Publicidade
ESTE BLOG ESTÁ EM REFORMA. AGRADECEMOS A COMPREENSÃO.

Polícia desmente o boato de um carro preto sequestrando crianças no Recife


Um boato de que um carro preto estaria sequestrando crianças no Recife e Região Metropolitana se espalhou rapidamente pelas redes sociais. A história ganhou força na semana passada, no bairro de Dois Unidos. Algumas crianças saíram de casa sem avisar e logo os pais de uma delas teriam começado a espalhar que o filho foi sequestrado. Os pequenos fazem parte de um projeto social de uma igreja evangélica, que mensalmente corta os cabelos dos participantes de forma gratuita.

Alguns moradores do bairro disseram que as crianças teriam sido levadas em um carro preto. Vários áudios e textos contando como as ações teriam ocorrido começaram a circular pelas redes sociais. Nas mensagens, histórias de que seriam quatro homens num carro preto, que estavam sequestrando crianças para um ritual de bruxaria que aconteceria no dia 28 de outubro. Os sequestros, de acordo com os textos e mensagens de voz, estavam acontecendo no Recife (Várzea), Olinda (Jardim Fragoso), Abreu e Lima, Camaragibe, São Lourenço da Mata e Paulista.

É fake news

De fato, algumas crianças foram levadas, mas pelo integrante do projeto social de uma igreja evangélica de Dois Unidos. Ele é responsável pelo corte de cabelo e teria dado uma carona para as crianças até o templo. Parte do grupo que foi levado estava indo ao projeto pela primeira vez e não teria avisado aos pais aonde estava no momento.

Por conta da falsa história narrada pela internet, principalmente em grupos de WhatsApp, o cabeleireiro começou a ser ameaçado por pessoas que acreditaram que aquilo era verdade – de que ele seria um dos sequestradores. Além disso, o homem teve a foto divulgada, bem como a placa do veículo que usava em benefício do projeto.

A Delegacia do Alto do Pascoal ficou responsável pelo caso e esclareceu o ocorrido. “Foi um mal-entendido. A pessoa foi ajudar no corte de cabelo das crianças e alguém que não estava sabendo começou a espalhar que era sequestro. Hoje temos uma pessoa inocente e já está sendo divulgado placa do carro, além de foto dele. Há até pessoas que querem fazer justiça com as próprias mãos”, disse o delegado Flávio Tau. Ele ainda lembrou que espalhar as famosas fake news pela internet é crime. Quem faz esse tipo de prática está sujeito a penas impostas pela justiça.

Por: OP9

Comentários

Publicidade