Publicidade />

Nota de esclarecimento sobre ocupação na sede do Iphan-PE


O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) vem presenciando ocupações e manifestações em suas sedes, organizadas por movimentos culturais e por profissionais ligados à Cultura. Em Recife, a Superintendência do Iphan-PE vem obtendo a cooperação dos manifestantes no sentido de permanecerem em áreas externas, preservarem os acessos e espaços públicos e não afetarem o funcionamento e a segurança das unidades. O acesso à área externa do prédio é livre no horário de expediente e não há registros de incidentes ou interrupções das atividades do Iphan, que seguem normalmente. No entanto, como o prédio é tombado e possui valiosas obras, o controle de entrada é mais rígido. Essa medida, que foi acordada com os manifestantes desde o primeiro dia da ocupação, visa principalmente evitar qualquer risco ao Patrimônio Cultural protegido.

As dependências do Iphan-PE não comportam eventos com grande número de pessoas, em função da ausência de infraestrutura básica, como banheiros ou instalações elétricas, por exemplo. Dessa forma, a Superintendêcia poderá, se necessário, limitar o número de pessoas na área externa do prédio para garantir a segurança de todos e a preservação da integridade física das instalações.

Até o momento, há manifestantes nas sedes do Iphan em Curitiba (PR), Fortaleza (CE), Rio Grande do Norte (RN), Aracaju (SE), Cuiabá (MT), Belo Horizonte (MG), Belém (PA), São Luís (MA), João Pessoa (PB) e no Edifício Gustavo Capanema, no Rio de Janeiro (RJ), compartilhado com outros órgãos federais da Cultura.

O Iphan é uma autarquia do Governo Federal que há 80 anos atua na preservação, valorização e promoção do Patrimônio Cultural Brasileiro. Entre os órgãos federais da Cultura é o que apresenta maior capilaridade, sendo, em muitos estados, a única representação oficial do Governo Federal ligada à Cultura. A instituição possui Superintendências em todos os Estados e no Distrito Federal, além de escritórios técnicos e casas do patrimônio em cidades do interior que possuem conjuntos tombados ou reconhecidos como Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Assessoria de Comunicação Iphan

Comentários

Publicidade