Publicidade
ESTE BLOG ESTÁ EM REFORMA. AGRADECEMOS A COMPREENSÃO.

Instituto de Olhos do Recife alerta população sobre doença silenciosa que pode levar à cegueira

Dia nacional de combate ao glaucoma: avanço da doença pode ser evitado com consulta ao oftalmologista e exames preventivos

Nesse sábado, 26 de maio, o Instituto de Olhos do Recife (IOR) comemorou o Dia Nacional do Glaucoma, alertando à população sobre a doença que afeta 4,5 milhões de pessoas no planeta, sendo a segunda causa de cegueira no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, o glaucoma acomete mais de um milhão de pacientes com idade acima de 40 anos. “A estimativa é que, até 2020, mais de 11 milhões de pessoas sejam afetadas pela doença e percam a visão”, comenta o oftalmologista Roberto Galvão Filho, especialista em glaucoma no IOR.

A data lembra a população da necessidade de ir regularmente ao oftalmologista para se submeter a exames, pois a forma da doença que responde por 80% dos casos é silenciosa e não causa dor ou apresenta outros sintomas. “Ainda não sabemos quais são as causas que provocam esta doença degenerativa do nervo óptico. Mas, ela é normalmente associada ao aumento da pressão intraocular e, se detectada no início, pode ser controlada”, explica Galvão Filho.

Segundo o oftalmologista, corre mais risco de ter a doença quem passou dos 40 anos, tem histórico familiar da doença, hipertensão arterial, diabetes, além de pacientes com alto grau de miopia e pressão ocular elevada. Quem se enquadra nesses grupos deve ir ao oftalmologista uma vez ao ano. “As mulheres geralmente são diagnosticadas mais precocemente, porque elas vão com maior frequência ao oftalmologista. Já os homens, como vão ao médico só quando têm algum sintoma ou desconforto na visão, acabam descobrindo o glaucoma em estágios mais avançados e isso prejudica o tratamento”, comenta Galvão Filho.

O Glaucoma é assintomático e, segundo a OMS, 80% dos casos não tratados evoluem para cegueira. “A perda visual só ocorre em fases mais avançadas. Mas é importante ficar alerta, porque se o tratamento não for realizado logo no início a cegueira é irreversível”, alerta o médico. As consultas com o oftalmologista devem ser periódicas. “Antes dos 40 anos, o paciente deve ir a cada dois ou máximo quatro anos. Após essa idade, a revisão deve ser feita uma vez por ano ou, no máximo, a cada dois anos”, explica Galvão Filho.

COLÍRIOS - Há diversas possibilidades de tratamento. “Inicialmente, usamos colírios que controlam 85% dos casos. Quando isso não funciona, o paciente é submetido a uma cirurgia com laser ou tradicional, que tem altos índices de sucesso”, diz Galvão Filho. Segundo o médico, o maior avanço cirúrgico, nos últimos anos, são dispositivos intraoculares de redução da pressão. “Implantamos esses microtúbulos dentro do olho para que eles redirecionem e potencializem o fluxo de saída do líquido intraocular, reduzindo a pressão”, explica. Embora o glaucoma não tenha cura, com o diagnóstico precoce e o acompanhamento adequado, pode ser controlado e o paciente pode levar uma vida normal e plena.

Serviço:
Dr. Roberto Galvão Filho
Instituto de Olhos do Recife – IOR
(81) 2122-5000 (Espinheiro)
www.ior.com.br

Comentários

Publicidade