Publicidade

Moradores de Itabuna, no sul da BA, têm água em casa somente a cada 20 dias

Para ter água para beber em casa, muitos moradores chegam a pagar de R$ 30 a R$ 60 por mil litros

Moradores da cidade de Itabuna, na região sul da Bahia, só recebem água em casa a cada 20 dias, por conta da seca prolongada que atinge a região. O racionamento no município, uma medida da Empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa), começou a mais de um ano, e muitos moradores precisam recorrer a carros-pipa.

O racionamento ocorre, segundo a prefeitura, porque a falta de chuvas dificulta a captação de água nos rios Salgado, Colônia e no Almada, usados para abastecer a região. Em 2016, a cidade chegou a decretar situação de emergência devido à estiagem.
Para ter água para beber em casa, muitos moradores chegam a pagar de R$ 30 a R$ 60 por mil litros. A prefeitura informou que distribui água em carros-pipa para hospitais e postos de saúde. A distribuição para as residências foi suspensa em 2016 pela gestão passada, segundo a atual administração, e deve ser retomada caso a situação se agrave.

A Emasa informa que tem mantido esforços diários para "distribuir a pouca água disponível para todos os bairros de Itabuna, da forma mais regular possível".

A empresa disponibiliza na internet uma tabela com todos os bairros, para que a população itabunense saiba quando a água irá chegar às torneiras. As datas previstas para início de abastecimento, no entanto, segundo a empresa, podem sofrer alterações diariamente em função de problemas que venham a comprometer a operação do sistema.

Segundo a administração municipal, a cidade, que tem cerca de 220 mil habitantes, não tem ainda um reservatório de água e espera pela construção da Barragem do Rio Colônia, no município vizinho de Itapé, que tem 60% das obras concluídas. A previsão é de que a barragem, que segundo a prefeitura vai permitir a perenização e regularização da vazão do rio Cachoeira (formado pelos rios Salgado e Colônia) além de garantir o abastecimento de Itabuna durante os períodos de estiagem prolongada, seja concluída até o início de maio.

A barragem está sendo executada através de um consórcio numa parceria entre o governo do estado e Embasa, com recursos do Governo Federal e Estadual. A obra tem um custo estimado de R$ 35 milhões.
tópicos:

G1 BA

Comentários

Publicidade