Publicidade

Audiência pública na Alepe discute gestão de recursos hídricos no semiárido

Fotos: Ivaldo Reges

O documento consolidado será encaminhado à Câmara Federal e ao Senado para subsidiar as bancadas pernambucanas na articulação com os ministérios que desenvolvem ações de convivência com a estiagem


Parlamentares, prefeitos e representantes de movimentos sociais ligados ao mundo rural participaram na manhã de hoje (16) de audiência pública, na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), com o secretário estadual de Agricultura e Reforma Agrária, Nilton Mota. Em pauta, a escassez de chuva e a gestão dos recursos hídricos em Pernambuco.

A sessão foi mediada pelo presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária e Política Rural, o deputado estadual Miguel Coelho. Durante o encontro foram pontuadas as ações exitosas, os projetos andamento e as dificuldades encontradas pelas entidades ligadas ao mundo rural.

De acordo com o Nilton Mota, o Estado não irá trabalhar para combater a estiagem, mas irá aprender a conviver com o fenômeno climático com planejamento, integração e com a participação ativa dos envolvidos no assunto. "Precisamos buscar soluções mais sólidas para esse problema que atinge não só Pernambuco, mas o Nordeste e o Brasil" explicou.

Ainda segundo ele, a assinatura do decreto que torna permanente o Comitê Integrado de Convivência com a Estiagem, assinado pelo governador Paulo Câmara na semana passada, reafirma a o compromisso do Governo do Estado em pensar não só emergencial, mas de forma preventiva promovendo ações de curto, médio e longo prazo.

A Secretaria de Agricultura e Reforma Agrária (SARA) recebeu o apoio integral dos parlamentares presentes no plenário. Eles garantiram atuar mais fortemente, apoiando os projetos e ações estruturantes para o semiárido. "A intenção do Palácio Joaquim Nabuco é de unir-se ao Estado para fazer com que os projetos saiam do papel e venham a se tornar realidade", frisou o deputado estadual Zé Maurício.

Para o representante do Ministério da Integração Nacional e da Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), José Machado, é preciso superar as divergências e pensar no futuro. "O Nordeste tem a mesma força que o Sudeste para solicitar recursos da União. É só querer" assegurou.

A audiência contou, ainda, com a participação de representantes do Denocs, Embrapa, Compesa, APAC e Faepe, de prefeitos e vereadores de municípios pernambucanos e de estados vizinhos, além de representantes das Comissões de Desenvolvimento Econômico e de Meio Ambiente de Pernambuco.

Secretaria de Agricultura e Reforma Agrária/Gerência de Comunicação

Comentários

Publicidade