terça-feira, 22 de março de 2016

Anivaldo Miranda abre simpósio do MP Sergipe sobre o Dia Mundial da Água


O presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, Anivaldo Miranda, abriu com uma palestra a programação do Simpósio Regional em Reflexão ao Dia Mundial da Água: diagnósticos e desafios em prol do Rio São Francisco. O evento, promovido pelo Ministério Público Estadual de Sergipe, foi realizado no auditório do órgão estadual, em Aracaju (SE), na manhã desta segunda-feira (21.03). Dirigindo-se a promotores, gestores públicos e ambientalistas, Miranda abordou os problemas provocados pelos usos múltiplos dos recursos hídricos.

O presidente do CBHSF explicou que os conflitos pelos usos múltiplos começam devido à escassez na oferta. “Todos nós precisamos do oxigênio para sobreviver e, como ele existe de forma que atende a todos, ninguém procura saber quem aspira mais que outro, mas com a água é diferente. A demanda é crescente cada vez mais, enquanto a oferta só diminui”, comparou. “A expansão do ser humano é tão grande sobre os recursos hídricos que é necessário compreender que não podemos tratar nossos desafios da mesma maneira que décadas atrás”, completou Miranda.

Diante do problema, o presidente do Comitê apontou o controle na concessão de outorgas e a revitalização de matas ciliares como iniciativas imprescindíveis para promover o aumento na oferta de água. Miranda também chamou a atenção para a revisão do Plano de Recursos Hídricos da bacia do São Francisco, cujo texto final deverá ser apresentado no segundo semestre deste ano.

Ele também defendeu a mudança do modelo de operação dos reservatórios construídos na bacia do Velho Chico, a exemplo de Sobradinho (BA) e Três Marias (MG). “A Agência Nacional de Águas [ANA] atendeu a uma demanda do Comitê e já iniciou as discussões sobre a operação desses reservatórios, tendo em vista os usos múltiplos na bacia”, disse Miranda. Ele também defendeu a mudança da matriz energética no país e a construção do Pacto das Águas, com a definição de quanto de água cada afluente deve entregar ao São Francisco.

O simpósio realizado pelo MPE de Sergipe também contou com a participação do prefeito de Aracaju, João Alves Filho, que proferiu a palestra “Como salvar o rio São Francisco da morte certa”.

Assessoria de Comunicação do CBHSF

Nenhum comentário:

Postar um comentário