Publicidade

Associação Nacional de Produtores de Coco apresenta pedidos do setor para ministra da Agricultura


A ministra da Agricultura Tereza Cristina recebeu na quinta-feira (14) representantes da Associação Nacional de Produtores de Coco (Aprococo) que ao lado do vice-presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputado federal Evair de Melo (PP-ES), apresentaram as principais demandas do setor que sofre os impactos provocados pelas importações e com o crescimento do custo de produção. Esta foi a primeira reunião de representantes do setor com a ministra.

A Associação foi criada em janeiro deste ano e na avaliação de Evair, a entidade contribui nas batalhas enfrentadas para impedir as importações desnecessárias que afetam a produção nacional e na definição de ações para garantir a qualidade do produto nacional.


O presidente da Aprococo, Reinaldo Ribeiro Nascimento, destacou a disposição do Governo Federal para ouvir os produtores rurais e afirma que o saldo da audiência foi bastante positivo para o setor. “Temos um novo momento político que permite um diálogo mais abrangente. Neste primeiro momento, focamos em medidas emergenciais para o setor e em 90 dias, poderemos ter portarias que regulem a rotulagem dos produtos. Precisamos que haja uma regulamentação no setor como um todo para que possamos tratar com mais rigor temas como a importação de coco ao país”.

Dados do IBGE mostram redução de 38 mil hectares na área de plantio entre 2012 e 2018. Tereza Cristina se mostrou solidária com as reivindicações. Disse que tem ouvido as “agruras” enfrentadas e explicou que um trabalho minucioso tem sido desenvolvido no ministério na modernização de normas. “Aqui nós estamos fazendo pequenas coisas que geram grandes resultados. A gente vem trabalhando diuturnamente mudando, modernizando regras, acabando com coisas que estão muito antigas e defasadas”.

Para proteger a produção brasileira, o parlamentar capixaba apresentou o PL 10.788/18 que institui a Política Nacional de Incentivo à Produção de Coco de Qualidade, já aprovado na Comissão de Agricultura. No ano passado, o parlamentar capixaba chegou a pedir ao Ministério da Agricultura a suspensão imediata das importações de coco, uma das principais demandas dos produtores nacionais por conta dos problemas enfrentados, como o déficit de mercado e a dura competitividade com os mercados asiáticos, que recebem altos subsídios, mas não possuem a mesma rigidez com suas legislações ambientais que o Brasil.

"O coco faz parte da cultura do Brasil e preservá-lo é respeitar a cultura e a tradição de um povo, ou seja, vai além da atividade econômica”, destaca o deputado. Além do PL 10.788/18, que segue agora para as comissões de Finanças e Tributação (CFT) e de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC), Evair apresentou o PL 10.789/18 que trata sobre a adoção de medidas de restrição da importação da fruta de países que não possuam normas e legislações ambientais rigorosas como as brasileiras.

Coco capixaba

De acordo com dados do IBGE no estudo “Produção Agrícola Municipal (PAM)” , os municípios capixabas de São Mateus e Linhares estão agora entre as 10 cidades que mais produziram coco em 2017, em toneladas. Linhares subiu quatro posições em relação ao ano de 2016, aparecendo em nono lugar, com 27.700 toneladas de coco produzidas. Já São Mateus teve um crescimento mais surpreendente: em 2016, era o 21º maior produtor, com 18.800 toneladas, mas a produção de 2017 dobrou, colocando o município em oitavo lugar.

Com informações da Assessoria de Comunicação do MAPA

Comentários

Publicidade