Publicidade
ESTE BLOG ESTÁ EM REFORMA. AGRADECEMOS A COMPREENSÃO.

Serviço gratuito de SMS com alertas de desastres naturais chega ao Distrito Federal, Mato Grosso e Tocantins

Iniciativa coordenada pelo Ministério da Integração estará presente em todo o Centro-Oeste e no primeiro Estado do Norte. Objetivo é prevenir riscos e poupar vidas.

Os moradores dos estados do Centro-Oeste contam, a partir desta segunda-feira (19/2), com o sistema gratuito de alertas de desastres naturais por SMS. Distrito Federal e Mato Grosso passam a dispor do serviço, que já está em operação em Goiás e Mato Grosso do Sul, nesta que é a penúltima fase de implantação da novidade no país e inclui ainda Tocantins, o primeiro da região Norte. Em pleno funcionamento em nove estados, o sistema tem o objetivo de prevenir, orientando as pessoas quanto aos procedimentos que devem ser adotados diante do risco de inundações, alagamentos, temporais ou deslizamentos de terra, entre outras ocorrências.

“A última fase, que ativa o serviço no Nordeste e nos demais estados da região Norte, terá início na semana seguinte (26/2). Agilizamos para que todo o país esteja coberto até março pelo sistema de alertas”, informa o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho. A iniciativa é coordenada pelo Ministério, em parceria com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e com as operadoras de telefonia móvel.

Como funciona – A partir de segunda-feira, todos os telefones celulares ativos nos dois estados e no DF receberão uma mensagem de cadastro: “Defesa Civil Nacional informa. Novo serviço de envio de SMS gratuito com alertas em área de riscos. Para se cadastrar responda para 40199 com CEP de interesse”. Ao responder indicando o CEP, o celular do usuário está apto para receber alertas da Defesa Civil. É permitido cadastrar mais de um CEP. Caso não receba a mensagem, basta o morador seguir o procedimento e enviar o código postal para o telefone da Defesa Civil Nacional, o 40199.

Os alertas são gerados pelo Centro de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad) da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec), do Ministério da Integração, em parceria com os órgãos de Defesa Civil de estados e municípios, sempre que são identificadas situações de riscos em função de desastres naturais. A qualquer momento, se o usuário desejar, também é possível cancelar o serviço por mensagem de texto.

Prevenção para poupar vidas – “O serviço, inédito no Brasil, é totalmente gratuito e usa a tecnologia para informar a população de forma preventiva, com o objetivo de poupar vidas e diminuindo os impactos dos desastres naturais”, destaca o ministro Helder Barbalho. O diretor do Cenad, Élcio Barbosa, ressalta a importância da adesão ao serviço pelos moradores, para que se previnam em situações como as chuvas intensas de verão, por exemplo. “Assim, será possível a cada um conhecer os riscos e as medidas que devem ser adotadas diante de uma ameaça dessa natureza”, afirma.

Números – Desde o lançamento, em fevereiro de 2017, foram enviadas 1.966 mensagens por meio do sistema, informando sobre o risco de desastres. Como diversas vezes elas alcançam mais de uma localidade, o número de alertas enviados por municípios já chega a 67.795. Nos nove estados onde o serviço está ativo, já são 2,5 milhões de celulares cadastrados.

Histórico – O Japão começou a utilizar o alerta em 2007. Atualmente, mais de 20 países, entre eles o Canadá, Chile, Bélgica e Filipinas contam com serviços semelhantes. Agora, Japão e Brasil mantêm parceria para troca de conhecimento em caso de desastres naturais. No Brasil, o sistema foi testado durante seis meses em 25 cidades de Santa Catarina e Paraná, atendendo a mais de meio milhão de usuários de telefonia móvel. Em 26/2, no início da última fase, a população do Norte e Nordeste poderá se cadastrar para recebimento dos alertas, quando todo o país estará coberto pela novidade. Os nove estados que já oferecem o serviço são: Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, São Paulo, Paraná e Santa Catarina.

Assessoria de Comunicação Social
Ministério da Integração Nacional

Comentários

Publicidade