Publicidade

Falta de salva-vidas foi marcante para mortes em piscina de hotel em Boa Viagem

Mulher natural de Serra Talhada foi encontrada morta em piscina de hotel em Boa Viagem

Polícia Civil e o Instituto de Criminalística (IC) divulgam, até a próxima terça-feira (29), o resultado das investigações de duas mortes ocorridas na piscina de um hotel, em Boa Viagem, Zona Sul do Recife. Nos dois casos ocorridos neste mês de março, o do turista paulista Bruno Ribeiro, 20 anos, e da serratalhadense Anne Trindade, 31 anos, há um fator comum. De acordo com o delegado Carlos Couto, responsável pelas ocorrências, faltou um salva-vidas na área de lazer do estabelecimento. E isso teve grande importância para os óbitos.

A ausência de salva-vidas fere uma norma estadual. A lei n° 15.240, de 19 de março de 2014, determina que em piscinas de uso coletivo é obrigatória a presença de guarda vidas durante os horários de utilização para o público. "Art. 1º Considera-se obrigatória a permanência de guarda vidas durante os horários de utilização nas piscinas de uso coletivo em escolas privadas, clubes sociais, associações e demais estabelecimentos ou instituições congêneres".
Durante a investigação, Carlos Couto contou com o apoio do IC. Na avaliação dele, questões técnicas precisavam ser esclarecidas. Foram realizadas três vistorias na piscina. “Estivemos no hotel na quinta-feira (24), na sexta e no sábado. Esse trabalho foi determinante para a investigação”, informou o policial.

Couto revelou que no caso do turista paulista a polícia ouviu testemunhas. Constatou, por exemplo, quem ele não sabia nadar. Na morte de Anne Trindade, explica o policial, houve outro fator importante: “Ela havia ingerido bebidas alcoólicas e isso ficou provado pelas notas do bar do hotel”, observou.

Na época do primeiro incidente, o G1 procurou o Recife Monte Hotel para saber se havia guarda vidas no momento do incidente, mas não obteve retorno.

A reportagem entrou em contato novamente para falar sobre as duas mortes e, novamente, a direção do estabelecimento preferiu não se pronunciar.

G1 PE

Comentários

Publicidade