Publicidade

Desapropriação é apontada como motivo de assassinato de prefeito na Bahia


Fernão Dias de Ramalho (PMDB) foi morto no centro de Macajuba.
Suspeito já foi identificado, mas está desaparecido desde o dia do crime.


A desapropriação de um terreno localizado próximo à prefeitura de Macajuba, a cerca de 280 km de Salvador, teria sido o motivo do assassinato do prefeito Fernão Dias de Ramalho Sampaio, do PMDB. A vítima foimorta a tiros no momento em que dirigia um carro perto da Igreja Matriz, na região central da cidade.

Na manhã desta segunda-feira (6), Jean Silva Souza, titular da 12ª Coorpin de Itaberaba, que investiga o caso, disse que o terreno desapropriado pertencia à família do suspeito. O crime ocorreu na quinta-feira (2) e o homem foi identificado pela polícia no mesmo dia. Ele ainda não foi localizado.

"A informação que nós temos é a de que a motivação decorreu do fato do prefeito ter feito uma desapropriação de um terreno vizinho à prefeitura, que pertencia à família do suspeito. Ouvimos testemunhas oculares, além de outras testemunhas que estiveram com o autor e confirmaram a motivação e autoria", informa Souza ao G1. A desapropriação ocorreu cerca de 15 dias antes do crime, disse o delegado.

Conforme o delegado, embora o suspeito esteja foragido, o carro dele e documentos pessoais foram encontrados no veículo de passeio utilizado no dia do crime. "O carro foi localizado e estava na casa de parentes do autor", disse. Um dia após o crime, o delegado responsável pela investigação informou que o suspeito mora no mesmo bairro da vítima. O corpo de Fernão Dias de Ramalho Sampaio foi cremado na manhã de sábado (4), no cemitério Jardim da Saudade, em Salvador.

Repercussão
Em nota, a União dos Municípios da Bahia (UPB) manifestou "indignação e repúdio" pelo assassinato "brutal e covarde" do prefeito. "Este é mais um ato da cultura revanchista e de selvageria que persiste em nossa sociedade perpetrado contra quem, no exercício do seu legítimo mandato, luta com interesse, dedicação e extremado amor pelo seu município", disse. "É inaceitável que uma barbárie como a ocorrida com o prefeito Fernão seja perpetrada com o argumento de que foram feridos interesses de particulares, em argumento frágil e despropositado. Estas são demonstrações da mais selvagem e bárbara violência, que banaliza a vida e que horroriza o país", completa. A nota foi assinada pela presidente da UPB, Maria Quitéria Mendes de Jesus.

G1 BA

Comentários

Publicidade