Publicidade

Caminhar, correr e pedalar sempre com máscara? Médica epidemiologista responde


Neste processo de caminhada para uma nova normalidade, o uso da máscara é mais do que indispensável, inclusive para quem tem aproveitado as áreas ao ar livre para fazer caminhada, corrida ou pedalar. “A máscara passa a ser um item da indumentária em todos os lugares onde ainda circula o novo coronavírus até surgir uma vacina, pois não sabemos quando esse vírus vai desistir da gente. Então, caminhar, correr, pedalar, sair de casa, ir ao supermercado e a áreas comuns do prédio: em todos esses momentos, deve-se usar máscara”, destaca a médica epidemiologista Ana Brito, pesquisadora da Fiocruz Pernambuco.

Ela reforça que, mesmo para se exercitar ao ar livre, a peça deve se constituir num item essencial, pois o vírus permanece entre nós. “A circulação dele pode ter arrefecido, pois mais pessoas foram expostas e adoeceram e, no momento, reduziu o número de susceptíveis. Mas a máscara, mesmo para aquelas pessoas que já tiveram a covid-19 e supostamente estão em imunidade temporária contra o coronavírus, deve ser usada, inclusive do ponto de vista educativo, pois é um método de barreira. Além disso, há mais pessoas susceptíveis (ao adoecimento) do que outras que tiveram a doença na comunidade”, salienta Ana Brito.

No mercado, há vários tipos diferentes de máscaras e tecidos, inclusive algumas opções respiráveis e específicas para a prática de atividade física. “Ela deve ser integrada à nossa indumentária daqui pra frente, como já são camiseta, calça, saia, meia... Agora, no dia em que surgir uma vacina ou quando for identificado que não existem mais pessoas susceptíveis numa comunidade e que o vírus não está mais circulando, deixa-se de usar a máscara”, acrescenta a especialista.

Outra recomendação importante é que o uso da máscara não exclui a recomendação do distanciamento social. É uma precaução que continua valendo. Ou seja, devemos ficar a pelo menos um metro e meio de distância de quem caminha, corre ou pedala ao nosso lado.

Por: Cinthya Leite
Jornal do Commercio

Comentários

Publicidade