Publicidade

Projeto Venda de Peixe Vivo promove comercialização de peixes frescos na região norte do Piauí

Foto: Codevasf/Divulgação

Peixes frescos com excelente qualidade e preço justo estão sendo comercializados em feiras livres de municípios da região norte do Piauí. A ação é fruto do “Projeto Venda de Peixe Vivo”, desenvolvido pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), em parceria com a vigilância sanitária e secretarias municipais de saúde. Os municípios atendidos pela ação são: Parnaíba (onde as feiras são realizadas aos sábados), Joaquim Pires (às terças e sextas), Luzilândia (às quartas, quintas, sábados e domingos), Murici dos Portelas (às quartas) e Caxingó (às sextas e sábados).

A iniciativa visa apoiar a comercialização do pescado, principalmente a tilápia, produzido nos projetos de piscicultura apoiados pela Codevasf na região. A ideia é fornecer ao consumidor um produto de qualidade, com preço justo, além de contribuir com o aumento da receita dos produtores a partir da venda direta.

Nas barracas do projeto, os consumidores têm a oportunidade de escolher o peixe vivo que deseja, acompanhar o abate do pescado, a descamação e a evisceração. Entre os tipos de cortes oferecidos no local estão: tilápia inteira eviscerada, tilápia tronco, tilápia em posta, filé de tilápia com ou sem pele, filé de tilápia tipo borboleta e tilápia tipo churrasco. Os mariscos, a manjuba e o camarão pescado pelas produtoras da Associação das Marisqueiras e Filetadeiras de Luís Correia, entidade apoiada pela Codevasf no Piauí, também estão sendo comercializados nas barracas do projeto.

“O projeto Venda de Peixe Vivo incrementou as feiras livres dos municípios onde foram instalados, oferecendo peixes abatidos de forma adequada, dentro de rígidos padrões higiênicos e sanitários. Esses peixes são oferecidos em seis tipos diferentes de cortes à escolha dos consumidores”, destaca Flávio Mizael, chefe do Escritório de Apoio Técnico da Codevasf em Parnaíba. “Isso tem permitido que a população consuma um produto de qualidade e saudável”, finaliza Mizael.

Em Joaquim Pires, os pescadores da Associação de pescadores do bairro Guarita encontraram um novo local para comercializarem a produção.
“Antes, a gente não tinha como comercializar o peixe e dependia de atravessadores, era muito complicado. Agora, nós podemos vender o nosso peixe na feira e já temos obtido bons resultados. Os produtores que estão vendendo já conseguem ver uma melhora de vida porque já dependem da venda da feira. Está sendo uma nova fonte de renda para o grupo”, avalia Francisco Borges de Lima, membro da associação.

A parceria envolve a capacitação das pessoas beneficiadas, bem como o atendimento das condições sanitárias e da manipulação dos produtos, observando os materiais, utensílios e equipamentos de proteção individual utilizados, como mesas de evisceração, luvas, facas, aventais, botas, tocas, entre outros.

Apoio à piscicultura

Atualmente, existem 27 projetos de piscicultura apoiados pela Codevasf no estado, sendo 25 em tanques-rede. Entre os municípios atendidos pelos projetos estão: Bocaina, Campo Maior, Joaquim Pires, Luzilândia, Parnaíba, Uruçuí, Piracuruca, Murici dos Portelas, Sigefredo Pacheco, Paulistana, Patos do Piauí, Itaueira, Jardim do Mulato, Guadalupe, São Francisco do Piauí e Conceição do Canindé.

“A piscicultura vem se destacando no nosso estado, inclusive pelo aumento da renda daqueles que trabalham com essa atividade. Nós temos 25 projetos de piscicultura com o apoio e o acompanhamento da Codevasf, dentre eles o projeto Venda de Peixe Vivo, desenvolvido, principalmente, na região norte do estado. Essas ações de apoio da Codevasf têm fomentado a aquicultura comunitária, atuando como base de apoio ao desenvolvimento da agricultura nos municípios de atuação da empresa no Piauí”, ressalta o superintendente regional da Codevasf, Inaldo Guerra. “A empresa tem fornecido equipamentos, ração e alevinos para unidades demonstrativas de pescados e tem capacitado e prestado acompanhamento técnico a pequenos produtores, incentivando o associativismo e o corporativismo nas comunidades rurais”, finaliza.

Assessoria de Comunicação e Promoção Institucional da Codevasf

Comentários

Publicidade