domingo, 16 de junho de 2019

Petrolândia: Produtor rural ex-vereador e pré-candidato a prefeito de Petrolândia, Rogério Novaes participa de caminhada contra instalação de usina nuclear em Itacuruba, e emite nota de repúdio


Em rede social, em apoio a manifestação que se opõem à instalação de uma usina nuclear no município de Itacuruba, o ex-vereador e pré-candidato a prefeito de Petrolândia, Rogério Novaes, que participou do ato hoje em Itacuruba, divulga a seguinte mensagem. veja abaixo.

Estivemos hoje no ato contra a construção da usina nuclear em Itacuruba junto com os amigos Luiz Antonio ( presidente da OAB de Petrolândia), o vereador por Petrolândia Louro do Vidro, Maria Helena e Fabiane Kelly. Não podemos aceitar essa construção, se querem investir que venha com energia limpa.

Resumo
Ocorreu neste fim de semana um protesto envolvendo movimentos sociais, sindicatos, associações e pastorais, em conjunto com povos indígenas, quilombolas, pescadores e agricultores, contra a possível instalação de uma usina nuclear em Itacuruba-PE.

A Caravana Anti Usina Nuclear é realizada pela Diocese de Floresta, Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Pernambuco (Fetape), Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), ProVida, Sindicatos de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais, Polo Sindical do Submédio São Francisco PE/BA, comunidades tradicionais indígenas e quilombolas, pescadores, agricultores, familiares. 

A ação teve início nesta sábado (15), com concentração na entrada do município de Carnaubeira da Penha. Posteriormente começou a caminhada em direção a Floresta. Hoje (16), a concentração da caminhada de Floresta ao município de Itacuruba foi logo cedo. Por volta das das 8h, foi realizado o ato contra a instalação da Usina Nuclear, em frente à Igreja Matriz Nossa Senhora do Ó, em Itacuruba. O evento contou com apresentações culturais e pronunciamentos. 

Entenda o caso
Estudos de órgãos federais consideram Itacuruba como o local apropriado para abrigar uma usina nuclear na região Nordeste, em virtude da aproximação com o rio São Francisco. De acordo com declarações do Ministério de Minas e Energia do Governo Federal, a energia nuclear seria importante para manter a matriz energética do país. Porém, a instalação da usina pode trazer impactos para a vida de comunidades quilombolas e povos indígenas. Caso seja concretizada, a proposta implicará em expulsão desses povos tradicionais de seus territórios. 

Segundo o diretor de Política Agrícola da Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares de Pernambuco (Fetape), Adimilson Nunis, a construção de uma usina nuclear trará transtornos e insegurança para a população local, que temerão pela própria vida com a instalação de um empreendimento do porte de uma usina. “Como vamos viver com uma usina nuclear? Será que vão querer comprar nossa produção agrícola, agropecuária e a pesca? Achando que tudo está contaminado. Se houver vazamento, contaminar as águas do rio São Francisco? Fora as questões psicológicas para as pessoas”, pontua o diretor.

De acordo com artigo da revista New Scientist publicado no site do Instituto de Pesquisa Agropecuária (IRPAA), as usinas nucleares são consideradas lixos radioativos. O Brasil não possui um depósito seguro para depositar dejetos. Acidentes de graves proporções já ocorreram no mundo. Um deles foi o acidente da Usina nuclear de Chernobil, na Ucrânia, onde 4 mil pessoas foram contaminadas por uma nuvem radioativa que se espalhou atingindo pessoas, animais e o meio ambiente. No Brasil, em 1987, milhares de pessoas foram afetadas pela contaminação do Césio 137, em Goiânia (GO).

Da Redação do Blog de Assis Ramalho

Nenhum comentário:

Postar um comentário