Publicidade

Banco do Nordeste financia manejo sustentável da Caatinga

Caatinga (do tupi: ka'a [mata] + tinga [branca] = mata branca) Foto: Lúcia Xavier

Com uma área aproximada de 980 mil quilômetros quadrados, cerca de 11% do território nacional, o semiárido brasileiro é muito mais que o quadro característico de desolação, agravado a cada período de seca. Em que pese a irregularidade das chuvas, que compromete a agricultura de sequeiro e transforma a atividade pecuária em um jogo de perde e ganha, o bioma Caatinga tem um potencial a ser explorado com o uso racional e sustentável das florestas nativas: a comercialização de produtos madeireiros e não madeireiros.

Para fomentar este tipo de investimento, o Banco do Nordeste elaborou uma cartilha virtual sobre o que é o Manejo Florestal, suas características e as possibilidades de financiamento. Os financiamentos para projetos de Manejo Florestal Sustentável da Caatinga são feitos através das linhas de crédito FNE-Verde e Pronaf-Floresta.

A partir de um Plano de Manejo, submetido e aprovado pelo órgão ambiental estadual, o produtor rural pode financiar o uso de suas áreas de vegetação natural de Caatinga, observada a reserva legal obrigatória para a região, de 20%. A exploração sustentável dos 80% restantes cria uma fonte adicional de renda na propriedade e, ao mesmo tempo, melhora as condições ambientais das terras. A área útil de vegetação de Caatinga é dividida em lotes, que serão manejados ano a ano em sistema de rodízio. O método permite a recuperação do solo e da vegetação antes da reutilização de cada espaço, garantindo a manutenção de sua capacidade produtiva.

“Com essa ação, o Banco do Nordeste fornece ferramentas para incentivar o financiamento da atividade de manejo florestal sustentável da Caatinga, considerada pelos especialistas em meio ambiente, a forma mais adequada de aliar a comercialização de produtos madeireiros e não madeireiros ao uso racional e sustentável das matas nativas. Tudo isso em conformidade com o Plano de Manejo aprovado pelo órgão ambiental”, ressalta o gerente do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), do BNB, Fran Bezerra.

Ao mesmo tempo em que contribui para a redução do processo de desertificação da região Nordeste, o financiamento de projetos pelo BNB visa garantir a maior produção sustentável nos aspectos econômico, social e ambiental do semiárido.

A cartilha virtual pode ser acessada no Portal do Banco do Nordeste na internet (www.bnb.gov.br), no caminho Institucional > Responsabilidade Socioambiental > Linhas de Crédito Verde.

Superintendência Estadual de Pernambuco - Assessoria de Comunicação

Comentários

Publicidade