Publicidade

Teste de virgindade é critério de admissão na polícia da Indonésia, denuncia a HRW


A organização humanitária Human Rights Watch (HRW) exigiu, nesta terça-feira, que a polícia da Indonésia suspenda os testes de virgindade aplicados às candidatas a agentes - uma prática considerada discriminatória.

As mulheres que desejam ser policiais no maior país muçulmano do mundo devem ser solteiras e virgens, segundo a HRW.

Os testes de virgindade continuam sendo praticados na Indonésia, embora as autoridades policiais neguem a prática.

Entrevistadas pela HRW, várias mulheres relataram ter passado por este tipo de prova neste ano, evocando lembranças dolorosas e humilhantes.

Os agentes as obrigaram a se despir diante de médicas que as submeteram ao "teste dos dois dedos", uma prática arcaica e muito criticada, acrescenta a ONG.

"Não quero lembrar dessa experiência. Foi humilhante", diz uma mulher de 19 anos que foi submetida ao teste em Pekanbaru, na ilha de Sumatra. "Porque temos que ficar nuas na frente de desconhecidos? Não é necessário. Isso tem que acabar".

Para a HRW, tais exames infringem as próprias diretrizes da polícia em matéria de recrutamento - sem mencionar dos direitos à igualdade, à privacidade e à não discriminação.

O assunto virou manchete no ano passado, quando uma autoridade do setor de educação sugeriu que as adolescentes em idade escolar também deveriam se submeter a testes de virgindade para entrar no ensino médio.

Da AFP

Comentários

Publicidade