Publicidade

Petrolândia: Visualização da imponência das ruínas da igreja de Barreiras é único ponto positivo da redução das águas de Itaparica

Igreja da Velha Barreiras, para sempre em nossa memória (Fotos: Petrolândia Ontem, Hoje e Sempre) 
A Igreja do Sagrado Coração de Jesus nunca foi concluída, mas suas ruínas resistem a todas as condições adversas, há quase 30 anos. 
As ruínas da Igreja servem hoje, além de âncora de nossas lembranças, como um marco de nível para o lago de Itaparica. Foto de 2011. (Reprodução Facebook Cézar Cavalcante)
Ruínas em 2012 (Foto: Assis Ramalho)
Em 2013, as ruínas em nova imagem (Reprodução Facebook Cézar Cavalcante)
2014: com as águas mais baixas, uma antiga caixa d'água volta a aparecer na superfície, à direita da imagem (Foto: Assis Ramalho)

Esta é a situação atual, em imagem do final de agosto de 2015. Note a caixa, à direita, já bastante visível (Reprodução Facebook Cézar Cavalcante)

O contingenciamento das águas do rio São Francisco, com vazão continuamente reduzida, desde 2013, sem previsão alguma de volta à normalidade, provoca grande aflição ao coração de quem tem consciência do que estamos atravessando, principalmente diante da expectativa de o El Niño, fenômeno climático estimado como um dos mais fortes das últimas décadas.

Um dos efeitos desse fenômeno cíclico para a região Nordeste é o agravamento da estiagem e da seca, que já vivemos atualmente e ela também é considerada uma das piores, em mais de 50 anos. Caso se concretizem as previsões dos meteorologistas, de endurecimento das condições climáticas entre dezembro/2015 e fevereiro/2016, será uma queda seguida de coice. Atualmente, toda a economia de Petrolândia e região já se vê abalada, pela crise institucional que engessou o país.

O único ponto positivo da redução das águas do lago de Itaparica, represa do São Francisco para a Usina Hidro-Elétrica Luiz Gonzaga, é a possibilidade de revermos as ruínas da Igreja do Sagrado Coração de Jesus, ainda imponente e majestosa, apesar de passados quase 30 anos da inundação da velha Petrolândia, eternamente amada e relembrada.

Redação do Blog de Assis Ramalho

Comentários

Publicidade