Publicidade

Comissão da Alepe aprova Semana Estadual de Combate ao Mosquito Aedes aegypti

Iniciativa visa estimular debates, palestras e materiais informativos sobre doenças provocadas pelo mosquito. (Foto: João Bita)

O crescente número de casos de dengue, associados à eclosão da epidemia de zika e chikungunya, tem impulsionado a Assembleia Legislativa a viabilizar medidas que possam ajudar no enfrentamento a essas doenças. Nesta quarta (6), o Projeto de Lei nº 724/2016, de autoria do deputado Joaquim Lira (PSD), que institui a Semana Estadual de Combate ao Mosquito Aedes aegypti, foi aprovado na Comissão de Administração Pública. O objetivo da proposta é aumentar o nível de informações sobre o desenvolvimento do inseto e as formas de combatê-lo.

A proposta prevê que a iniciativa acontecerá na semana do dia 13 de fevereiro, que é o Dia Nacional de Combate ao Aedes aegypti. A expectativa é de que, durante os sete dias, a população tenha acesso a debates, palestras e materiais informativos sobre as doenças provocadas pelo mosquito. Também há a previsão do firmamento de convênios nesse sentido com outros órgãos públicos e com a iniciativa privada.

Segundo boletim divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde na última terça (5), este ano, o número de notificações de dengue já chegou a 50.030 (com 7.232 casos confirmados e 5.755 descartados) em Pernambuco. Uma morte foi confirmada em Caruaru, na Região Agreste. Já a chikungunya foi registrada em 164 dos 185 municípios pernambucanos, com 340 casos confirmados. Nove pessoas morreram vítimas da doença. Identificada pela primeira vez no Brasil em abril de 2015, a zika contabiliza 7.900 notificações no Estado, com 16 casos confirmados. Já a microcefalia teve 303 confirmações. De acordo com a secretaria, a relação entre o vírus da zika e a má-formação foi detectada em apenas 129 casos.

Presidente da Comissão de Administração, Ângelo Ferreira (PSB) avaliou como positiva a aprovação do projeto, relatado no colegiado pelo deputado Zé Maurício (PP). “Tudo o que contribuir para a educação, a discussão e a divulgação de informações sobre essas doenças é de grande importância”, pontuou.

Ainda na reunião desta quarta, que resultou na aprovação de cinco proposições e distribuição de outras 11, Ângelo Ferreira convocou o colegiado para audiência pública sobre a Arena Pernambuco. O debate será realizado na próxima segunda (11), às 10h, e vai contar com a presença do procurador-geral do Estado, Antônio César Caúla. “Ele vai tratar sobre a rescisão do contrato e todo o procedimento adotado pelo Estado com base na análise desenvolvida pela Fundação Getúlio Vargas”, destacou o parlamentar.

Alepe

Comentários

Publicidade