Publicidade

Homem mata mulher e filha, de 4 anos, a facadas e comete suicídio em Minas Gerais


Uma tragédia marca este sábado em Araguari, no Triângulo Mineiro. Uma ocorrência de duplo assassinato seguida de suicídio mobilizou equipes de resgate e policiais durante a madrugada na região do Bairro Bosque, no centro da cidade. Um homem matou a filha de 4 anos, a esposa e se matou em seguida a facadas. 

O casal era de Uberlândia. O homem foi identificado pela Polícia Militar (PM) como Thiago José Aquino Marques, de 39 anos. Ele era proprietário de um restaurante em Uberlândia. A esposa é a obstetra Mariana Barbosa Paranhos, de 33. A criança se chamava Valentina Paranhos Aquino.

O crime ocorreu por volta das 3h30 na Rua Marechal Deodoro, altura do número 80. “Esse cidadão deslocou em seu veículo Corolla, colidiu várias vezes no muro de duas residências, em seguida esfaqueou a criança, esfaqueou a esposa, depois propriamente se esfaqueou”, informou um bombeiro da cidade por meio de um áudio enviado à imprensa pelo WhatsApp.

Segundo a PM, consta no boletim de ocorrência que, pela descrição da perícia, Valentina foi a primeira a ser ferida, com uma facada no tórax. Ela estava na cadeirinha. Thiago ainda tentou atropelar Mariana na rua, desceu do carro e correu atrás dela, que chegou a entrar em uma casa. A mulher foi esfaqueada no alpendre da residência. Foram constatadas 12 perfurações. Já Thiago foi achado na calçada, após se esfaquear quatro vezes também no tórax.

Ele e a filha ainda apresentavam sinais vitais e foram levados para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Araguari, onde morreram. O caso foi encaminhado à Delegacia de Polícia Civil da cidade.

O Corpo de Bombeiros foi chamado pela Polícia Militar e ajudou no atendimento. “Segundo o pessoal, esse agressor chamou a atenção pela batida. É uma área residencial com muros baixos. Ele saiu batendo nas muretas”, disse o sargento Fernandes, da corporação. O militar diz que a casa onde Mariana se escondeu é uma das que tem grades baixas, por isso ela conseguiu pular.

O subtenente Adailton Ferreira de Carvalho, do 53º Batalhão da Polícia Militar de Araguari, deu mais detalhes do caso. Segundo ele, a médica fazia plantão na Santa Casa nesta madrugada. Thiago teria chegado ao local com a menina no carro e pediu que Mariana fosse chamada, mas ela mandou um recado por uma enfermeira de que não poderia sair porque estava em atendimento. “A enfermeira voltou ao carro e ele mandou falar pra ela que a Valentina estava passando mal. Ela falou que não queria falar com ele, que poderia ser invenção. De cinco a sete minutos depois, ela foi lá no carro e eles escutaram os pneus cantando”.

Uma chamada que chegou pelo 190 dava conta de que havia uma mulher correndo ferida, com uma das mãos na barriga, e um carro tentando atropelá-la. Quando os policiais chegaram ao local, encontraram as vítimas na situação descrita no BO.

“Pelo que tive notícia aqui, ele já tinha tentado suicídio uma vez”, comentou o subtenente Adailton. O militar disse não ter recebido relatos de episódios violentos entre o casal em outras ocasiões. Além da faca usada no crime, os celulares do casal foram apreendidos. Os corpos foram encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) de Araguari, onde passaram por necrópsia.

A Universidade Federal de Uberlândia (UFU) divulgou uma nota lamentando as mortes de Mariana e da filha Valentina neste sábado. “Mariana era residente em Ginecologia e Obstetrícia do Hospital de Clínicas de Uberlândia (HCU/UFU). A UFU é solidária à dor de familiares e amigos”, publicou a instituição em seu site.

O corpo do empresário Thiago foi sepultado no final da tarde deste sábado, no Cemitério Bom Pastor, em Uberlândia. Os sepultamentos dos corpos de Mariana Paranhos e da filha dela, Valentina, que chegaram a serem marcados também para a tarde deste sábado, a pedido da família, foram transferidos para às 10 horas deste domingo, no Cemitério São Pedro. Os corpos da mãe e da filha mortas na tragédia familiar em Araguari são velados desde o início da tarde deste sábado, no Velório da Funerária Ângelo Cunha, na Avenida Getúlio Vargas (Bairro Daniel Fonseca), em Uberlândia, com grande acompanhamento.

O crime de Araguari está sendo investigado pela Polícia Civil da cidade, que levanta elementos que possam esclarecer a tragédia. Os celulares das vítims serão periciados. A responsável pela apuração é a delegada Paula Fernanda Oliveira, da Delegacia de Orientação e Proteção da Família. De acordo com a Polícia Civil local, ela vai prestar esclarecimentos sobre a investigação no início da próxima semana.

Por: Estado de Minas

Comentários

Publicidade