Publicidade />

Paulo Afonso-BA: Cabo de contenção é cortado em ação criminosa e baronesas voltam a invadir Prainha


Pouco mais de um mês depois do primeiro rompimento, na noite desta segunda-feira (18), o cabo que sustentava a barreira de contenção voltou a se partir causando o retorno das baronesas na margem do rio no Balneário Prainha.

Assim como no mês passado, quando as baronesas voltaram à margem do rio devido ao primeiro rompimento da contenção, que segundo a prefeitura de Paulo Afonso foi cortada por vândalos, agora a administração municipal afirma que pela segunda vez, “o cabo de contenção das baronesas foi cortado em ação criminosa ontem à noite, o que resultou na passagem das baronesas.”, diz comunicado enviado ao portal PA4.COM.BR pela equipe da Assessoria de Comunicação.

“O secretário de Meio Ambiente Francisco Alves de Araújo (Chico) está reunido e a equipe de emergência já está em ação com homens e máquinas na Prainha para fazer o mutirão da limpeza. A prefeitura de Paulo Afonso está prestando queixa na delegacia para que o caso seja investigado pela autoridade competente. A Prefeitura reitera o seu compromisso em retirar as plantas que chegam à margem e já está tomando as providências para restauração do cabo de contenção.”, explicou.

Em 2018, quando o problema da proliferação das plantas aquáticas teve início, a gestão municipal realizou algumas ações para retirar as plantas aquáticas para não prejudicar a visitação ao local, incluindo a barreira de contenção, implantada a 200 metros da margem.

Ainda de acordo com a prefeitura, o local sofre diretamente com a chegada das plantas aquáticas, vindas de várias localidades e que têm ponto final a principal localidade de banho e lazer para pauloafonsinos e turistas.

Há exatamente uma semana, antes desse segundo rompimento, Chico informou que foi feito um deslocamento do cabo da ancoragem da rede de contenção.

“A gente tem dado um suporte aos quiosqueiros que estão preocupados com o volume das plantas. Uma parte do barramento cedeu, mas de prontidão, criamos um deslocamento ao lado da BA-210, para que os homens e as máquinas possam trabalhar e iniciar a retirada das baronesas”, afirmou.

“A barreira de contenção das baronesas no Balneário Prainha, com 500 metros de extensão, foi implantada em maio de 2018, a 200 metros da área de banho. “Nossa meta é não deixar que os donos de quiosques fiquem no prejuízo, afinal de contas, muitos tiram o sustento daquela atividade. A gestão não está medindo esforços para que tanto os comerciantes, quanto o rio estejam aptos e preparados para os visitantes”, disse o secretário, em matéria publicada pela prefeitura de Paulo Afonso no último dia 11 de fevereiro.

Por PA4.COM.BR

Comentários

Publicidade