Publicidade

AL: Vereadores de Joaquim Gomes deixam Casa de Custódia em Maceió

Vereadores de Joaquim Gomes deixam a Casa de Custódia II (Foto: Fabiana Mutiis/G1)

Os sete, dos oito vereadores do município de Joaquim Gomes, interior de Alagoas, presos sob suspeita de receber propina em troca de apoio ao prefeito afastado Antônio de Araújo Barros (PSDB), o “Toinho Batista”, deixaram a Casa de Custódia, na tarde desta quinta-feira (16). O ex-secretário de Saúde, Ledson da Silva, também foi libertado. Parentes dos políticos aguardavam do lado de fora e alguns jornalistas chegaram a ser hostilizados. Os vereadores não quiseram falar com a imprensa.

A revogação da prisão temporária foi proferida pela 17ª Vara Criminal da Capital. Segundo informações da assessoria de comunicação da Secretaria de Ressocialização e Inclusão Social (Seris), a vereadora Teresa Cristina (PSDB), que estava em uma ala do presídio Santa Luzia, aguarda o término de uma audiência para saber se será liberada.

Segundo o advogado Cristiano Barbosa, que defende o presidente da Câmara de Vereadores, Antônio Gonzaga Filho (PSL), faltaram requisitos primordiais para que os vereadores fossem presos. “Com todo respeito ao Gecoc, nós achamos que o pedido de prisão foi precipitado. Prende primeiro, depois apura?”, questiona o advogado.



O defensor do vereador Cícero Almeida Lira, Adriano Monteiro, diz que o próximo passo é reunir os advogados de todos os políticos na tentativa de reverter a decisão da Justiça de afastar os vereadores dos cargos.

Afastados dos cargos

Os oito vereadores investigados por receber dinheiro para apoiar o prefeito afastado de Joaquim Gomes foram temporariamente afastados dos cargos. Segundo o colegiado de juízes da 17ª Vara Criminal da Capital, que atendeu ao pedido do Ministério Público Estadual, os vereadores devem ficar sem mandato eletivo até o fim das investigações de suspeita de corrupção.

Desta forma, ficam sem mandatos eletivos os vereadores Edivan Antônio da Silva (PPS), Antônio Gonzaga Filho (PSL), Edvaldo Alexandre da Silva Leite (PPS), Cícero Almeida Lira (PPS), Adriano Barros da Silva (PRP), Antônio Márcio Jerônimo da Silva (PR), Antônio Emanuel de Albuquerque de Moraes Filho (PR), o Maninho, e Tereza Cristina Oliveira de Almeida (PSDB). No lugar deles, devem assumir a função, segundo a decisão, os vereadores suplentes.

Entenda o caso
Oito vereadores e o ex-secretário de Saúde de Joaquim Gomes, Ledson da Silva, foram presos na quarta-feira (8), sob suspeita de participar de um esquema de corrupção para apoiar o prefeito afastado de Joaquim Gomes, Toinho Batista (PSDB). Em depoimento, segundo o MP, todos eles negaram que o dinheiro recebido do secretário tratava-se de propina.

Alguns dos suspeitos e o ex-secretário aparecem em vídeos gravados sem que eles soubessem em transações dentro de um carro. Nas imagens, Silva entrega dinheiro aos vereadores, que segundo o MP seria a propina paga pelo prefeito afastado. A promotoria investiga também se a câmera foi instalada no carro utilizado pelo ex-secretário a mando do prefeito.

G1 AL

Comentários

Publicidade