quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Petrolândia: Adriana Professora, candidata à prefeitura, é destaque no ''Por que quero ser vereador/prefeito da minha cidade''


Dando sequência ao quadro ''Por que quero ser vereador/prefeito da minha cidade'', espaço aberto pelo Blog de Assis Ramalho aos mais de 120 candidatos a vereadores e candidatos a prefeitos de Petrolândia e, também, a candidatos de outras cidades, que desejem expressar sua opinião, veja o histórico da candidata a prefeita, professora Adriana Araújo (PT) da Frente Popular de Petrolândia.

Sou ADRIANA GOMES DE ARAÚJO, nascida aos 14 dias de agosto de 1970, mulher, mãe, agricultora e professora agora também a primeira mulher candidata pela Frente Popular de Petrolândia na coligação PT-PSOL ao cargo de prefeita de Petrolândia, nasci da união de um baiano o Sr. Cornélio Gomes de Araújo (de Glória) e de uma pernambucana a Sr.ª Maria Joana de Araújo (de Caruaru), fui uma criança que cresceu numa comunidade rural junto aos meus sete irmãos (quatro meninas e quatro meninos), se observar bem, a paridade de gênero já estava presente desde a composição da família. (risos!).
Num certo momento da vida, minha família precisou fixar casa na cidade para que eu e meus irmãos pudéssemos estudar, mas sempre mantivemos a roça como a base de sustentação, durante a semana era meu pai quem cuidava da plantação e nos fins de semana eu e meus irmãos estávamos juntos na luta diária com a terra, desde muito cedo aprendi o valor do trabalho.

De minha mãe herdei a delicadeza e a firmeza de uma mulher que sempre se impôs diante do que lhe foi colocado na vida que feria sua condição de mulher, trabalhadora e mãe, do meu pai herdei o valor do trabalho, seu senso de justiça e o engajamento sindical e político.
Estudei em Petrolândia na Escola Maria Cavalcanti Nunes, da 1ª a 4ª séries e tive como professoras Vera de Adolfo, Mina e Socorro Sá, na Escola de Jatobá estudei o curso Técnico em Contabilidade e Magistério, me graduei em Pedagogia na UNEB- Campus VIII de Paulo Afonso e ainda fiz Pós-graduação em Educação e Ética Para Uma Cultura de Paz pela UESB-Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia de Vitória da Conquista-BA.
Mas foi na Igreja Católica que vivi minha primeira experiência social e comunitária, quando aos nove anos me preparando para a primeira comunhão com a querida e inesquecível líder religiosa Dona Bezinha, que para mim sempre foi uma inspiração por sua dedicação e postura firme de Mulher.
Minha formação religiosa como leiga e como noviça na Congregação Franciscana sempre foi entrelaçada com a formação sócio-política, onde agradeço a orientação sempre dada por D. Adriano na época, bispo de Diocese de Floresta.
Em minha trajetória, ainda fiz parte em conselhos municipais, onde se pode destacar o Conselho da Merenda Escolar como vice-presidente, denunciando naquela oportunidade ao Ministério Público diversas irregularidades desse atual governo, também o Conselho da Criança e do Adolescente e o Conselho do FUNDEB.
No Movimento Sem Terra (MST) colaborei como professora e militante na conquista das agrovilas do PA 1 e PA 2 (9 agrovilas) no período de 1999 a 2004.
Sou professora de profissão e filiada ao SINPRO nas lutas pelas conquistas dos direitos das professoras e professores.
Estudiosa dos documentos da Igreja e da CNBB, entre a Teologia da Libertação que parte da premissa de que o Evangelho exige a opção preferencial pelos pobres e O Papel do Leigo na Sociedade.
Minha luta mais ferrenha, com certeza, é a minha condição de mulher nesse torrão de coronéis onde ainda predomina o poder dos homens, sempre me posicionei de maneira firme para valorização do pensar e do decidir da mulher, inclusive na Igreja. Sempre aproveitei os espaços escolares, sociais e religiosos para discutir a condição da mulher.
Em 2015, por vontade dos demais servidores públicos municipais, ajudei a criar o SINSEMP - Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Petrolândia e fui eleita e empossada como a primeira presidente do mesmo.
O que mais me encanta e dá prazer na vida é colaborar, ver e sentir os vários movimentos sociais, sindicais e religiosos (os que trabalham na libertação social do nosso povo) crescendo e desenvolvendo em nosso município. Percebo que hoje em Petrolândia as várias categorias de trabalhadores já começam a enfrentar seus opressores e já se conscientizaram que quem tem poder é a CLASSE TRABALHADORA UNIDA EM SINDICATOS E ASSOCIAÇÕES. Entre tantos homens tenho orgulho de ter sido escolhida para representar este projeto para trazer Petrolândia de volta ao povo de Petrolândia e encorpada por todos esses companheiros e companheiras dos segmentos sociais, sindicais e os cidadãos.
Esta sou eu ADRIANA GOMES DE ARAÚJO, com coragem trago eu e meus amigos para essa caminhada para que o desenvolvimento, de uma vez por todas, chegue a nossa amada Petrolândia.
Deixo minhas saudações, um enorme abraço e um beijo no coração de cada homem, mulher, criança e idoso desta cidade que não perdeu as esperanças no progresso!

PROFESSORA ADRIANA ARAÚJO


0 comentários:

Postar um comentário