terça-feira, 12 de junho de 2018

Assassinato de vereador em Pernambuco teve mandante, intermediário e dois executores, diz polícia

Vereador Luiz dos Passos foi morto em maio de 2018 (Foto: Polícia Civil/Divulgação)
Policiais apresentaram, nesta terça-feira (12), informações sobre a investigação da morte do vereador Luiz dos Passos, ocorrido em maio deste ano, no Grande Recife (Foto: Polícia Civ)il/Divulgação

A Polícia Civil de Pernambuco informou, nesta terça-feira (12), que o assassinato do vereador de Igarassu, no Grande Recife, Luiz Cavalcanti dos Passos (Podemos), em maio deste ano, foi um crime de encomenda. Segundo a corporação, a ordem para matar seguiu três níveis diferentes de "hierarquia". A investigação aponta um mandante, um agenciador e dois executores, que foram presos em flagrante.

A informações foram repassadas durante entrevista coletiva, na sede da Polícia Civil, no Centro do Recife. A corporação informou ter identificado o intermediário do crime, Cleydson Henrique Morais Monteiro, conhecido como Playboy. Agora, procura o responsável pela contratação desse homem, apontado como o mandante do crime.

O delegado Abraão Didier, responsável pela investigação, afirmou que três das quatro pessoas envolvidas no crime participaram por causa de dinheiro. "O que falta delinear é quem contratou, quem pagou e qual o motivo do crime", afirmou.

Didier confirmou, ainda, a informação recebida pela Polícia Militar de que os dois homens presos receberiam R$ 15 mil pela execução do vereador. "O terceiro contratado ficaria com R$ 10 mil e a quarta pessoa ficaria com R$ 5 mil", diz.

A possível motivação do homicídio, no entanto, não foi divulgada para não comprometer as investigações. "Não podemos mencionar nada ainda, mas já finalizamos o inquérito referente aos três homens já identificados e remetemos à Justiça e ao Ministério Público", alega Didier.

Funções dos criminosos

Segundo as investigações da Polícia Civil, o mandante do crime, ainda desconhecido, fez a contratação de Cleydson Henrique, que ficou responsável por estudar a rotina do vereador e por contratar outro criminoso para cometer o assassinato.

Essa terceira pessoa é Abraão Francisco da Silva, 34 anos, que, por sua vez, contratou um quarto homem, Edvaldo Alves da Silva, 24 anos. Ele é fugitivo do presídio de Canhotinho, no Agreste, e foi chamado para atirar na vítima. Dias antes do crime, Edvaldo rompeu a tornozeleira eletrônica de monitoramento, segundo a polícia.

Para a Polícia Civil, essa prática de "quarteirizar" o crime foi uma forma encontrada para dificultar a identificação do mandante. "As investigações estão prosseguindo para chegarmos até essa pessoa", afirma o delegado Magno Feitosa.

Segundo a polícia, Playboy tem envolvimento em seis assassinatos. Três deles foram cometidos em parceria com Abrãao, um dos homens presos por executar o vereador. Edvaldo é o outro detido.

Entenda o caso

Luiz Cavalcanti dos Passos foi sequestrado e assassinado no dia 16 de maio. Horas após o crime, policiais militares encontraram um carro que teria sido utilizado durante o sequestro. No interior do veículo, foi apreendido um revólver calibre 38 com três munições.

Em seguida, as equipes localizaram dois suspeitos de cometetem os crimes. Os dois homens, ambos com passagem pelo sistema prisional, foram presos. Um deles foi reconhecido por testemunhas e o outro confessou ter cometido o homicídio.

Segundo a PM, os dois homens receberiam R$ 15 mil pelo crime. A informação foi repassada no momento da prisão da dupla, que não informou aos policiais, durante o flagrante, quem seria o mandante do homicídio.

O velório ocorreu na Câmara dos Vereadores de Igarassu. O corpo do vereador foi sepultado no cemitério do município. Luiz Cavalcanti deixou esposa, sete filhos e seis netos. A Prefeitura de Igarassu decretou luto de três dias.

Por G1 PE


0 comentários:

Postar um comentário