segunda-feira, 11 de junho de 2018

Carro pega fogo após dono usar isqueiro para verificar vazamento

Veículo teve perda total. Corpo de Bombeiros alerta para o risco de usar objetos que podem gerar faíscas nestes casos.

Um morador de Dores do Indaiá, no Centro-Oeste de Minas Gerais, por pouco não foi vítima de um grave acidente por conta de um descuido no fim da tarde de domingo.

O proprietário do Siena disse que havia acabado de abastecer o veículo e, ao chegar em casa, na Rua Guajajaras, percebeu um forte cheiro de gasolina. Segundo o Corpo de Bombeiros, ao se abaixar para verificar um possível vazamento, ele acendeu um isqueiro e as chamas atingiram o veículo, que estava dentro da garagem. 

O homem não se feriu, mas as chamas destruíram o carro. Um caminhão-pipa da prefeitura foi levado ao local para ajudar a apagar o resto das chamas.

O tenente Herman Ameno, do Corpo de Bombeiros, explica que em caso de qualquer anormalidade no veículo a orientação é para que o proprietário procure uma oficina mecânica autorizada. “No caso específico, nunca fazer uso de aparelhos, não só instrumentos que utilizem fogo, mesmo lanternas podem causar faíscas”, explica o militar. Segundo ele, até mesmo tentar iluminar o local do vazamento com um celular pode ser perigoso.

“Em uma garagem, o combustível evapora, a atmosfera fica carregada com combustível e o simples fato de usar um isqueiro, lanterna ou interruptor pode gerar uma faísca que vai provocar um incêndio”, explicou o militar. Ainda segundo ele, se o tanque não estivesse completamente cheio, a presença de oxigênio ainda poderia ter contribuído para uma explosão.

“Se em um ambiente confinado, ele poderia abrir janelas para dispersar a atmosfera carregada de combustível. Isolar o local, afastar outros veículos e pessoas. Poderia também colocar um balde (sob o carro). Não é adequado, mas é uma situação emergencial”, disse. O tenente Herman também reforça que é fundamental evitar ações precipitadas e que, diante de um caso semelhante, a orientação é ligar para o Corpo de Bombeiros no número 193.

Estado de Minas/Diário de Pernambuco


0 comentários:

Postar um comentário