Publicidade

A força do Turismo: Piranhas surge como o quarto destino mais procurado de Alagoas


Sol forte beirando os 40 graus, vegetação seca, terra rachada, animais disputando uma vaga na mínima sombra feita por uma árvore quase sem folhagem. O Sertão sempre foi um inspirador. Serviu de cenário para obras literárias, gravações de novelas e filmes. Agora, com investimentos do Governo de Alagoas, a região torna-se o centro das atenções pelo seu potencial econômico e turístico.

A constante exposição fez com que a região sertaneja às margens do Rio São Francisco se tornasse o quarto destino turístico mais procurado de Alagoas, ficando atrás apenas para a capital Maceió, Maragogi e Marechal Deodoro. São passeios pelo "Velho Chico", atravessando os Cânions, cidades históricas, a Usina Hidrelétrica de Xingó, como também o local da morte de Lampião e seu bando. Inclusive, o cangaço é a temática de quase 100% dos pontos turísticos das cidades sertanejas.

O município de Piranhas, situado às margens do Rio São Francisco e a 280 km de Maceió, encontrou no turismo uma diferenciada fonte de geração de emprego e renda para a pequena população local. Com pouco mais de 23 mil habitantes, a economia da cidade se concentra na pesca, no comércio e no turismo.


Recentemente, as gravações da novela "Velho Chico", da Rede Globo, contribuíram para o crescimento do segmento na cidade. As mais de 30 pousadas e dezenas de hotéis passam boa parte do ano com a ocupação acima dos 70%.

Sejam estadias luxuosas ou simples quartos em estabelecimentos no Centro Histórico, o visitante têm apenas a dúvida se quer ficar hospedado no Centro Histórico da cidade ou se deseja uma bela vista do Rio São Francisco do alto dos morros que circundam a cidade. Além da culinária regional mesclada com pescados e crustáceos.

O proprietário do restaurante Flor de Cactus, Clênio Tavares, aposta que este fim de ano e o verão de 2018 o movimento na cidade triplique, devido ao fortalecimento do turismo na região, principalmente na cidade de Piranhas.


"O turismo tem sido cada vez mais importante para economia de Piranhas. Os últimos anos foram difíceis, mas com as gravações da novela tivemos uma grande visibilidade para a região. Com o fomento ao turismo e com o equilíbrio da economia pós-crise, nós esperamos que a alta temporada seja acima da expectativa", destacou.

TURISMO FORTE

Em meio às ruas do Centro Histórico, turistas do Rio de Janeiro passeavam pela cidade de Pìranhas, aprendendo um pouco mais sobre a história do local. Para Tamires Costa, de 25 anos, a preservação das características das casas e prédios públicos dão um charme a mais para a cidade, como também fatos históricos, entre eles a exposição das cabeças do bando de Lampião nas escadarias da prefeitura.

"Tudo aqui é muito lindo e muito bem preservado. O Rio São Francisco e sua rica história, unido à essa arquitetura que nos remete ao passado, cria um charme para a cidade. A história aqui também é muito forte e a cada metro andado aprendi muitas coisas que não são ditas nas salas de aula", disse.

O secretário de Desenvolvimento Econômico e do Turismo, Rafael Brito, destaca as ações do governo para divulgar os Cânions do São Francisco, inclusive na Feira Internacional do Turismo (Festuris), realizada na cidade de Gramado-RS, considerada uma das maiores feiras do segmento da América Latina.

"Muitos turistas que vêm aos cânions imaginam que esta região faz parte do estado de Sergipe e precisamos trazer o sentimento de pertencimento para os turistas e reforçar que Alagoas também faz parte do São Francisco. O Sertão é uma região rica em história e belezas naturais", disse.

Ao lado do governador Renan Filho (PMDB), o secretário Rafael Brito se reuniu com o trade turístico da região para anunciar mais investimentos para a região, que vão auxiliar no desenvolvimento do turismo, entre eles a recuperação das estradas e aumento do efetivo de segurança.

"Contar com a parceria do trade local é fundamental para o Governo do Estado conseguir estruturar cada vez mais a região para o turismo. Estamos aqui para ouvir as necessidades e para contar as boas novas também. Por exemplo, a transferência dos presos da delegacia de Piranhas, que colabora com a segurança da região, e a pavimentação da rodovia Maria Bode/Água Branca", destacou Brito.

Delmiro Gouveia

Quem conhece pela primeira vez Delmiro Gouveia, a 277 km de Maceió, tem uma agradável surpresa: vislumbra uma cidade bonita, movimentada e, sobretudo, bem cuidada. O nome da cidade é em homenagem ao empresário homônimo cearense, que, em 1903, chegou a Alagoas e se instalou no pequeno povoado da Pedra, onde iniciou suas atividades comercializando couro de bovinos e pele de caprinos.

As principais atrações turísticas de Delmiro Gouveia são a Usina Angiquinho, a furna do Morcego, caverna onde Lampião e seu bando se escondiam, o Museu Regional de Delmiro Gouveia, a fábrica da Pedra, trilhas, sítios arqueológicos, praia fluvial e passeios de barco.

DESCOBRIDOR

O turismo no Sertão vai da beleza dos Cânions às surpresas da caatinga. Das aventuras pela região, surgiu o interesse de Adalberto Inácio pelas pinturas rupestres e pelo turismo. Filho de caçador, ele se acostumou desde cedo a explorar a região. À época, não reconhecia o valor de seu conhecimento.

Aos 14 anos, quando foi pela primeira vez no Colégio, Adalberto conseguiu reconhecer o valor de sua vocação pela exploração. O livro da escola mostrava pinturas rupestres da França. Inquieto, ele questionou a professora dizendo que na caatinga havia coisa semelhante.

Incrédula, a professora questionou, mesmo Adalberto explicando onde ficava os sítios arqueológicos descobertos enquanto caçava com seu pai. Foi preciso que ele fotografasse, com uma máquina emprestada de um amigo, para que a professora acreditasse em seu conhecimento. Com a permissão dela, ele organizou a primeira trilha pela caatinga mostrando a seus colegas de classe os sítios arqueológicos que conhecia.

Mas, sabia ela que a caça, que foi sua primeira profissão, iria levá-lo a se apaixonar por pinturas rupestres e turismo. Com o tempo, veio a profissionalização, com cursos de ecoturismo e turismo de aventura. Em 2011, fez curso técnico em guia de turismo regional, subindo seu nível de qualificação.

Pela curiosidade e paixão, Adalberto reconheceu mais de 300 sítios arqueológicos da região. Com isso, colaborou para o reconhecimento e divulgação das trilhas ecológicas na região do Alto Sertão. Acompanhou o trabalho de arqueólogos, do Museu de História Nacional e de professores da Ufal.

Atualmente exerce a função de secretário de Turismo e Cultura de Olho d'Água do Casado, colaborando ainda mais para as atividades turísticas da região.

"O turismo é uma vocação natural do nosso sertão. Além das belezas naturais, temos história e cultura para mostrar aos nossos visitantes", afirmou Adalberto Inácio.

Por Rafael Maynart/Portal Gazetaweb.com

Comentários

Publicidade