Publicidade

Não faltará água em Baixo Guandu e em Colatina (ES), garante ministro

Gilberto Occhi destaca que as ações do governo federal nos dois municípios do estado são preventivas.

Brasília-DF, 16/11/2015 - O ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, garantiu nesta segunda-feira (16/11) que o abastecimento de água nos municípios de Baixo Guandu (ES) e de Colatina (ES) não será interrompido. “Não faltará água nessas duas cidades. O que pode haver é uma diminuição da oferta e uma adequação do abastecimento por conta da captação no Rio Doce”, explicou o ministro, durante entrevista coletiva em Colatina.

Gilberto Occhi participou de uma reunião de trabalho com o governador do Espírito Santo, Paulo Hartung, e membros do governo estadual. A pauta principal foi relacionada às medidas em andamento para viabilizar um sistema alternativo para fornecimento de água aos moradores dos municípios. O ministro ainda sobrevoou a região para acompanhar os trabalhos e avaliar a situação do Rio Doce no estado.

O ministro destacou que as ações do Governo Federal em Baixo Guandu e em Colatina são preventivas. Ele reforçou que a primeira cidade não é mais dependente do Rio Doce. “Já está pronta uma adequação para captação do Rio Guandu”, afirmou. Além disso, cisternas e reservatórios estão sendo implantados no município, onde há carros-pipa disponíveis e mais de 100 homens do Exército Brasileiro.

Em Colatina, estão sendo perfurados seis poços, há carros-pipa e foram instalados reservatórios de 20 mil litros nos pontos mais altos da cidade. Também está em avaliação a instalação de adutoras de engate rápido para coleta de água bruta nas lagoas do Limão e Batista.

Abastecimento em Governador Valadares

A Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec) do Ministério da Integração Nacional (MI) anunciou o restabelecimento do abastecimento de água, por distribuição convencional, no município de Governador Valadares (MG). Desde domingo (15/11) à tarde, o tratamento e a distribuição de água para a população começou a ser normalizado. O munícipio foi um dos afetados pelo rompimento da barragem de minério em Mariana (MG).

A medida foi adotada com base na redução do grau de turbidez e na análise realizada no laboratório da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa MG). O laudo da empresa registra que não há contaminação química, por materiais pesados ou qualquer substância que impeça a utilização da água do Rio Doce para o consumo humano. Segundo o secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, Adriano Pereira, a medida se estende às demais cidades que fazem captação de água no mesmo rio.

Assessoria de Comunicação Social do Ministério da Integração Nacional.

Comentários

Publicidade