segunda-feira, 11 de junho de 2018

Empresário paga R$70 mil para matar concorrente após rixa no Sertão de PE, afirma polícia

O delegado Bruno Vital (foto), responsável pelo inquérito policial, diz que os empresários tinham um desentedimentos pessoais já algum tempo por problemas ligados à atividade gesseira

A Polícia Civil de Pernambuco apresentou nesta segunda-feira (11) o resultada da investigação sobre a morte de um empresário do Polo gesseiro de Araripina, no Sertão do estado. Segundo a investigação o dono da fábrica Padrão Gypsum, Geraldo Antônio do Nascimento, 46, foi assassinado em fevereiro deste ano, a mando do também empresário Samuel Medeiros Lima, 48, concorrente direto da vítima na região. A morte teria sido encomendada por R$ 70 mil. Samuel teve mandado de prisão decretada e está recolhido na cadeia pública de Afogados da Ingazeira.

O delegado Bruno Vital, responsável pelo inquérito policial, diz que os empresários tinham um desentedimentos pessoais já algum tempo por problemas ligados à atividade gesseira. "“Geraldo levantou a bandeira da regularização, o que envolve dinheiro e mexeria com os ativos das empresas. Houve também um acontecimento entre ambos em uma propriedade rural, onde eles eram quase vizinhos. Os animais de Geraldo apareceram mortos, e ele atribuia as mortes a Samuel. Então a rixa que já existia em virtude da atividade empresarial se intensificou”, falou em coletina nesta manhã para a Imprensa, na sede da Polícia Civil, no Recife.

A polícia informou que também já conseguiu prender Francisco Leandro Silva, 32, acusado de fornecer detalhes sobre a rotina da vítima e emprestar a arma usada no crime. Francisco Leandro foi identificado durante as invesrtigações e localizado em Campina Grande, na Paraíba. "Quando os policiais se deslocaram até lá, ele fugiu para Caruaru, mas terminamos prendendo ele", disse o delegado. Os executores do crime também já foram identificados pela polícia e estão sendo procurados.

Por Diário de Pernambuco


0 comentários:

Postar um comentário