sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Petrolândia: Secretaria de Saúde promove Dia D de mobilização contra Chikungunya e Dengue


A Secretaria de Saúde de Petrolândia, no Sertão pernambucano, realizou nesta sexta-feira (5) o Dia 'D' de combate à dengue e à febre chikungunya.

A mobilização teve início as 8 horas da manhã com concentração na Avenida Aupício Valgueiro Barros, na Quadra 12, dando uma parada em frente ao Atacado Sanfrancisco, em alusão ao combate do mosquito Aedes Aegypti. Logo após, todos se dirigiram ao Mercado Público, onde ocorria a feira livre. Lá, foi feita uma exposição de larvas, cartazes e entrega de panfletos sobre as doenças.  O evento teve o apoio da Guarda Municipal de Petrolândia

A febre Chikungunya é uma doença parecida com a dengue. Seu modo de transmissão é pela picada do mosquito Aedes aegypti infectado e, menos comumente, pelo mosquito Aedes albopictus.Seus sintomas são semelhantes aos da dengue: febre, mal-estar, dores pelo corpo, dor de cabeça, apatia e cansaço. Porém, a grande diferença da febre chikungunya está no seu acometimento das articulações: o vírus avança nas juntas dos pacientes e causa inflamações com fortes dores acompanhadas de inchaço, vermelhidão e calor local.

Como as pessoas pegam o vírus?

Por ser transmitido pelo mesmo vetor da dengue, o mosquito Aedes aegypti, e também pelo mosquito Aedes albopictus, a infecção pelo chikungunya segue os mesmos padrões sazonais da dengue.
O risco aumenta, portanto, em épocas de calor e chuva, mais propícias à reprodução dos insetos. Eles também picam principalmente durante o dia. A principal diferença de transmissão em relação à dengue é que o Aedes albopictus também pode ser encontrado em áreas rurais, não apenas em cidades.

Quais são os sintomas?

Entre quatro e oito dias após a picada do mosquito infectado, o paciente apresenta febre repentina acompanhada de dores nas articulações. Outros sintomas, como dor de cabeça, dor muscular, náusea e manchas avermelhadas na pele, fazem com que o quadro seja parecido com o da dengue. A principal diferença são as intensas dores articulares.

Em média, os sintomas duram entre 10 e 15 dias, desaparecendo em seguida. Em alguns casos, porém, as dores articulares podem permanecer por meses e até anos.

Tem tratamento?

Não há um tratamento capaz de curar a infecção, nem vacinas voltadas para preveni-la. O tratamento é paliativo, com uso de antipiréticos e analgésicos para aliviar os sintomas. Se as dores articulares permanecerem por muito tempo e forem dolorosas demais, uma opção terapêutica é o uso de corticoides.

Apesar de haver poucos riscos de formas hemorrágicas da infecção por chikungunya, recomenda-se evitar medicamentos à base de ácido acetilsalicílico (aspirina) nos primeiros dias de sintomas, antes da obtenção do diagnóstico definitivo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário