Publicidade />

Falcão é apresentado oficialmente ao Sport com contrato até dezembro de 2016


O técnico Paulo Roberto Falcão foi apresentado oficialmente pelo Sport, no início da tarde desta terça-feira (22), na Ilha do Retiro. O catarinense de 61 anos concedeu entrevista coletiva por exatos 31 minutos. Ele se disse bastante motivado para comandar o Leão na reta final do Brasileirão e também na Copa Sul-Americana. Com contrato até dezembro de 2016, Falcão substitui Eduardo Baptista, que na última quinta-feira trocou o clube pelo Fluminense.

"Eu tenho muita motivação em ser técnico e me sinto muito preparado para a função. Estou lisonjeado por ter sido lembrado pelo Sport. Vou precisar contar com a colaboração dos jogadores. Conheço quase todos de ver jogar. No contato do dia a dia, vou ter condições de conhecê-los ainda mais e criar uma relação mais estreita", afirmou Falcão.

Falcão comandará seu primeiro treino onde deverá esboçar a equipe que mandará a campo contra o argentino Huracán, nesta quarta-feira, às 22h, na Ilha do Retiro, pelo confronto de ida das oitavas de final da Sul-Americana. Na ocasião, o novo técnico estará à beira do gramado para fazer sua estreia. "Não devo fazer grandes mudanças, porque nem temos tempo para isso", disse.


Falcão fez questão de elogiar o elenco rubro-negro. "Tenho minhas considerações sobre o elenco, mas não vou revelar todas. O que posso dizer é que é um grupo, que pode render mais do que vem rendendo. É um time valente", disse o novo treinador. "Não pode faltar empenho. Não aceito isso, perder porque o outro teve mais garra. Por isso, que gosto de times de qualidade, mas com transpiração", completou.

O Sport é o quarto clube na ainda inconsistente carreira de Falcão como técnico. Antes, comandou América do México, Internacional e São Paulo. Também esteve à frente das seleções do Brasil e do Japão. Como atleta, o catarinense brilhou vestindo as camisas de Internacional, São Paulo e Roma, onde ficou conhecido como o "Rei de Roma", além da própria seleção brasileira.

"Não esperem eu ao lado do campo gritando, chutando a bola. Tenho que estar concentrado na partida, para poder orientar a equipe. Dentro do vestiário, é outra coisa. Mas o tratamento com os atletas é totalmente profissional. Estamos todos no mesmo barco", afirmou Falcão.

Jornal do Commercio

Comentários

Publicidade