quinta-feira, 31 de maio de 2018

Polícia vai indiciar grupos envolvidos em bloqueios de vias em PE durante a greve dos caminhoneiros

Governador Paulo Câmara falou com a imprensa após reunião do Comitê de Monitoramento de Crise nesta quarta (30) (Foto: Ana Regina/TV Globo)

Ao menos quatro grupos envolvidos em bloqueios de vias durante a greve dos caminhoneiros foram identificados e vão ser indiciados pela Polícia Civil, segundo o chefe da corporação, Joselito Amaral informou nessa quarta (30). Até às 17h, o único ponto de obstrução em estradas em Pernambuco é em uma rodovia estadual em Ouricuri, no Sertão, segundo o governo do estado. (Veja vídeo acima)

Segundo Joselito Amaral, os manifestantes que foram identificados vão ser indiciados por diferentes tipos de crime, a depender das investigações. As infrações incluem obstrução de via pública, dano ao patrimônio público e uso abusivo de força, por exemplo.

“Desde o início do movimento, o setor de inteligência começou as investigações e isso vai subsidiar a Polícia Civil. Já temos identificação de pessoas e veículos utilizados durante a manifestação impedindo de certa forma o direito de ir e vir e o abastecimento da população, que foi quem mais sofreu”, disse Joselito.

Segundo o governador do estado, Paulo Câmara, a expectativa é de que a situação de desabastecimento de combustível e mercadorias causada pelas interdições no estado deve estar normalizada na primeira semana de junho.

"Temos uma meta para ter mais de mil caminhões saindo de Suape. Até as 17h, mais de 650 caminhões foram retirados, com um número bastante expressivo de caminhões de botijões de gás de cozinha de 13 quilos, que estavam praticamente inexistentes no comércio e nas cidades", afirmou Paulo Câmara.

Ainda segundo o governador, até domingo (3), postos de combustível em todas as cidades do estado devem estar abastecidos. Até as 17h desta quarta (30), metade do total de caminhões previstos para abastecer o Centro de Abastecimento e Logística de Pernambuco (Ceasa) chegou ao local carregados com alimentos.

Por G1


0 comentários:

Postar um comentário