Publicidade
ESTE BLOG ESTÁ EM REFORMA. AGRADECEMOS A COMPREENSÃO.

Áudio de Marília Arraes vaza no Whatsapp após encontro de Lula e Paulo Câmara


Lançada como pré-candidata do PT em Serra Talhada, com a presença de nomes como a deputada estadual Teresa Leitão, e do presidente da CUT, Carlos Veras, a vereadora Marília Arraes não falou oficialmente sobre o aperto de mãos trocado entre o ex-presidente Lula (PT) e o governador Paulo Câmara (PSB) em São Paulo nesta última quinta-feira. Na ocasião, ambos se trataram como parceiros e selaram uma aliança entre os dois partidos para a eleições de 2018. Em Pernambuco, a reunião, que contou com a presença de Renata Campos, viúva de Eduardo Campos, foi vista como um aceno de Lula à candidatura de Paulo.

Um grupo de militantes petistas do WhatsApp, no entanto, vazou um áudio no qual a vereadora procura manter a tropa anima. Ela ressaltou que Lula se encontrou como o governador como estadista e está fazendo seu “papel nesse momento tão difícil da história”. Marília ressaltou, no entanto, que “O PT não vai ser tábua de salvação para governo ruim. Nós estamos na luta para disputar e ganhar a eleição”, declarou.

Em reserva, aliados de João Paulo e de Humberto dizem que Marília está trilhando um caminho sem afinidade com o projeto nacional de Lula. João Paulo, segundo dizem os mais próximos, só foi chamado para o evento de apoio a Marília, em Serra Talhada, no mesmo dia do evento e por Whatsapp.

A deputada estadual Teresa Leitão, vice-líder da oposição na Assembleia Legislativa, frisou que a base petista continua animada para disputar a eleição em raia própria e disparou. "João Paulo e Humberto estão no PT, mas não são o PT. Toda vez que eles se juntaram para decidir alguma coisa foi uma catástrofe", afirmou. Ela se referiu ao fato de os dois caciques terem articulado a reaproximação com o PSB.

Por: Diário de Pernambuco

Comentários

Publicidade