quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

Quase 300 guaiamuns e caranguejos voltam ao manguezal, em Itamaracá

Crustáceos apreendidos pela Cipoma no domingo (21), em Aldeia, foram devolvidos à natureza nesta terça (23) pela CPRH (Foto: Divulgação/CPRH)

Uma equipe da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH) realizou nesta terça-feira (23), em áreas de mangue do município de Itamaracá, na Região Metropolitana, a soltura de guaiamuns e caranguejos que foram apreendidos no domingo (21), em Aldeia, durante ação de combate a crimes ambientais da Cipoma (Polícia Militar). Em período de defeso, e com muitas fêmeas e filhotes (carapaça inferior a 6 cm), os crustáceos estavam sendo comercializados por um homem que conseguiu fugir pela mata.

O guaiamum está na lista dos animais marinhos em risco de extinção no Brasil e terá a captura proibida a partir de 30 de abril deste ano, conforme portaria do Ministério do Meio Ambiente. Junto com os caranguejos, todos os apreendidos no domingo foram encaminhados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres de Pernambuco (Cetas Tangara), da CPRH, na Zona Norte do Recife, onde foram alimentados. Na manhã desta segunda (23), acomodados em várias gaiolas, foram levados de volta ao habitat natural.


Os caranguejos foram soltos em um ponto de mangue do pontal de Itamaracá, onde foram vistos locas habitadas pela espécie. Dos 112, cinco não resistiram e terminaram morrendo. Dos 187 guaiamuns (sendo 84 fêmeas), sete morreram e 180 foram soltos em três pontos distintos, igualmente com locas habitadas pela espécie. Também no fim de semana, agentes da Cipoma apreenderam 298 aves de diversas espécies na feira livre do Cabo de Santo Agostinho. Os pássaros estão em tratamento no Cetras Tangara e ainda não têm previsão de soltura.

Núcleo de Comunicação Social e Educação Ambiental - NCSEA
Agência Estadual de Meio Ambiente - CPRH


0 comentários:

Postar um comentário