Publicidade

Agricultores de Glória do Goitá buscam diversificação da produção orgânica

A iniciativa foi contemplada, nesta quarta-feira (19), com uma visita técnica de produtores da Mata Norte que buscam incrementar a produção (Fotos: Divulgação)

Por Marina Lima

Um grupo de dez famílias de produtores rurais do município de Glória de Goitá conheceu o trabalho desenvolvido pelo projeto Quintais Produtivos, no Cabo de Santo Agostinho. O objetivo é agregar conhecimentos sobre as formas de produção sustentáveis e dinamizar a oferta de produtos da agricultura familiar.

Durante a visita técnica, o grupo recebeu orientações sobre o cultivo de hortaliças orgânicas, aliado a criação de receitas inovadoras e saudáveis. “Essa é uma iniciativa pioneira na agricultura familiar de Pernambuco, porque oferece aos integrantes do Agroitá, cursos sobre empreendedorismo e gestão. Antes eles eram inseguros por não conseguir impulsionar a produção. Hoje, me deparo com produtores, confiantes no seu trabalho e principalmente na qualidade dos produtos que ofertam", avalia o consultor Adalberto Souza.

O projeto Agroitá conta, há um ano, com acompanhamento dos consultores especializados na área de Gestão da Produção, Adalberto Souza e Comercialização da Produção, Adriana Cavalcanti, ambos credenciados ao Sebrae. Esse trabalho tem sido primordial para o desenvolvimento do Agroitá, lançado em agosto no Agrinordeste.

O projeto Quintais Produtivos também conta com a consultoria da dupla, através do Sebrae. Com os produtos obtidos de cinco quintais produtivos, a produtora Eliete Lopes (54), apresentou durante a visita, receitas como o pão de jerimum recheado, creme verde de ervas, pudim de hortelã, além dos brigadeiros de capim santo, macaxeira, e cenoura com castanha. “Somos um grupo de oito mulheres que tiveram a oportunidade de se reinventar enquanto profissionais do campo. E é muito gratificante ter a resposta do nosso trabalhado, repassando conhecimento. Agora isso só foi possível, graças à orientação de pessoas que acreditaram no nosso potencial”, comemorou Eliete.

De acordo com a consultora Adriana Cavalcanti, outro diferencial é que, antes dos projetos, os agricultores tinham a venda da produção limitada aos "atravessadores", que chegavam a comercializar os produtos a valores superiores em até quatro vezes. “Com a orientação, eles foram inseridos em novos mercados como a Feira do Campo do Agrinordeste, o projeto Sabor Sustentável da Prefeitura do Recife, além das feiras semanais do Cabo e Glória Goitá", destacou a especialista em comercialização da produção.

Para a jovem produtora do Agroitá, Ana Maria (28), conhecer o projeto Quintais Produtivos, só deu mais ânimo para investir. “São ações como essa, que nos estimulam a fazer sempre o melhor. Trabalho há seis anos nesse ramo e passei cinco sem direcionamento. Graças a orientação, consegui me estruturar, vender alimentos saudáveis e ainda faturar mais", declarou Ana.

Comentários

Publicidade