quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Vereadores e presidente de câmara são investigados por esquema de servidores-fantasmas em PE


A operação Anticorrupção II, realizada pela Polícia Civil em Aliança, na Zona da Mata de Pernambuco, nesta quarta-feira (16), investiga a relação entre funcionários-fantasmas e seis vereadores da cidade, entre eles a presidente da câmara. Segundo o chefe da corporação, delegado Joselito do Amaral, o desvio de recursos públicos pode chegar a R$ 500 mil.

Em entrevista coletiva, na sede do Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (Draco), no Recife, Amaral informou que foram cumpridos 12 mandados de busca e apreensão.

As ações ocorreram na câmara e em 11 residências de servidores. Os nomes dos funcionários e dos vereadores não foram divulgados oficialmente pela polícia.

O chefe da polícia disse, ainda, que, a partir dos depoimentos de 12 servidores, ficou clara a prática de crimes como falsidade ideológica, organização criminosa e peculato, quando o agente público consegue obter vantagens por causa do cargo.

“Começamos a investigar o caso em agosto de 2018 e identificamos que os servidores atuavam recebendo salários sem trabalhar. Eles disseram, por meio de delação premiada, que assinaram pontos sem trabalhar. Isso sugere enriquecimento ilícito dessas pessoas”, afirmou o delegado.

Noventa policiais participaram ada operação. Eles recolheram documentos, celulares e computadores na câmara de Vereadores de Aliança.

A Câmara de Aliança tem 11 vereadores. “Agora, a polícia está trabalhando para ampliar essas investigações e, então, solicitar as prisões desses servidores públicos”, observou.

Por G1 PE

Nenhum comentário:

Postar um comentário