deve melhorar e o marco regulatório precisa ser melhor explorado para garantir transparência e segurança. “O reposicionamento da economia passa pela recuperação dos investimentos. As taxas de financiamento estão muito baixas e o que não falta hoje são oportunidades”.

Para monitorar o processo, a atuação de agências reguladoras é imprescindível. A frase é de Pedro Dutra, da Pedro Dutra Advogados, que participou do painel. “Os investimentos virão se as instituições forem fortes e se funcionarem da maneira que se espera. Não é necessário reinventar a roda, ou seja, os modelos que temos, definidos já há muito tempo, são bastante eficientes. O que é crucial é que as agências possam atuar realmente como entidades de caráter técnico, com o objetivo de evitar a judicialização. Com contratos bem formatados e com a operação regulamentada, o governo não precisará dar tantas garantias e os investidores terão a tranquilidade para investir”, concluiu.

Sobre a NT Expo – 19ª Negócios nos Trilhos 2016 -http://www.ntexpo.com.br/pt/

Um dos mais exclusivos encontros de negócios do setor de transporte metroferroviário da América Latina, a NT Expo reúne toda a cadeia de fornecedores, formadores de opinião e os principais players dos segmentos de carga e passageiro, nacionais e internacionais. O evento consolidou-se como plataforma de geração de negócios, networking e melhores práticas. Em 2015, a NT Expo reuniu cerca de 230 marcas e atraiu por volta de 9.000 profissionais do setor. Em 2016, o evento acontece de 08 a 10 de novembro, das 13 às 20 horas, no Expo Center Norte, em São Paulo (SP).

Sobre a UBM Brazil - www.ubmbrazil.com.br

A UBM é líder global em mídia de negócios e segunda maior organizadora de eventos no mundo, com expertise reconhecida em promover e incentivar o networking e os negócios entre empresas dos mais diversos segmentos de atuação. Fundada em 1918 e com sede em Londres, está presente em 20 países, nos cinco continentes, com 5.500 funcionários e 160 escritórios, atuando em dezenas de setores que vão da alta tecnologia à moda e ao setor de saúde. No país desde 1994, a UBM Brazil foi a primeira multinacional a entrar no mercado brasileiro de feiras. Conecta profissionais dos diversos segmentos da indústria, tais como Construção Civil, Transporte de Carga, Logística e Comércio Internacional, Portos, Terminais e Armazéns, Tecnologia e Eletrônica, Indústria Médica e Farmacêutica, Ingredientes Alimentícios, Indústria Metroferroviária e Indústria Naval.

Por Assessoria

Nenhum comentário:

Postar um comentário