quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Reeducandos concluem cursos profissionalizantes e miram o mercado de trabalho

Fotos: Ray Evllyn/SJDH

Para garantir que os egressos do sistema penitenciário ganhem uma profissão e não retornem à vida criminosa, nesta segunda (08), um grupo de 102 reeducandos da Região Metropolitana do Recife que cumprem pena no regime aberto concluíram cursos profissionalizantes. A qualificação profissional foi oferecida pelo Governo de Pernambuco, por meio da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH). A iniciativa é fruto de uma parceria entre a SJDH e a Associação Brasileira de Desenvolvimento Econômico e Social (ABDESM).

Os cursos profissionalizantes foram de pedreiro revestidor, encanador e eletricista predial. Os alunos concluíram 80 horas/aula entre teóricas e práticas e receberam fardamento, material didático, lanche e o custeio das passagens. Os apenados são acompanhados pelo Patronato Penitenciário, órgão ligado à SJDH, responsável por acolher e acompanhar o cumprimento de penas no regime aberto e livramento condicional. As aulas ocorreram na sede do Patronato.

Para o superintendente do Patronato Penitenciário, Josafá Reis, “investir na educação destes reeducandos possibilita que eles não voltem a cometer crimes e tenham a dignidade resgatada, já que estão aptos a trabalhar”, pontua.

“Atualmente já presto serviço em uma empresa, e com a conclusão deste curso pretendo me efetivar. Me sinto seguro para atuar no mercado mesmo com as dificuldades que enfrento por ser ex-detento”, conta o reeducando José Humberto, 43, que concluiu o curso de pedreiro revestidor.

A aula de encerramento também contou com a presença do diretor da instituição suíça AdventStiftung, Giuseppe Carbone, que anunciou a doação de kists com materiais de trabalho que vão auxiliar os reeducandos na mão de obra. Os kits têm ferramentas como trena, alicates, luva, serra e martelo. “Estamos colaborando para que essas pessoas tenham uma vida melhor. Depois de finalizar esses cursos, elas terão equipamentos para poder trabalhar e mesmo que elas não atuem em empresas, podem empreender”, frisa Carbone.

A AdventStiftung, através do projeto “Viva Melhor” é parceira da SJDH na ampliação de qualificação profissional de reeducandos do regime aberto e dos que ainda estão encarcerados em unidades prisionais.

Empregabilidade – Para assegurar que os egressos voltem a trabalhar, a SJDH tem firmado parcerias que visam a empregabilidade desses apenados. Atualmente, quase 800 ex-detentos trabalham através de convênios. As prefeituras de Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes e Paulista são algumas das instituições aliadas.

SJDH


0 comentários:

Postar um comentário