domingo, 27 de outubro de 2013

Dilma declara “guerra” a Pernambuco


Após ter perdido o apoio do PSB e a amizade que tinha com o governador Eduardo Campos, a presidente Dilma Rousseff resolveu declarar “guerra” a Pernambuco.

Em primeiro lugar, aceitou a exoneração, a pedido, de dois pernambucanos que trabalham no seu governo: Fernando Bezerra Coelho (ministro da Integração) e João Bosco Almeida (presidente da Chesf).  Depois, “fechou as torneiras” para o Porto de Suape, restringindo as verbas que seriam destinadas às obras de dragagem.

Por último, determinou ao ministro dos Transportes, César Borges, que rebatesse a declaração do governador de que a União ainda deve R$ 200 milhões a Pernambuco referente à duplicação da rodovia BR-232.

Segundo o governador, a rodovia foi duplicada no governo de Jarbas Vasconcelos com o dinheiro da venda da Celpe. Como se trata de uma estrada federal, a União ficou de cobrir parte da despesa, mas não o fez.
O governador disse também que até hoje Pernambuco não recebeu oficialmente a estrada porque há pendências jurídicas envolvendo os consórcios que fizeram a duplicação.

A versão do ministro é diferente. Segundo ele, ficou decidido no governo de Jarbas que 40% das despesas com a duplicação ficariam com a União e os outros 60% com o governo de Pernambuco. O Estado é que estaria inadimplente com o governo federal, fato que teria sido constatado por uma auditoria da CGU.
Essa estrada seria entregue à Odebrecht, mediante concessão, pelo prazo de 25 anos. Mas houve tantos questionamentos ao modelo – “concessão sem pedágio” – que o governador desistiu de levar o processo adiante, tendo optado pela recuperação da rodovia como obra pública comum. Deverão ser gastos na recuperação cerca de R$ 400 milhões.

Fonte: Blog de Inaldo Sampaio

Nenhum comentário:

Postar um comentário