Publicidade

Novos investimentos da Codevasf incrementam apicultura no sertão pernambucano

Além de Araripina e Bodocó, os municípios de Moreilândia, Exu, Santa Filomena, Serra Talhada, Ibimirim, Belém do São Francisco, Dormentes, Carnaíba, Quixaba e Inajá também deverão ser contemplados com novos kits produtivos de apicultura por meio da Codevasf.

Os municípios de Araripina e Bodocó, no sertão do Araripe, em Pernambuco, são os mais novos beneficiados com a ação de inclusão produtiva da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), por meio da entrega de kits produtivos, visando incrementar a apicultura. Os kits são formados por colmeias completas com melgueiras, cera, indumentários e utensílios. Somados, os investimentos nas duas cidades ultrapassam R$ 500 mil e são provenientes da Secretaria de Desenvolvimento Regional do Ministério da Integração Nacional (SDR/MI), no âmbito das ações de Inclusão Produtiva do Plano Brasil Sem Miséria do governo federal.

A entrega dos kits a produtores de Araripina e Bodocó, bem como de equipamentos para a Unidade de Extração do Mel do Sítio Riacho Fundo, no município de Araripina, contou com a presença do superintendente regional da Codevasf no estado, João Bosco Lacerda de Alencar.

“Sentimos a satisfação do produtor quando recebe o kit. É uma repercussão muito positiva na vida das pessoas. Muita gente tem vontade de produzir, de fazer um melhoramento na sua cadeia produtiva, seja na caprinovinocultura, seja na da área de apicultura, mas não têm o incentivo, então a Codevasf chega e dá o incentivo, além de levar a capacitação para melhorar o conhecimento na atividade”, explicou o superintendente.

João Bosco ressaltou ainda que a Unidade de Extração do Mel do Sítio Riacho Fundo está adequada às exigências sanitárias e legais para a prática da atividade. “A unidade já é adequada para receber o SIF, que é o selo de certificação do Ministério da Agricultura. Tem toda a parte sanitária, isso faz com que o produtor se organize e produza um mel de boa qualidade”, disse.

A intenção da Codevasf com esse incentivo é ampliar a produção e consequentemente fazer com que esse apoio leve o mel do Araripe para os mercados interno e externo. “É um investimento que futuramente mudará a realidade das pessoas da região e dos demais municípios que forem contemplados com esses investimentos”, frisou o gerente de revitalização das bacias do rio São Francisco, Elijlama Augusto Beserra.

Melhoria na produção

A ação chega para mudar a vida de gente como Elias Alves de Souza, um dos mais de 50 produtores beneficiados com os kits em Araripina. Aos 79 anos, seu Elias tem na apicultura uma forma de exercer uma atividade produtiva e, assim, agregar renda dentro de casa. Ele iniciou a atividade em 1995 quando foi formada a Associação dos Apicultores do Riacho Fundo. Agora, produzindo com equipamentos mais adequados que vêm sendo entregues pela Codevasf, seu Elias diz que vai incrementar a atividade que vem sendo modernizada com o apoio da Companhia.

“Esses kits vão beneficiar muito, principalmente ajudar a aumentar a nossa produção. Essa é a nossa esperança, pois o que tiramos daqui vai ajudar na lavoura, no criatório de caprinos que a gente cuida também e ai é mais uma coisa que aparece. É mais um ponto de renda”, declarou o apicultor, com um sorriso de satisfação, ao receber os kits da Codevasf.

Segundo Mária Ferreira, presidente da Unidade de Extração de Mel do Sítio Riacho Fundo, a intenção é que a produção seja ampliada com as chegadas dos kits e que mais famílias passem a ter na apicultura a fonte de renda. “Vamos poder aumentar a nossa produção, trazendo renda para esses pequenos produtores rurais que alternam seu orçamento familiar com a atividade de apicultura. Isso fará com que eles tenham uma melhoria de vida”, registrou a presidente.

Mária diz que além de ser beneficiada com a ação da Codevasf, a comunidade pretende com esse apoio colocar a marca do mel da região fora do país. “Vamos beneficiar a comunidade que vai se desenvolver e levar o produto com nossa marca para o mercado nacional e internacional. Com os equipamentos vamos melhorar a produção e escoá-la por meio da cooperativa da qual já fazemos parte para que o mel possa ser realmente visto como mel do Araripe. Anteriormente o nosso produtor era conhecido como mel de outros estados. Então esse é um investimento que nos dá essa possibilidade de desenvolvimento rural para a toda a região”, comemorou.

O presidente da Associação Apícula e Ambiental de Bodocó, Romildo da Silva, ressaltou, no ato de entrega dos mais de 30 kits de apicultura a produtores do município, que a Codevasf tem um papel de grande importância para melhorar a qualidade e ampliar a produção do mel regional e, assim, consolidar o arranjo produtivo local (APL) da apicultura no sertão do Araripe pernambucano.

“Queremos uma nova Casa de Mel e mais equipamentos para que possamos ampliar a nossa atividade em nosso município e no Araripe como um todo. Só em nossa região são três associações prontas para produzir e exportar esse mel”, afirmou.

Edvan Alves de Souza, presidente da Associação dos Apicultores do Sítio Nascente do Mel, em Araripina, que também recebeu colmeias, contou que foi a Codevasf que ajudou a desenvolver a apicultura na região. “Esse foi um dos grandes apoios. Precisamos agora de capacitação técnica para atualizar nossos produtores. Aqui a gente produz em média de 10 a 12 mil quilos por ano”, disse o produtor.

Profissionalização

Com a Unidade de Beneficiamento de Mel do Sítio Riacho Fundo, em Araripina, o presidente da Associação dos Produtores Rurais do Sítio Riacho Fundo, Edilson Silva, afirmou que a atividade passará a ser cada vez mais profissionalizada.

“Temos uma melhor higienização, um melhor trato com o produto. Já possuímos o selo da agricultura familiar, e vamos ter o selo da segurança alimentar para poder comercializar para o exterior. Com esses equipamentos, sem sombra de dúvidas, vamos trabalhar para alavancar o desenvolvimento regional”, disse Edilson.

O trabalho da Unidade de Extração do Mel atenderá mais de 30 associados, mas o projeto vai desenvolver em torno de 60 famílias, na região de Riacho Fundo e Nascente. A intenção dos produtores é fazer o desenvolvimento local e ganhar nome para o produtor que já é bem quisto no mercado e sair com a marca do mel extraído na comunidade.

“Não só daqui como de outras cidades da região que desenvolvem a mesma atividade e vem recebendo projetos similares. Todas estão se organizando, se fortalecendo numa central de negócios para a comercialização. Não é só produzir. É importante se capacitar para a comercialização também, porque não adianta estocar o produto e mais tarde a gente entregar a atravessadores que vão deixar o preço baixo e, ainda por cima, não vão levar o nome dessas localidades para a comercialização”, salientou Edilson. “Esse é um dos maiores apoios já recebidos em nossa comunidade. Enxergamos as dificuldades e procuramos a Codevasf, que nos atendeu e vem nos apoiando”, completou o produtor e dirigente comunitário.

De uma produção que chegou a 20 mil toneladas em 2014, com a expectativa dos kits entregues, Edilson acredita que será possível atingir cerca de 100 mil toneladas com a produção do mel na comunidade, se tiver um bom inverno.

O analista da Unidade Regional de Desenvolvimento da Codevasf, em Petrolina (PE), Antônio Paulo Lopes disse que agora a meta é ampliar os apoios para mais municípios receberem o incentivo, seja com os kits produtivos ou com a implantação das Unidades de Extração do Mel. “Daremos continuidade junto aos municípios que já possuem produtores cadastrados”, explicou.

Nessa lista entram municípios como Moreilândia, Exu, Santa Filomena, Serra Talhada, Ibimirim, Belém do São Francisco, Dormentes, Carnaíba, Quixaba e Inajá, que deverão ser contemplados com novos kits produtivos de apicultura por meio da Codevasf.

Fonte: Codevasf

Comentários

Publicidade