sábado, 25 de agosto de 2018

A origem do coaching: como surgiu esta poderosa ferramenta


Por Marco Túlio Costa*

Atualmente o termo Coaching é muito utilizado, mas pouco se explica sobre sua origem. Inicialmente o termo designava os cocheiros ingleses, que guiavam as carruagens, ainda na idade média. Interessante perceber o sentido originário que a palavra Coaching, derivada de cocheiros, tem de “guiar”, levar a algum lugar desejado.

A utilização do termo ressurgiu, em 1850, também na Inglaterra, para se referir aos mestres e professores de universidades, especialmente àquelas figuras responsáveis pela orientação e tutela de alunos em suas provas, testes e trabalhos, conduzindo-os a resultados satisfatórios.

Cem anos depois, o termo passou a ser utilizado na literatura de negócios, abordando nuances relativas ao gerenciamento de pessoas. Esse trabalho possibilitou o desenvolvimento de pessoas, a partir de habilidades comportamentais que agregam valor ao desempenho funcional.

Em Nova Iorque, no ano de 1960, o Coaching ganha força nas empresas, especificamente o Life Coaching/Coaching de Vida. Um programa educacional foi desenvolvido e, a partir dos seus brilhantes resultados, foi levado para o Canadá e lá aperfeiçoado. Nesse momento passa-se a utilizar técnicas de controle de conflitos e a busca por resolução de problemas é um ponto importante do processo.

Na década de 60 foi criado o Instituto Esalen. Lá criaram e estudaram várias técnicas de desenvolvimento humano. Esse Instituto é considerado ainda hoje o lar espiritual do movimento pelo potencial humano. O Esalen incentiva todo tipo de prática, atividade, estudos e conhecimentos que possam desenvolver pessoas e recebe estudantes, artistas, cientistas e religiosos em seus projetos e programas de pesquisa. O intuito é facilitar a transformação pessoal e social.

Aqui ainda não se usava o termo para o meio esportivo, mas sabe-se que essa já era uma realidade. Autores como Timothy Gallwey citam o Coaching Esportivo (originado no tênis e no esqui) explicando a forma como os técnicos designavam o oponente do esportista na competição. Percebia-se que o grande trabalho não era avaliar a habilidade e fraqueza do outro, mas as do próprio atleta, que precisaria conhecer seus pontos para melhor trabalhá-los, buscando potencializar seu desempenho.

Para os brasileiros o termo chegou associado aos esportes, em 1970. Ainda hoje são utilizadas práticas e técnicas desse setor, em um conjunto de estudos e ferramentas que são amplamente proveitosas para melhorar performances individuais, no alcance do sucesso almejado. É por essa importante característica que hoje o Coaching tem força nas grandes organizações mundiais: desenvolvimento de metas, solução de problemas e alto desempenho de indivíduos e equipes.

No início dos anos 80 as empresas perceberam a importância que o Coaching tinha, bem como a eficiência de seus resultados, e o fortalecimento desse trabalho se deu de forma significativa. Foi então que surgiram trabalhos de Coaching Executivo nos programas de negócios e liderança, se estabilizando como ferramenta potencial no desenvolvimento de pessoas e profissionais.

Coaching é, portanto, um processo objetivo que tem por finalidade auxiliar o indivíduo ou grupo de pessoas a alcançarem suas metas a partir do alto desempenho. E, sem dúvida, um trabalho muito elogiado pelas pessoas que já participaram dessa atividade devido aos resultados otimizados e satisfatórios.

* Marco Túlio Costa é professor de Formação em Coaching, e coordenador do Trainer Training em programação neurolinguística no ISAE – Escola de Negócios.


0 comentários:

Postar um comentário