Publicidade
ESTE BLOG ESTÁ EM REFORMA. AGRADECEMOS A COMPREENSÃO.

Sobradinho, maior reservatório do Nordeste tem melhor volume de água desde o início da seca

Em 2017, Sobradinho havia atingido o menor nível de água da história. Com o volume do Lago em 22,7%, a expectativa é que vazão do reservatório aumente, o que pode ajudar a reduzir valor da conta de luz

Maior reservatório de água do Nordeste, o lago de Sobradinho volta a ter seu maior volume de água, desde o início da seca em 2012, atingindo um nível de 22,7%. As chuvas que caíram em Minas Gerais tiraram a barragem de uma situação de colapso e voltaram a trazer esperança à região do São Francisco. Em novembro do ano passado, Sobradinho quase agonizou alcançando seu estágio mais crítico em 5 anos, com volume de 1,08%. Um ano depois, o reservatório volta a ganhar vida. Com a melhora nos volumes, a expectativa é que a Agencia Nacional de Água (ANA) autorize o aumento da saída de água do reservatório e beneficie os usuários, a geração de energia elétrica e a produção agrícola. Desde o começo da estiagem a vazão foi sendo reduzida ano a ano e chegou ao menor patamar da história em 2017, quando ficou em 550 metros cúbicos por segundo. Como o período chuvoso na região se estende até maio de 2019, a previsão é de que os níveis do reservatório ainda avancem. Um verdadeiro presente para Sobradinho, que completa 40 anos de inauguração no próximo ano.

Entre os usuários a expectativa é de que a ANA libere a vazão do reservatório para algo entre 800 e 900 metros cúbicos poe segundo a partir do início de 2019.

O aumento da geração de energia de fonte hidrelétrica também pode significar alívio no valor da conta de luz para o consumidor, com mudança na bandeira tarifária. A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEL) já anunciou que a bandeira tarifária para este mês de novembro é amarela, com custo de R$ 1 a cada 100 kwh.  A tendência de melhora da bandeira tarifária também ganha força com o aumento de água no nível nos reservatórios não só no Nordeste, mas do restante do país.

Por: Jornal do Comércio

Comentários

Publicidade