segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

'Infelizmente aconteceu, mas eu não tive culpa', diz motorista suspeito de causar acidente que deixou 13 mortos na BR-251

O motorista contou que saiu do Recife com destino a Franca (SP) e que era a primeira vez que passava pelo trecho. Ele disse que era motorista de van escolar e está desempregado desde dezembro. O caminhoneiro afirmou ter ganhado R$ 200 para fazer a viagem que duraria cerca de 35h.

O motorista do caminhão suspeito de causar um acidente que matou 13 pessoas na BR-251, no Norte de Minas Gerais,afirmou que perdeu o controle do veículo ao tentar desviar de uma carreta que veio na direção dele. "Infelizmente aconteceu, mas eu não tive culpa", afirmou Daniel Alves da Silva, de 39 anos.

A batida aconteceu no sábado (13), envolveu sete veículos e deixou também 39 pessoas feridas – seis delas ainda internadas, além de Daniel. O motorista ainda não foi ouvido pela Polícia Civil, que vai instaurar um inquérito para investigar o caso. No dia do acidente, ele fez o teste do bafômetro, e o resultado foi negativo.

"Estava vindo tranquilo, eu tinha descansado e só lembro quando uma carreta veio para o meu lado. Eu tentei tirar, mas como o caminhão estava em cima [o veículo que Daniel dirigia carregava um caminhão], se eu puxasse muito, ele ia tombar. Em seguida, bati de frente no ônibus", relata o motorista.


Silva contou ao G1 que saiu do Recife com destino a Franca (SP) e que era a primeira vez que passava pelo trecho. Ele disse que era motorista de van escolar e está desempregado desde dezembro. O caminhoneiro afirmou ter ganhado R$ 200 para fazer a viagem que duraria cerca de 35h.

"Eu estava com o dono do caminhão, ele me chamou para revezar de motorista. Sou habilitado para conduzir caminhão há mais de 10 anos e nunca tinha me envolvido em um acidente", afirmou.

"Eu estava dirigindo há mais ou menos 6 horas e andava a cerca de 60 ou 70 km/h”, disse. O dono do veículo morreu no local do acidente e, segundo o motorista, ele estava sem o cinto de segurança.

Daniel Alves da Silva permanece internado em um hospital de Montes Claros. Ele quebrou o braço, passou por uma cirurgia e, segundo a unidade de saúde, deve ser submetido a outro procedimento cirúrgico. "Já fiz contato com a minha família e com a família do dono do caminhão. Estou aqui no hospital sozinho porque não tenho condições financeiras de trazer minha família", relatou.

Vítimas

As vítimas ainda internadas estão em hospitais de Montes Claros, Francisco Sá, Salinas e Taiobeiras. O estado de saúde delas é estável.

Os corpos dos 13 mortos já foram identificados no Instituto Médico-Legal de Montes Claros. O acidente envolveu um caminhão que carregava outro caminhão, dois ônibus, duas carretas e uma van.

Um dos ônibus era registrado em Catolé do Rocha, no sertão da Paraíba, e onze pessoas que viajavam no veículo morreram. Seis vítimas são de Catolé do Rocha, duas de Brejo dos Santos e duas são de Riacho dos Cavalos.

Por Juliana Peixoto e Marina Pereira, G1 Grande Minas


0 comentários:

Postar um comentário