segunda-feira, 25 de abril de 2016

Dilma avalia antecipação de eleições, mesmo vencendo no Senado


Dilma Rousseff durante discurso na ONU em que mencionou crise no Brasil

A presidente Dilma Rousseff reconhece que, caso vença o julgamento final do impeachment no Senado, pode ser obrigada a abraçar proposta de antecipação da eleição presidencial para este ano. A cúpula nacional do PT, contudo, tem pressionado o Palácio do Planalto a apoiar a iniciativa antes, após o eventual afastamento temporário da presidente do cargo.

Em conversas reservadas, a presidente admite que, após ficar até 180 dias afastada e ser substituída por Michel Temer, suas condições de governabilidade se tornariam "as piores possíveis".

Na avaliação de interlocutores do Planalto, ela só teria uma "mínima chance" de voltar ao cargo após o afastamento caso o vice-presidente se revele um fracasso no período de interinidade.


Nas palavras de um assessor presidencial, caso Temer demonstre um "mínimo de competência" para administrar a crise, torna-se completamente inviável o retorno da petista ao cargo.

Para não constranger a presidente, o comando petista decidiu paralisar neste momento, antes da votação de admissibilidade do impeachment, a defesa da proposta. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem dito a aliados e assessores que a decisão de pregar a tese antes da primeira votação deve partir de Dilma, não dele.

VALDO CRUZ
GUSTAVO URIBE
DE BRASÍLIA

Nenhum comentário:

Postar um comentário