sexta-feira, 21 de setembro de 2018

No Recife, Alckmin declara apoio à candidatura de Armando e diz que "Bolsonaro elege o PT" no 2° turno


Geraldo Alckmin e Aldo Rabelo participaram de evento da Uninassau (Foto: Paulo Paiva/DP)

Em passagem pelo Recife, o candidato à Presidência da República Geraldo Alckmin (PSDB) foi o entrevistado desta sexta-feira (21) no debate promovido pela Rádio Jornal. O tucano foi questionado, entre outras coisas, sobre a carta feita por Fernando Henrique Cardoso, fundador e presidente de honra do seu partido, com relação a uma possível aliança de centro contra "candidatos radicais" no segundo turno. Para Alckmin, "a primeira tarefa é ir para o segundo turno".

Os jornalistas presentes também fizeram questão de indagar Alckmin sobre alguns candidatos a governador, que estão aliados ao PSDB, mas que não prestam o devido apoio à sua candidatura, como é o caso de Armando Monteiro (PTB) em Pernambuco.

O tucano reforçou que tem Armando como seu candidato no estado e elogiou o crescimento do postulante na última pesquisa de intenção de voto. Lembrado sobre o episódio que ocorreu na última visita a Pernambuco - quando Armando não acompanhou o presidenciável em ato de campanha -, Alckmin disse que não se incomodava com isso e que "cada estado tem uma realidade diferente. Em política não se obriga, se conquista".


Questionado sobre agendas políticas, o tucano prometeu priorizar a saúde pública. "É possível reduzir essa fila no Sistema Único de Saúde (SUS)". O candidato trouxe à tona exemplos de ambulatórios médicos especializados em São Paulo.

A polêmica envolvendo Bolsonaro e o seu conselheiro econômico Paulo Guedes também foi ressaltada pelo tucano. "Como é que pode? Mais um imposto?", criticou. Alckmin ainda disparou que o crescimento do presidenciável do PSL é "muito culpa" do Partido dos Trabalhadores (PT): "quando você radicaliza de um lado, radicaliza do outro".

Diante da realidade das últimas pesquisas, Alckmin se mantém fora do páreo do segundo turno - aparecendo na 4ª posição, com 9% das intenções da voto, de acordo com o Datafolha. Tendo em vista esse cenário, o tucano falou sobre o possível 2º turno entre Bolsonaro e Haddad. "Bolsonaro elege o PT, porque a rejeição dele é muito maior. É o único que perde para o PT", afirma.

Crítico ferrenho do Partido dos Trabalhadores, o candidato à Presidência pelo PSDB só reiterou os ataques. "O governo Dilma desorganizou totalmente a economia, levou o brasil a um déficit brutal" e disparou: "Nós chegamos onde chegamos por causa do PT".

Em seguida, Geraldo Alckmin cumpriu agenda em evento promovido pela UNINASSAU para tratar dos temas: cargas tributárias do Brasil e políticas para pessoas com deficiência.

Diário de Pernambuco


0 comentários:

Postar um comentário