sexta-feira, 6 de julho de 2018

Paulo Câmara minimiza recado de Lula sobre Marília Arraes

Governador de Pernambuco acredita que ainda há tempo para conversas entre o PSB e o PT e não descarta a hipótese de que pode ser apoiado pelo ex-presidente.

O governador Paulo Câmara (PSB) minimizou, nesta sexta-feira (6), o impacto das declarações dadas pelo líder do Movimento dos Sem Terra, João Pedro Stédile, e pelo ex-presidente nacional do PT Rui Falcão, que visitaram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na carceragem a Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba (PR). Ambos saíram do encontro dizendo que Lula tinha mandado um recado para a militância do PT de Pernambuco, liberando engajamento na campanha de Marília Arraes ao governo do estado. Lula teria dito que, “se estivesse no PT de Pernambuco, estaria na campanha de Marília Arraes”. “Tem gente que gosta de falar, tem gente que é mais discreto. Eu prefiro ser mais discreto. Acho que, enquanto tiver conversas, não há porque ficar falando questões que, mais à frente, pode ser que não se confirmem”, declarou o governador.

Paulo Câmara informou que o presidente nacional do PSB e a presidente nacional do PT, respectivamente Carlos Siqueira e Gleisi Hoffmann, ainda tem um encontro na próxima semana, em Brasília, onde vão discutir se é possível ou não firmar aliança entre os dois partidos. O PSB local divulgou uma nota de apoio à pré-candidatura de Lula ao Palácio do Planalto, no último dia 29, mas a executiva nacional socialista não mudou de posição e mantém o diálogo com o presidenciável Ciro Gomes (PDT).

Questionado se essa indefinição não o incomodava, ele não passou recibo. “Ainda tem tempo para a gente discutir, o que eu sei é que a gente já construiu alianças importantes para 2018 com partidos que têm nos ajudado, o que a gente puder agregar até lá ótimo. Se não puder, vamos disputar com as nossas forças que sempre nos ajudaram nesse processo”, declarou.

Indagado se apoiaria Ciro Gomes, caso fosse essa a decisão majoritária do PSB, Paulo Câmara declarou que não costuma ser contrário às orientações do partido. “Normalmente, a gente tem que trabalhar em cima das orientações do partido. Eu não tenho histórico de ir em contrário ao que o partido determina. Mas, enquanto tivermos discussões internas, a gente vai discutir e ver o que é melhor para o partido, para o Brasil e para Pernambuco também”, declarou, após participar da inauguração do segundo módulo do centro cultural Cais do Sertão.

"Se estivesse no PT de Pernambuco, estaria na campanha de Marília Arraes", disse Lula


O líder do Movimento dos Sem Terra, João Pedro Stédile, visitou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na última quinta-feira (05), na carceragem da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba (PR), e saiu do encontro dizendo ter um recado de Lula para a militância do PT em Pernambuco. “Ele (Lula) disse um recado aos militantes do PT de Pernambuco: 'se eu estivesse no PT de Pernambuco, eu já estaria em campanha para Marília Arraes'”, afirmou Stédile, ao lado do ex-presidente nacional do PT Rui Falcão, a quem chamou de sua “testemunha”. Stédile falou sobre a pré-candidatura de Marília num momento em que as negociações com o PSB nacional seguem estagnadas.

A declaração foi comemorada pelos aliados de Marília, que compartilharam o vídeo nas redes sociais, porém vista como última cartada do cacique petista para pressionar o PSB nacional a apoiar sua pré-candidatura à Presidência da República. A legenda socialista no estado soltou nota dizendo que a campanha de Lula seria prioridade, mas o PSB nacional segue na articulação com o presidenciável Ciro Gomes (PDT).

Stédile falou sobre Marília Arraes, espontaneamente, sem ser provocado, praticamente no final da de um vídeo transmitido ao vivo. Um trecho da mensagem foi divulgada inicialmente pelo ex-presidente da CUT Carlos Veras, mas a íntegra está na página oficial de Lula no Facebook, após uma transmissão ao vivo. Antes de falar sobre Marília, o coordenador do MST disse que o ex-presidente seria “candidato ate as últimas consequências, custe o que custar”, e que uma caravana sairia do semiárido pernambucano para Curitiba no dia 26 de julho.

Rui Falcão foi um dos principais caciques nacionais do PT que veio a público defender a candidatura de Marília. Ele e Stédile abriram sorrisos, ontem, quando falaram sobre a petista e Stédile fez uma ressalva citada por Lula. Segundo ele, a campanha pró-Marília não é no sentido de “luta interna, mas no sentido de que o PT tem que criar vergonha e disputar com suas ideias”. Rui Falcão repetiu o que disse Lula. “Se eu estivesse em Pernambuco, como militante, eu já estaria em campanha pela Marília Arraes”.

Em 17 de maio passado, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad visitou Lula em Curitiba e saiu dizendo que o ex-presidente estava pensando no programa de governo e colhendo “boas ideias” e “vitrines” dos governos progressistas, entre eles o de Pernambuco. O PSB vinha sendo tratado como prioridade para o PT nacional sair do isolamento, a legenda estadual soltou nota defendendo que o partido priorizasse uma aliança nacional com Lula, mas não houve avanço.

Diário de Pernambuco


0 comentários:

Postar um comentário