sábado, 31 de janeiro de 2015

Waldemar Borges não responde o que interessa a Pernambuco


Por Silvio Costa Filho
Novo líder da Bancada de Oposição 

Sempre que recebe uma crítica da Bancada de Oposição de Pernambuco, o líder do Governo, Waldemar Borges, tenta fazer entender que não estamos contribuindo com o debate.

Parece, ao final, que ele quer transferir a responsabilidade da gestão para a oposição.

Curioso é notar que, ao mesmo tempo em que tenta minimizar nosso papel, o líder do Governo se esforça com respostas longas, mas que não respondem o fundamental: Por que o Governo de Pernambuco deixou o sistema prisional de nosso Estado chegar à mais completa falência?

Não é de hoje que notícias sobre a precariedade e o desmantelo de nossas penitenciárias vêm à luz. O que se pergunta é: porque o Governo do Estado esperou que a situação chegasse a este ponto? Se o deputado Waldemar Borges puder nos dar esta resposta, teremos uma evolução.

Se ele quiser propostas, podemos sugerir, por exemplo, que se convoquem os agentes penitenciários concursados e que se promova a valorização desta categoria profissional que neste sábado (31) inicia uma operação padrão nos presídios, em função das péssimas condições de trabalho que enfrentam.

A oposição está atenta ao seu papel e contribuindo sim com o debate, caro líder do Governo. E a primeira contribuição é a convocação da audiência pública, para que o tema saia dos gabinetes do Palácio do Campo das Princesas e ganhe a efetiva contribuição da população e de instituições que, não é de hoje, denunciam o caos que existe em nossas penitenciárias.

Por fim, parece que o líder do governo possui algum tipo de obsessão por minha passagem pela Secretaria de Turismo e pela vice-liderança do Governo na Assembleia Legislativa do Pernambuco.

Quero lembrar que, em reconhecimento ao meu trabalho, recebi do ex-governador Eduardo Campos e do próprio Waldemar Borges o convite para ser vice-líder do Governo. Isto logo após minha passagem pela Secretaria de Turismo.

Foi muito importante ter desempenhado estes papéis nas duas gestões de Eduardo, servindo a um governo que estava alinhado no plano federal às gestões do ex-presidente Lula e da Presidente Dilma.

Como a História pode registrar, não fomos nós que mudamos de lado. Desde 2006, e até hoje, mantemos o compromisso de marchar com Lula e Dilma, contribuindo com os avanços do Brasil e de Pernambuco. O PSB é que precisa explicar porque mudaram de caminho, aliando-se a outro projeto nacional.

Nós, da Bancada de Oposição, estaremos sempre atentos e abertos ao debate, sobre qualquer tema de Pernambuco. Na segurança pública, no turismo, saúde, educação, entre outras áreas fundamentais para a gestão, como o Lafepe, a Copergas, a Ceasa, a Fundarpe, a Funase e Suape.

Temos tempo e temos disposição.

Nenhum comentário:

Postar um comentário