Publicidade

Divulgadas as notas das escolas pernambucanas no Enem. Confira.

Colégio Equipe conquistou o primeiro lugar em 3 das 5 áreas de conhecimento avaliadas. O Colégio de Aplicação da UFPE foi o segundo melhor colocado. O pior desempenho é Escola Estadual São José, de Petrolina, último lugar em 3 áreas.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou, na tarde desta segunda-feira (22), a lista com as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) por escola. Este ano, para cada escola, é possível consultar o seu desempenho médio, percentuais de alunos em cada um dos níveis de desempenho e a média dos 30 melhores alunos.

Em Pernambuco, a escola que teve o melhor desempenho em ciências da natureza foi o Colégio Equipe, com 652,13 pontos. O pior foi a Escola Estadual Regueira Costa, com 413,73 pontos.

Já em ciências humanas o grande colégio vencedor em Pernambuco foi o Colégio de Aplicação da UFPE, que obteve pontuação 695,68. O pior desempenho foi a Escola Estadual São José, de Petrolina, que teve nota 428,96.

Em linguagens, o Colégio Equipe teve pontuação 635,84 e ficou em primeiro. O último lugar coube novamente à Escola São José, de Petrolina, com nota 409,04.

Em redação, o melhor desempenho ficou novamente com o Colégio de Aplicação da UFPE, 791,76 pontos. A escola São José, de Petrolina, teve a pior nota, com 366,0 pontos.

Em matemática, o Colégio Equipe teve nota 750,30 e conquistou o primeiro lugar. O pior desempenho foi do Colégio e Curso Magma, em Jaboatão dos Guararapes, com nota 430,40.

Confira as notas por segmento.
>Ciência da Natureza
>Ciências Humanas
>Linguagens
>Redação
>Matemática

O desempenho dos alunos em cada escola foi sintetizado com três categorias de indicadores. O primeiro é a média do desempenho dos alunos da escola em cada uma das cinco áreas incluídas nos testes do Enem: ciências humanas; ciências da natureza; linguagens, códigos e suas tecnologias; matemática; e redação.

A média não descreve a variação dos desempenhos. Por isso, para cada escola, foram também calculados os percentuais de alunos em cada um dos cinco níveis. Outra novidade é a apresentação da média dos 30 melhores alunos de cada escola. "Isso viabiliza uma comparação mais equilibrada entre escolas de diferentes tamanhos", esclarece Soares.

Fonte: JC Online

Comentários

Publicidade