quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Petrolândia: ''Oposição não tem o que mostrar e faz palanque da privatização da Eletrobrás e da Chesf'', diz ministro em entrevista à Web Rádio Petrolândia

Entrevista foi concedida na manhã desta quinta-feira (04) ao radialista e blogueiro Assis Ramalho, no programa 'Acordando com as Notícias', em transmissão ao vivo pela Web Rádio Petrolândia (Fotos: Lúcia Xavier).


Durante entrevista ao vivo ao radialista e blogueiro Assis Ramalho, no programa "Acordando com as Notícias", transmitido pela Web Rádio Petrolândia, na manhã desta quinta-feira (04), o ministro de Minas e Energia, deputado federal licenciado Fernando Bezerra Coelho Filho, mandou seu recado aos que o criticam pelo projeto de privatização da Eletrobras, para o qual tem dois projetos de lei, e, por extensão, da Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf). Em resposta a ouvintes que enviaram suas perguntas por whatsapp, Fernando Filho defendeu a privatização como a melhor maneira de garantir um programa de eficiente de revitalização do Rio São Francisco, além de rebater e "alfinetar" os críticos.

“Não falta gente para atirar pedra, gente que nunca deu uma palavra em favor do Rio São Francisco, que nunca deu uma palavra em favor das empresas de energia. Agora, são os maiores defensores das empresas de energia e do rio, dizendo que está tudo bem e que tem de continuar como está. Vá ver como está o rio, que não está tudo bem e não pode continuar como está. No ano passado, os perímetros de irrigação em Petrolândia tiveram de fazer rodízio em dia de quarta-feira, porque não tinha água suficiente. Ninguém quer vender o Rio São Francisco, isso é conversa de gente que nunca defendeu a Chesf e agora está vendo uma oportunidade, próximo de uma eleição, de poder se beneficiar politicamente dizendo que defende o rio. Como exemplo, eu posso dizer que nos governos passados, de Lula, de Dilma, diversas usinas foram vendidas e nunca teve essa discussão que esses rios foram privatizados ou não. O Estado de São Paulo tem mais de trinta usinas hidrelétricas e você só tem duas ou três na mão do Estado, todas são privadas. Se você privatizar uma usina, o que é que vão fazer? Vão levar a usina para o país deles, Não tem como mudar [de lugar] uma usina. Quem determina a vazão do Rio São Francisco não é a Chesf, é a Agência Nacional de Águas (ANA) ”, afirmou o ministro.

Fernando Filho também foi direto em relação a indicações políticas que acontecem nessas estatais, sugerindo que os posicionamentos contrários à privatização decorrem desse fato. Também disse que não cabe ao governo federal deter o controle da empresa.

“O governo tem pouco dinheiro e muito problema. Não é papel do governo ter empresa de energia para deputado, senador, governador estar indicando (nomes). Isso é para governo estar cuidando de educação, de segurança, de saúde. É isso que a gente deveria estar debatendo. Quando uma empresa dessa vai mal e dá prejuízo, o que é que tem acontecido, todos nós pagamos com nossos impostos os custos das más decisões. Lembrando que no setor elétrico brasileiro o controle e a regulação continuam na mão do Estado. Agora, não é papel do governo ter uma empresa de energia nos tempos de hoje”, frisou o ministro.

Ele lembrou ainda que, pelos próximos 30 anos, o Velho Chico receberá, independente de governantes, R$ 10 bilhões para a revitalização oriundos desse processo. Também disse que a proposta de privatização só vai ser encaminhada após o recesso do Congresso.

''Nada na vida é 'prego batido e ponta virada'. Na verdade, o governo vai fazer essa proposição [de privatização da Eletrobrás] ao Congresso Nacional para se ter um debate. Neste momento o Congresso está de recesso, volta agora no dia 1º de fevereiro, e próximo ao retorno o governo vai enviar uma proposta de privatização da Eletrobrás'', antecipou ele.

Fernando Filho, que chegou ao estúdio da Web Rádio Petrolândia acompanhado do presidente da Câmara de Vereadores de Petrolândia, Delano Santos, e do vereador Dedé de França, além de comitiva que incluiu o superintendente regional da Codevasf em Pernambuco, Aurivalter Cordeiro, cumpre agenda durante toda a manhã de hoje em Petrolândia, em seguida dirige-se a Floresta. 

Na entrevista, o ministro também comentou a conjuntura política em Pernambuco para as eleições deste ano, fez duras críticas ao governo de Paulo Câmara - com quem rompeu-, afirmou que a família Coelho tem grandes possibilidades de sair com um candidato ao governo de Pernambuco, e também falou de assuntos relativos a Petrolândia. Segundo Fernando Filho, o município de Petrolândia já foi beneficiado com mais de R$ 3 milhões, por meio de suas emendas parlamentares. O Blog de Assis Ramalho vai publicar uma nova matéria sobre esses temas.

REUNIÃO COM LIDERANÇAS - O ministro Fernando Filho chegou a Petrolândia na noite dessa quarta-feira (03), recepcionado em jantar de confraternização no Restaurante Donna Júlia, com a participação de empresários e lideranças políticas da cidade Veja abaixo fotos e vídeo do encontro.


Fotos e vídeo: Assis Ramalho





Redação do Blog de Assis Ramalho
Fotos e vídeo: Assis Ramalho


0 comentários:

Postar um comentário